Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A grafia dos cardinais: lição para crianças

         
Vamos discutir, nesta coluna, a escrita dos numerais cardinais. Parece-nos que, por intuição, as pessoas normalmente escrevem de forma correta os numerais em nossa língua portuguesa. Vamos, passo a passo, verbalizar aquilo que nossa intuição já processa acertadamente e, quem sabe, aguçar a percepção de alguns sobre esse tema tão simples.

Um numeral como 223 (duzentos e vinte e três) grafa-se com o uso da conjunção “e” entre as ordens: empregamos a conjunção da centena  para a dezena e desta para a unidade. Fácil, não?

Exemplifiquemos, agora, com 456.223 (quatrocentos e cinquenta e seis mil duzentos e vinte e três) ou, ainda, com 345. 456.223 (trezentos e quarenta e cinco milhões, quatrocentos e cinquenta e seis mil duzentos e vinte e três). Observamos, então, que a conjunção “e” continua aparecendo entre a centena e a dezena e entre esta e a unidade.

Observem também que, quando se muda de classe, ou seja, dos milhões para os milhares e destes para as unidades não se empregou a conjunção “e”. Viram? Seria incorreto grafar “quatrocentos e cinquenta e seis mil E duzentos e vinte e três”.

Creio que estamos caminhando. Tudo bem simples e prático. Creio, também, que já podemos concluir o seguinte: na escrita dos cardinais, usa-se a conjunção “e” entre as ordens de uma mesma classe.

Mas há algo mais a dizer. Em um numeral como 1.500 (mil e quinhentos) ou 1.002 (mil e dois) ou, ainda, 1.020 (mil e vinte) usamos a conjunção “e” fazendo a conexão entre a classe dos milhares e a das unidades. Por que será?

Isso, realmente, vai ocorrer se o numeral terminar em dois zeros ou, ainda, se a classe das unidades começar pelo algarismo zero. Simples, não?

Cabe, ainda, uma observação. Basta atentar para o nosso segundo exemplo. Vejam que não se usa a vírgula entre a classe dos milhares e a das unidades.

Sabendo isso, vocês estarão habilitados a escrever acertadamente os numerais em nossa língua portuguesa e, no futuro, poderão preencher com segurança cheques e cheques... Por enquanto, vão apenas treinando!
           
*Walter Rossignoli é professor de Língua Portuguesa no Instituto Federal do Sudeste Mineiro; é autor de “Português; teoria e prática”, pela Ática e  de “Manual de ortografia; teoria e prática”, pela Ciência Moderna.
Walter Rossignoli
Enviado por Walter Rossignoli em 17/06/2013
Reeditado em 18/06/2013
Código do texto: T4345850
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Walter Rossignoli
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil
252 textos (20531 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/19 15:49)