Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O POÇO

O POÇO

As elegias dos mestres são poços
De águas turvas e profundas:
Tira-se tanto a pedra, se o balde for ao fundo,
Quanto só água límpida, se o começo

É com a corda curta. O tempo vai virar:
O “turvas” dito acima, em absoluto,
Quer dizer suja, senão acerto irresoluto.
É assim no Norte: ora a estiagem é de rachar,

Noutro cai um pé d’àgua que dá dó.
Mas, a todos, é franqueado beber,
Bem como, livre se é para escolher do quê,

Até mesmo, se quiser, do pior.
Pois, em algum lugar, já ouvi dizer, outrora,
Que só se desdenha do que sobra.

Macapá-AP, 14/09/2019.
(S.C. Ribeiro Torquato)
TEXTO REGISTRADO EM USINA DE LETRAS
Número do Registro: 156864779137402500
16/09/2019, 12:29:51 hs
Saulo C Ribeiro Torquato
Enviado por Saulo C Ribeiro Torquato em 14/09/2019
Reeditado em 19/09/2019
Código do texto: T6745011
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Saulo C Ribeiro Torquato
Macapá - Amapá - Brasil
15 textos (286 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/19 15:39)
Saulo C Ribeiro Torquato