Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Crítica tentou domesticar 'Grande Sertão: Veredas', diz Silviano Santiago

Lá vem o trenzinho caipira da literatura brasileira apitando e soltando fuligem. De repente, desaba um pedregulho nos trilhos, quebra tudo.

É essa a metáfora que Silviano Santiago, um dos principais críticos literários do país, usa para falar do surgimento de "Grande Sertão: Veredas", de Guimarães Rosa, nas letras nacionais, em 1956. O sertão rosiano é o objeto de seu novo livro, "Genealogia da Ferocidade".

Em entrevista à Folha, Santiago diz que a crítica tentou "domesticar" "Grande Sertão" e não se deu conta da crítica que ele faz ao desenvolvimentismo do país.

Folha - Que tipo de domesticação é essa que você aponta na crítica literária sobre o livro?

Silviano Santiago - A crítica se viu diante do dilema complicado, porque é um livro de leitura áspera. A revista "Leitura" publicou um artigo que trazia entrevistas com escritores que não tinham conseguido lê-lo [Ferreira Gullar disse: "O livro começou a parecer-me uma história de cangaço contada para os linguistas"].

A crítica assumiu sua função tradicional, de mediar a leitura para o leitor comum.

O sr. atribui também a Antonio Candido tal domesticação.

Ele, o mestre de todos nós, teve a ideia extraordinária de comparar o livro a "Os Sertões", de Euclides da Cunha. Essa comparação serve para dar um olhar histórico a um romance que, na verdade, não se apoia na história.

Imediatamente, o romance se transforma numa nova representação dos problemas clássicos da República Velha, com os jagunços e coronéis. No entanto, você vê que no livro não há nenhuma data. Ele vai dando uma conotação um pouquinho perigosa, que é o conflito entre o progresso e a barbárie.

Por que essa comparação não faria sentido?

A condição de enclave torna "Grande Sertão" uma alegoria da nação toda vez que ela passa por um movimento desenvolvimentista sem se preocupar com as questões humanas e sociais [O romance de Rosa sai no mesmo ano em que JK assume o poder].

A comparação com "Os Sertões" foi muito útil, mas ela foi escondendo o que é o livro. Vejo dois elementos: um é a ferocidade, que é responsável pelo comportamento dos personagens dentro daquele enclave; outro, a irascibilidade, que seria toda a tentativa de botar ordem nessa anarquia.

Então, o livro é uma crítica ao desenvolvimentismo?

A mais radical já feita.

Mas só no plano político?

Também no plano estético, uma crítica aos perigos de você representar o desenvolvimentismo pelos valores que ele faz circular naquele momento. Daí vem a insatisfação da maioria dos leitores.

O livro é publicado na mesma época em que a Bienal de Arte de São Paulo premia o abstracionismo geométrico. Depois, vêm João Cabral de Melo Neto, que usa 20 palavras para escrever [risos], e os concretos. Mais adiante, a bossa nova. Toda essa ideia de que menos é mais.

Todos adotam a linguagem racional do desenvolvimentismo. No fundo, participam literária e politicamente dele.

Por que você diz que o uso que Guimarães Rosa faz da pontuação é aleatório?
Se você for seguir a pontuação racionalmente, você não sai da frase. Comparo com a pintura de Jackson Pollock, você vai distribuindo [a pontuação] pela página. Guimarães Rosa ordenou a fala do jagunço da maneira que ela poderia ser ordenada, que é pelo acaso.

                                     Ricardo Borges (Folha- 25/03/2017)
Ricardo Borges (Folha- 25/03/2017)
Enviado por Ary Carlos Moura Cardoso em 25/03/2017
Código do texto: T5951480
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Normal.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ary Carlos Moura Cardoso
Palmas - Tocantins - Brasil
1084 textos (293920 leituras)
1 áudios (342 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 03:13)
Ary Carlos Moura Cardoso