Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Na estrada dos andarilhos

Como um andar de passos
Lentos, que me atiro ao relento
Nos eternos corpos azuis
Manchando os salgados
Olhares celestes do mar

De siginificados sem razões
Trucidando os gritos perdidos
Por caminhar sem alcançar
Os muros que sobrepujão
O céu e as estrelas

Nos passos dos cometas
De onde abrem-se as janelas
Bastando refletir paralelamente
Para guardar as palavras singelas

Um pensamento, uma arma
O desvendamento, um erro
Que não corrige uma lágrima
Derramando todo sangue em outra

Um dia que me vesti de sombras
Entregando-me de corpo e alma
Me jogando ao ar sem me importar
Em vazias sugestões, sem as impressões
Do tempo no peito e o defeito na mão
Foi que meu coração chegou ao outro lado

Sem conhecer as ideais
Não esculpidas no eixo do tempo
Na onde percebi
Que o coração floresce
Casualmente ate esmagado
Por varios automóveis
Na estrada dos andarilhos
Onde cultivei meus passos
Lentamente.
Á alma é barata
Enviado por Á alma é barata em 21/03/2010
Código do texto: T2150317

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Á alma é barata
Suzano - São Paulo - Brasil, 33 anos
162 textos (4953 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/08/20 18:32)
Á alma é barata