Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Solistência

1.
Não posso resumir
a minha
         necessidade
em
quartetos
            e tercetos

feito um
Shakespeare
      feito um
      Camões feito
             um Vinicius
             de Moraes;

como também
não posso   ascender
                     o meu coração

                     para o nascimento
de um
       pensamento

       de liberdade

                         – pois o século,

                                  senhoras
                                  e senhores,

é de cegueira
             e de clausura


2.
Constantemente me
despeço
        nos abraços dados
        em encontros
                    atrasados,

nos beijos secos
dos lábios
              partidos
                           – como se
                              a umidade
                              dos meus prantos
pudesse
          reviver          tudo aquilo

                              que
                                   um dia

                                           amei


3.
Sou a minha própria
solidão
           – um templo ruindo
              no território
              dos lírios,
                    da carência,
                    do desassossego,
                    das
                        borboletas

e das máquinas a vapor

                          que levam
                          sem nunca trazer

que levam
sem nunca trazer

                          que levam
                                sem nunca

                                       trazer


4.
Quanto mais anos faço,
menos tempo
       tenho de       vida;

Quanto mais penso
na vida,          mas me dói
                             existir;

Quanto mais penso
     em viver a vida,
     menos ardências
     me restam  para
                           aproveitar
                           os anos,
                                   os meses,
                                   as semanas

e os dias

           que inda


                      virão


5.
O tempo é uma ave
negra
         – plumagem
            que se confunde
            no abismo aberto
            sobre
                  nossas
                          cabeças

parindo
         estrelas
                   tão duradouras
                   que hão de murchar
                   o sorriso tímido
                   daquele menino

                   que achava
                   o tempo
                             um troço
                             lento;

e hoje,                   adulto,
                             incompleto
                             de si,

ouve Chico Buarque,
        Milton Nascimento,
        Tom Jobim
        e Elis Regina

               durante a tarde
               calada

aguardando
qualquer coisa
capaz         de
                 apaziguar
                 o teu tormento;

e que busca
na literatura
latina    – raramente
               estrangeira –

               alguma evidência
               de que  as coisas
               inda        valham
                             a pena:

                             afirmar que dois
                                            e dois
                             continuam
                                           quatro

e não um exílio

diante

    das Águas


               de Março
Allan Kenayt
Enviado por Allan Kenayt em 14/10/2019
Código do texto: T6769703
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Allan Kenayt
Cuiabá - Mato Grosso - Brasil, 24 anos
52 textos (426 leituras)
6 áudios (78 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 01:21)
Allan Kenayt