Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os Últimos 18 Anos Da História Do Criciuma

Década de 2000: Títulos, rebaixamentos e retornos

Título Brasileiro da Série B

No ano de 2002, o clube é campeão do Brasileiro Série B e após cinco anos garante o seu retorno à elite do futebol brasileiro, em uma final disputada contra o Fortaleza Esporte Clube. A primeira partida, na casa do adversário, o Fortaleza venceu por 2 a 0. Na volta, mesmo com forte chuva o Heriberto Hülse lotou para ver o Criciúma vencer por 4 a 1, com gols assinalados por Paulo Baier (3) e Dejair. O time que jogou a final foi: Fabiano; Paulo Baier, Cametá, Luciano, Luciano Almeida (Sandro); Cléber Gaúcho, Cléber (Edinho), Juca, Dejair; Delmer, Anderson Lobão (Tico). Técnico: Edson Gaúcho.
2004-2005: Descenso
Em 2003, o clube fez uma boa campanha na Série A, conseguindo manter-se na elite do futebol brasileiro, porém em 2004 caiu para a Série B e em 2005, pela primeira vez, para a Série C do futebol nacional.

2006: Pela primeira vez na Série C e título.

Em 2006, o clube conquistou o título do Brasileirão da Série C, garantindo seu retorno à Série B em uma goleada contra o Vitória. O Tigre não tomou conhecimento do adversário e naturalmente aplicou 6 a 0. Com gols marcados por Leandro Guerreiro, Alexsandro, Beto Cachoeira (2), Fernandinho e Zé Carlos. O elenco desta partida foi: Zé Carlos; Sílvio Criciúma, Rodrigo e Cláudio Luiz; Bosco, Leandro Guerreiro, Marcelo Rosa, Douglas e Fernandinho; Dejair e Beto Cachoeira. Técnico: Guilherme Macuglia.

Problemas internos refletidos em campo

Em 2008, o Criciúma chegou às finais do estadual, perdeu o primeiro jogo por 1 a 0 no Orlando Scarpelli para o Figueirense e mesmo vencendo o segundo jogo em casa por 3 a 1 no tempo normal, acabou com o time da capital campeão, que venceu por 1 a 0 na prorrogação. Antes das finais do estadual de 2008, o Tigre ainda chegou às Oitavas-de-final da Copa do Brasil, eliminando mas foi eliminado pelo Vasco da Gama, que ganhou o primeiro jogo em São Januário com um gol em marcação de pênalti aos 43 minutos do segundo tempo e empatou por 2 a 2 o jogo de volta no Majestoso, com uma festa histórica da torcida tricolor nas arquibancadas e de Edmundo pelo time carioca dentro de campo, que ofuscou os gols de Jael e Zulu pelo Tigre.

2008-2009: A crise

No segundo semestre de 2008 preparando o acesso para a Série A do Brasileirão, o Criciúma teve um dos maiores orçamentos da história, realizando contratações de grande investimento financeiro, como do folclórico artilheiro Jardel e Luis Mario, que formaram no papel um dos elencos mais qualificados daquela Série B, mas a crise estava decretada a partir daquele ano e o tricolor amargou a 18º colocação da Série B e o segundo rebaixamento para a terceira divisão. Em 2009, o tricolor catarinense acabou surpreendendo no começo do campeonato estadual, sendo campeão do turno do e garantindo vaga no quadrangular final da competição. Porém, a boa fase começou a desaparecer no returno com resultados ruins e atuações muito diferentes do time campeão do turno. No quadrangular final, junto com Avaí, Chapecoense e Joinville, terminou na 4ª colocação, não conseguindo a vaga para as finais. Mais uma eliminação aconteceria naquele ano, só que dessa vez na Copa do Brasil, para o Náutico. No segundo semestre de 2009, com o time modificado, o tricolor começou a disputar o Campeonato Brasileiro da Série C de 2009. Uma péssima campanha marcou a temporada de 2009 do Criciúma na Série C e o quase rebaixamento para a Série D fizeram com que o técnico Roberto Fonseca fosse demitido após 4 jogos sem resultados positivos e Itamar Schulle acabou ocupando o cargo de treinador, mas o que não mudou o ritmo fraco naquela competição. No final do ano, o Criciúma disputou apenas para cumprir calendário a Copa Santa Catarina, competição com fins de laboratório para jogadores visando a próxima temporada.

