superei ii (não era amor, era medo de crescer)

  A oitava estação sempre teve fama de traiçoeira, entretanto, daquela vez o frio na barriga não representava uma paixonite adolescente ganhando forças dentro do peito, mas uma vontade antagônica à falsa ilusão acalentada pelo ego.

   Voltar para aquele lugar nunca foi garantia de recuperar aquilo que o tempo levou embora por necessidade.

   Enquanto desfrutava daquele verão antecipado, vislumbrava a nova versão de si mesma, a mulher que despontava, regenerada, disposta a olhar para frente, que embora cometesse outros erros, não mais desejava ferir-se à procura de porquês que nunca lhe dariam a paz que buscava.

   As lágrimas derrubadas faziam parte do processo de limpeza que a permitiria dar o ponto final naquela história que ganhou uma dispensável continuação.

invisibile coccinella
Enviado por invisibile coccinella em 30/11/2021
Reeditado em 11/01/2022
Código do texto: T7397401
Classificação de conteúdo: seguro
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.