Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sábado de manhã

Na manhã de sábado
Eu ouvi jovens na rua
E as avós na varanda
Sem sorriso ou reprovação
Elas olhavam cansadas
Com uma tristeza elegante
De quem viveu o mesmo
na sua geração

Os jornais eram lidos
Mas também serviam como lixo
Nas garagens velhas
Ou como embrulho de pão
Cuidado, o pai dizia
Enquanto eu trepava nas árvores
Sem o sonho de voar
Sem medo de cair no chão

Enquanto isso a mãe fazia compras
Com seu vestido bonito e sapatilhas luzidas
Ela ia no mercado nos domingos
E chorava desesperada
De volta para casa
mãos no volante ao longo da estrada
O jantar estava quase pronto
Na mesa ela só abriu a boca
Para comer a salada
Nem ousou olhar pra mim
Eu sabia o que isso significava

Nos bueiros da mocidade
Havia um rumor estranho e familiar
De que os homens de cima não vêm
Os bêbados sabiam "tem que ser assim"
A cidade se apodrecia
E as velhas que jogavam bingo
Tomavam cuidado para não serem pegas de surpresa
Pela baixeza da vida porta afora do bar
Enquanto seu marido ainda era vivo
Minha tia nunca ousou reclamar
Depois que a rosa vermelha
caiu do seu vestido branco
na beira do altar
Ele não estava preocupado
Então ela viveu a esperar

Meus amigos pediram por uma palavra
Depois de verem meu estado
Mas eu fiquei cansado de discutir
Coloquei meus óculos escuros
E parti a pé para ver o mar
Meu amor foi embora também
E isso as vezes me faz rir e as vezes chorar

De noite ela me ligou três vezes
Mas eu não atendi
De propósito eu rolei na cama vazia
Feliz de estar na liberdade
sem seus beijos e seus caprichos de menina
É claro que ela não me ouvia
Eu falava russo e ela falava em utopia
As patas do gato nunca serviriam
Pra esmagar esse amontoado de rastros
que envelhecem nas caixas da sua família
Como você esperaria que com sua vida sem vida
Que eu encontraria a sua boca aberta na minha para te explicar
O que não deve ser explicado
Eu continuo entediado
Quando vejo sua tristeza
Tão fingida, eu finjo um descuido malvado
De alguém que não tem nada a oferecer
Nem nada pra dar para você
Além de seus próprios sapatos
David Ceccon
Enviado por David Ceccon em 08/11/2019
Reeditado em 08/11/2019
Código do texto: T6790295
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
David Ceccon
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 27 anos
78 textos (6713 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/11/19 22:24)