Temporadas de 2010, 2011 e 2012: Redenção e volta à Série A

O ano de 2010 começou com a torcida revoltada com a diretoria, que via o time caindo aos poucos. O número de sócios que tinha superado o número de 10 mil em 2008, estavam beirando os 2 mil. Para a disputa do catarinense, a diretoria pouco contratou e o time começou levando duas goleadas nos dois primeiros jogos resultando na renúncia do Presidente Edson "Cascão" Búrigo, que embora não tenha medido esforços, não conseguiu vencer os problemas internos do clube. O vice Robson Izidro assumiu a presidência até que fossem feita as eleições. No estadual, não conseguiu fazer um bom campeonato, não conseguindo alcançar as 4 colocações do turno e do returno, que levariam o time a fase final. O técnico Itamar Schulle acabou sendo demitido e pro seu lugar assumiu o técnico Wilson Watekemper que estava treinando os juniores. Antes do começo da Série C de 2010, Antenor Angeloni assume pela segunda vez o cargo de presidente do Criciúma e com a meta de tornar o tricolor predestinado novamente grande. Começo de campeonato e o empate em 1 a 1, fora de casa contra o Juventude animou a torcida tricolor, que lotou o estádio na estréia, em casa, contra Brasil de Pelotas e viu o time começar a caminhada rumo a Série B do Brasileirão derrotando o adversário por 2 a 0. O Criciúma terminou a fase de grupos na 1ª colocação. Nas quartas-de-final, enfrentou o Macaé e acabou perdendo o primeiro jogo por 3 a 2, de virada, em Macaé. No segundo jogo, a frase Vamos subir, Tigre!, que não saia da cabeça do torcedor durante o campeonato se concretizou e o Criciúma venceu o time fluminense por 2 a 0, conquistando o acesso à Série B, no Heriberto Hülse com 19 mil torcedores. O dia 23 de outubro de 2010 ficará marcado na história do clube. Nas semifinais acabou eliminado nas penalidades pelo ex-Ituiutaba, atual Boa Esporte. Em 2011, foi campeão do turno do estadual, vencendo o Figueirense por 1 a 0 no Scarpelli e conseguindo a vaga para a final. No primeiro jogo da final, contra a Chapecoense, venceu por 1 a 0, mas acabou perdendo o segundo jogo pelo mesmo placar, no Índio Condá, em Chapecó. O time do Oeste Catarinense levou o título no critério de desempate, mais pontos na classificação geral. A Série B de 2011 foi marcada por altos e baixos, com o time brigando por uma vaga no G-4 o campeonato todo, entretanto, nas últimas sete rodadas o rendimento da equipe foi abaixo do esperado, terminando na 14ª colocação. Na temporada de 2012, fez uma péssima campanha no Catarinense, não conseguindo chegar nas semifinais, ficando na 7ª colocação na classificação geral e a demissão do técnico Márcio Goiano rodadas antes do término. Voltando a figurar na Copa do Brasil, eliminou o Madureira na 1ª fase, mas acabou sendo eliminado pelo Atlético Paranaense, perdendo o jogo de ida e o de volta por 2 a 1 e 5 a 1, respectivamente. A eliminação precoce no estadual e a goleada sofrida na eliminação da Copa do Brasil causaram uma pequena crise interna no clube, que deixou o torcedor tricolor desconfiado com o time para a temporada. Em 19 de maio de 2012, o Criciúma fez sua estréia na Série B de 2012 diante do seu torcedor e goleou o Guaratinguetá por 4 a 1. Em um campeonato disputadíssimo, o Criciúma surpreendeu até mesmo ao presidente do clube, que não esperava a campanha positiva da equipe devido às discussões internas no começo da competição. No dia 17 de novembro de 2012, empatou em 0 a 0 com o Atlético-PR e conseguiu o acesso à elite do futebol brasileiro diante de 19.743 torcedores que fizeram do Majestoso um caldeirão em todos os jogos.

2013

O Criciúma começou a temporada de 2013 empolgado com a volta à elite do futebol do Brasil, e logo na 1ª rodada do Campeonato Catarinense aplicou uma goleada de 6 a 0 no Camboriú, no Majestoso. Tudo indicava que o único representante de Santa Catarina na Série A de 2013 chegaria fácil às fases finais do estadual, mas o técnico Paulo Comelliencontrou muitos problemas na reformulação do time para isso se concretizar. Não conseguiu e após mais uma derrota no turno, dessa vez para o Metropolitano, em Blumenau, por 2 a 1, foi demitido. Juntamente com o ex-comandante Comelli, a diretoria decidiu demitir também o gerente de futebol Rodrigo Pastana e o preparador físico Márcio Corrêa.

