Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

À BEIRA DO ABISMO

            À BEIRA DO ABISMO
            Jajá de Guaraciaba


             Despercebidos e paulatinamente estamos perdendo o romantismo. Não nos preocupamos mais com as pequenas, porém importantes manifestações delicadas e de boas maneiras que dirigíamos aos nossos semelhantes.
              Não se ouve mais um cumprimento alegre enriquecido por um sorriso; não se nota mais nenhum agradecimento sincero por alguma boa atitude recebida; não se escuta mais um “com licença” quando se adentra ou sai dalgum compartimento. Perdoem-nos pela franqueza, mas muito raramente ouvimos alguém desculpar-se por algo que possa ter sido mal feito ou deixado de realizá-lo.
              Nosso comportamento está tão banalizado que quando praticamos uma cortesia somos, muitas vezes, mal interpretados. Pensa-se que até somos efeminados. A automatização usurpou o emprego da etiqueta, cujo trato cerimonioso satisfazia agradavelmente a todos que eram alvos desse comportamento lírico.
              Não se vê mais os rapazes priorizarem as senhoras, as senhoritas e os idosos. O que se percebe é um comportamento rude, vergonhoso e até certo ponto revoltante daqueles que se dizem modernos, porquanto tratam a mulher com muito mais machismo comparando-se àquele que se dizia haver antigamente.
              Hoje o perigoso comportamento de massa tomou conta da maioria: ridículo e egoístico aniquila toda a pureza que havia num passado não muito remoto.
              Será que essa repentina e brutal mudança de conduta se deve ao descomunal avanço da ciência e da tecnologia? O que é que a abertura política ocorrida nas últimas décadas do século vinte teve com a nossa transparente modificação comportamental? O que aconteceu? Não temos respostas convincentes. Sabemos, apenas, que essas indesejáveis alterações afetam a todos nós. Abalam e contagiam todos os segmentos sociais. Basta por exemplo, assistirmos a uma sessão numa câmara municipal para cientificarmo-nos que não há mais aquela lisura parlamentar de outrora.
              E nas escolas então? Acabou a meiguice e a educação comportamental dos alunos de um modo geral. E o pior de tudo é que os pais, na maioria, tratam os professores e diretores de modo indelicado e grosseiramente e, o pior ainda, na frente dos próprios filhos.
             É profundamente lamentável, mas dificilmente voltará o tempo em que havia respeito desinteressado ao próximo. O que se nota hoje em dia é um vergonhoso descalabro no procedimento de um modo geral: o Estado desrespeita os direitos do professor; o professor não respeita o aluno como noutro tempo; o aluno, por sua vez, desrespeita o colega, o professor, a direção da escola, os próprios pais e o Estado, fechando-se, assim, o doloroso ciclo do desrespeito, levando-nos inevitavelmente à beira do abismo.






Jajá de Guaraciaba
Enviado por Jajá de Guaraciaba em 27/01/2021
Código do texto: T7170002
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Jajá de Guaraciaba
Pilar do Sul - São Paulo - Brasil, 78 anos
930 textos (98879 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/04/21 14:24)
Jajá de Guaraciaba