“ No futebol, uma palavra que está sendo banalizada é planejamento. Faz parte do futebol. O planejamento era para médio prazo e foi no que deu para a gente. Infelizmente interromperam um ciclo que poderia dar certo. ”

Com a demissão de Paulo Comelli e Rodrigo Pastana, a diretoria correu atrás de um treinador e um gerente de futebol. Vadão, que estava no Sport Recife, foi o nome escolhido para comandar o restante da temporada 2013 e Cícero Souza para gerenciar o futebol do Criciúma. A estreia de Vadão no comando do Criciúma foi com derrota diante do Atlético de Ibirama, em casa, por 3 a 2. Depois desse jogo, mesmo com pouco tempo, Vadão arrumou o time e o Criciúma ficou invicto por 7 jogos, sendo 4 vitórias e 3 empates, culminando no título do returno e a classificação às semifinais do estadual depois do empate em 3 a 3 com o Metropolitano, em casa. Nas semifinais, enfrentou o Avaí e perdeu o primeiro jogo por 3 a 2, em Florianópolis. No segundo jogo venceu por 1 a 0, no HH e por ter obtido uma campanha melhor que o time da capital, avançou à decisão do título e enfrentou a Chapecoense. No primeiro jogo, embalado por um público de 16.717 pagantes, o maior do Campeonato Catarinense de 2013, o Criciúma derrotou a Chapecoense por 2 a 0. No segundo jogo, perdeu por 1 a 0, mas a derrota no oeste não tirou o título do Criciúma e acabando com um jejum de 8 anos sem vencer um estadual.

Copa do Brasil e Série A

O Criciúma estreou pela Copa do Brasil contra o Noroeste, no dia 3 de abril. Na 1ª fase, o empate sem gols em Bauru forçou que o time jogasse o jogo de volta e venceu com facilidade o time paulista por 3 a 0, em casa. Na 2ª fase, novamente, o jogo de ida fora de casa, contra o São Bernardo, no estádio Primeiro de Maio, em São Bernardo do Campo, acabou empatado, mas com gols: 1 a 1. No jogo de volta, em casa, eliminou mais um paulista da competição, vencendo o jogo de volta por 3 a 1. Na 3ª fase, o tricolor enfrentou o Salgueiro e mais uma vez o jogo de ida, fora de casa, no Estádio Cornélio de Barros, acabou empatado em 0 a 0. No jogo de volta, o Criciúma tinha tudo para avançar às oitavas-de-final, mas o que a torcida viu foi a eliminação, após sair vencendo por 1 a 0, o Tigre cedeu o empate aos pernambucanos nos minutos finais da etapa final do jogo. O time do Salgueiro se classificou pelo critério do gol fora de casa.Após oito anos longe da primeira divisão, o Criciúma estreou na Série A do Campeonato Brasileiro no dia 26 de maio, contra o Bahia, vencendo por 3 a 1. Até a paralisação do campeonato por conta da realização da Copa das Confederações no Brasil, o Criciúma tinha 6 pontos em 5 jogos (2 vitórias e 3 derrotas) e era 10º colocado. Enquanto a competição estava paralisada o Criciúma realizou dois amistosos contra o Caxias, que acabou empatado em 1 a 1, e contra o Guarani, que terminou com vitória tricolor por 2 a 0. Na volta do Brasileirão, o Criciúma voltou a jogar contra o Atlético Mineiro, em Belo Horizonte, jogo que acabou com vitória dos mineiros por 3 a 2. Passavam as rodadas e o Criciúma não conseguiu se firmar na tabela de classificação e o um dos piores momentos do clube na Série A começou na 11ª rodada, quando perdeu pro Corinthians por 2 a 0 em casa e acabou entrando pela primeira vez na zona de rebaixamento. Desde então, o mal momento do clube custou o cargo de treinador Vadão, que foi demitido após perder por 2 a 1, em casa, para a Ponte Preta, pela Copa Sul-Americana. Vadão comandou o Criciúma em 15 oportunidades pelo Brasileirão, obtendo 31% de aproveitamento (4 vitórias, 2 empates, 9 derrotas), deixando o clube com 14 pontos na 17ª colocação. Após a demissão de Vadão, o Criciúma foi comandado pelo interino Sílvio Criciúma, que depois de 3 vitórias contra o Coritiba em casa, e contra Vitória e São Paulo fora de casa, tirando o clube da zona de descenso para a 11ª posição, viria ser efetivado como técnico. Mas não durou muito e após uma sequência de 5 jogos sem vencer acabou demitido, deixando o clube novamente na zona da queda para a Série B. Após isso, Argel Fucks assumiu o cargo de técnico e tinha uma única missão: livrar o Criciúma de um novo rebaixamento. Não começou bem. Estreou perdendo na 24ª rodada para o Flamengo por 4 a 1, no Maracanã e conseguiu a primeira vitória na 27ª rodada contra o Grêmio, em Porto Alegre. O resultado positivo fora de casa contra uma equipe que lutava por Libertadores e título animou a torcida. Na rodada posterior derrotou o Vasco, adversário direto na luta contra o rebaixamento. E o que estava ruim, piorou. Foram mais 4 rodadas sem vencer e muitos já davam como certo o rebaixamento do Criciúma para a Série B, depois de empatar em casa contra a Ponte Preta. Afundado na 19ª colocação, o Criciúma começou a esboçar sua reação na 33ª rodada, quando venceu o Náutico, no Recife. O que parecia improvável aconteceu, o tricolor saiu da zona de rebaixamento na 34ª rodada e não voltou mais. Foram 6 jogos invictos, vitórias contra Náutico, Atlético Paranaense, Coritiba e São Paulo, e empates contra Ponte Preta e Vitória. O Criciúma se despediu do Brasileirão 2013 com derrota por 3 a 0 para o Botafogo, terminando a competição no 14º lugar, com 46 pontos.
2014: A volta de um ídolo e rebaixamento à Série B[

O ano de 2014 não havia sequer chegado, mas a torcida carvoeira já tinha olhares otimistas para o ano que viria. O eterno ídolo Paulo Baier foi anunciado como novo reforço para a temporada de 2014 no dia 30 de dezembro. Outra notícia que encheu a torcida criciumense de expectativas para o ano de 2014 foi a volta do atacante Lucca, destaque do clube no acesso à Série A em 2012.

Decepção no estadual

O Campeonato Catarinense de 2014 começou com 3 times dos 10 participantes figurando na elite do futebol nacional. O Criciúma, um deles, era também um dos favoritos ao título. O atual campeão catarinense começou mal a competição, mas terminou a 1ª fase na 2ª colocação, após uma grande arrancada nas últimas rodadas, num grupo em que apenas 4 se classificavam para a fase final. A arrancada, porém, não seguiu para a fase seguinte, e o Criciúma terminou o Catarinão na 3ª colocação na classificação geral.

Série A, Copa do Brasil e Sul-Americana

O Tigre estreou no Brasileirão de 2014 em casa, contra o Palmeiras e perdendo por 2 a 1. Logo na rodada seguinte, nova derrota e dessa vez para o Goiás, em Goiânia, derrota essa que culminou na precoce demissão do técnico Caio Júnior e na contratação de Wagner Lopes. Até a parada para a Copa do Mundo FIFA de 2014, o Criciúma figurava na 13ª colocação, com 11 pontos; na volta, derrotou o Fluminense num dramático 3 a 2; após esse resultado, o tricolor catarinense ficou 10 rodadas sem vencer e entrou na zona de rebaixamento na 17ª rodada após a derrota por 2 a 0 para o Flamengo em casa. A derrota também custou o cargo do técnico Wagner Lopes. Foram 20 rodadas lutando para sair da zona onde ficou até o final do campeonato, que ficou marcado pela melancolia de um novo rebaixamento na história do clube. O decreto da queda veio com uma rodada de antecedência, no empate em 1 a 1 com o Flamengo. A terrível temporada ficou marcada como a segunda pior do clube no Brasileirão da Série A, além de ter sofrido a pior derrota em uma competição oficial na sua história: 6 a 0 para o Botafogo, que acabou tendo o mesmo destino do clube carvoeiro: a Série B de 2015.Em meio a muitas negociações, outro ídolo do clube também voltou a pisar nos gramados do Heriberto Hülse no lado carvoeiro. Zé Carlos, artilheiro do clube na Série B de 2012, não obteve sucesso na nova passagem pelo clube e poucas semanas depois de contratado foi dispensado pela diretoria. Além de Caio Júnior e Wagner Lopes, o Criciúma também contou com a experiência de Gilmar Dal Pozzo, Toninho Cecílio, que comandou o clube por incríveis apenas 4 rodadas, e o interino Luizinho Vieira. No total foram 5 técnicos no turbulento 2014 para o Tigre. Após o rebaixamento, o clube anunciou o desligamento de mais da metade do elenco e de Paulo Baier, que pediu desculpas à torcida pelo fracassado ano de 2014 pelo Criciúma. Foi a 3ª passagem do jogador pelo clube, que seguiu para o futebol gaúcho. Pela Copa do Brasil, o Criciúma repetiu o ano de 2013 e foi novamente eliminado por uma zebra, na 1ª Fase. Contra o Londrina, o Tigre perdeu no Paraná por 2 a 0, e vencer em casa por 2 a 1 e não foi suficiente para continuar na competição. Com a eliminação, restou a vaga na Copa Sul-Americana e mesmo lutando contra o rebaixamento no Brasileirão foi com força máxima pra cima do São Paulo. Venceu o primeiro jogo por 2 a 1, porém na capital paulista acabou perdendo por 2 a 0 e sendo mais uma vez eliminado pelo time paulistano em uma competição internacional..

Torcidas
Entre as torcidas organizadas do Criciúma estão a Torcida Guerrilha Jovem] e a Os Tigres.

Vinicius Moratta
Enviado por Vinicius Moratta em 12/01/2019
Código do texto: T6548903
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vinicius Moratta
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil
231 textos (21892 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/03/19 11:03)