Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ARTIGO, NA ÍNTEGRA, PUBLICADO NA REVISTA VIRTUAL GLÁUKS: Diálogo Intertextual entre a Pulsão Lírica de Edgar Allan Poe e Sebastião Bemfica Milagre

Diálogo Intertextual entre a Pulsão Lírica de
Edgar Allan Poe e Sebastião Bemfica Milagre
The Intertextual Dialogue between the Poetic Drive of
Edgar Allan Poe and Sebastião Bemfica Milagre
José João Bosco Pereira
1
Maria Ângela de Araújo Resende
2
RESUMO: O presente trabalho propõe uma leitura intertextual
de “The Raven” e “Annabel Lee”, de Edgar A. Poe (1845 e
1849), e  Gritos, obra poética de Sebastião Bemfica Milagre
(1972). A análise está centralizada na concepção de pulsão em
Freud como o instinto de morte e  libido. Os poetas estão
distantes no tempo e no espaço. A produção de Poe marcou o
fim do século XIX e a de Milagre, o fim do século XX. Essa
problematização aparece como uma ruptura (vida/morte) no
tema da amada. No contexto da poética moderna, ambos se
valem de experiências líricas e experimentações na  e pela
linguagem. Esse formato não esgota a possibilidade  de
contextualizações temporal e espacial. Assim, a pulsão é
projetada na literatura universal e local, que abrange os modos
de imaginação.  Eros  e Thanatos estabelecem os pontos de
aproximação e de distância entre os modos de representação da
                                                         
1
 Mestre em Teoria da Literatura e Crítica da Cultura  pelo Programa de PósGraduação em Letras (PROMEL) da Universidade Federal de São João Del-Rei
(UFSJ).
2
 Doutora em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Professora Adjunta III da Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ). 270 Gláuks
morte. Ao distinguir esses pontos, a literatura é concebida de
diferentes culturas.
PALAVRAS-CHAVE: Poética da modernidade. Lirismo.
Tradição. Pulsão.
  lírica de Edgar Allan Poe em Sebastião Bemfica
Milagre, objeto da Poesia Moderna em diálogo com
a Psicanálise, nos remete aos estudos da linguagem  e da
representação. Ambos estão imbuídos da sutilidade e
versatilidade “de experiências poéticas e experimentações com e
na linguagem que marcaram o fim do século XIX, [que] sinaliza
uma tradição que não se esgota em marcos temporais  e
espaciais”, conforme a síntese de Resende (2010)
3
 Por escolha
metodológica, o direcionamento é centrado na força  de temas
recorrentes, segundo os quais se busca a interface de escrituras e
até de diferentes épocas. As metáforas nos sugerem a morbidez e
o idílio fúnebre de imagens. Imagens típicas da Psicanálise.
Gritos, de Milagre (1972), e “The Raven” e “Annabel Lee”, de
Edgar A. Poe que aparecem em sua Antologia de contos (1959);
em Histórias extraordinárias (2005), retomando a tradução de
Clarice Lispector; em Poemas e ensaios (1999) e Poesia e prosa:
obras escolhidas (1990), são verso-anverso de experiências
estéticas não isoladas da cultura. Nesse sentido, a poesia tece o
jogo de signos. Nada é gratuito. Em Poe e Milagre, pinçam-se os
aspectos das mimeses que têm pulsão lírica como caudal híbrido
de camadas da psique e da cultura. Assim, os poemas acima
citados de ambos os autores não se fecham em si, abrem-se para
um novo olhar, uma análise comparativa e transdisciplinar. Tais
                                                         
3
 O presente artigo foi elaborado a partir dos estudos realizados na disciplina “A
crítica literária do Século XX”, ministrada pela Profª Dra. Maria Ângela de Araújo
Resende, no primeiro semestre de 2010, na UFSJ.
ADiálogo Intertextual entre a Pulsão Lírica de Edgar Allan Poe e ...  271
poemas se aproximam quando se procede a uma análise
intertextual à luz da Psicanálise e da Tradição Poética.
1 Psicanálise e a lírica: diferenças entre Poe e Milagre
A conceituação de  Eros  e Thanatos, em  A morte em
Veneza, parte de uma elaboração de conceitos cuja síntese é
como impulso artístico do escritor, explicitado no  prólogo de
Thomas Mann (1944)
4
. Nesse contexto, o diálogo de Fedro com
Sócrates (MANN, 1944, p. 175-177) situa a pulsão na narrativa
dessa obra. Analogicamente, a representação lírica flui nas obras
de Poe e Milagre. Essa pulsão é, emblematicamente,  situada
ainda em T. Mann (1944), quando infere as temáticas possíveis
da pulsão lírica: “A beleza [...] é o caminho da sensualidade;
perigos deliciosos; cheia de culpa. O poeta não poderá seguir a
via da beleza sem que Eros seja guia [...]. Devemos aspirar ao
amor, nosso prazer e vergonha. Somos dissolutos e aventureiros
da emoção. Nossa gloria é farsa.” (MANN, 1944, p. 178, grifo
nosso). Também, Molloy (2003) aborda as diferentes narrativas
para evitar a redução da narrativa à escrita de si apenas. Embora
reconheça a autobiografia, Molloy vê que a hibridez nos remete
à poética como o alcance social e a constitutividade textual. O
que se questiona são as relações de poder entre a escritura em
seu contexto de produção. Molloy (2003) apresenta a relação
entre inconsciente e formas culturais de manifestação literária:
“Ao considerar a mediação narrativa [...], um fragmento, um
rastro, armazenado na memória que guia a inscrição do sujeito
[...] nas ‘formas culturais’ [...], os escritores recorrem ao arquivo
                                                         
4
 É mesmo um dos traços da obra: o parentesco com as teorias de Freud. [...] uma
ilustração da libido com o impulso artístico: a luta entre a austeridade do artista e o
impulso erótico, o processo de regressão onde [aparece] o mar, o simbolismo erótico
do sonho, as aberrações do desejo, associadas com a infecção orgânica, o desejo da
morte, enfim, os conceitos fundamentais da psicanálise [como] nesta representação
de uma sombria e estranha aventura. (MANN, 1944, p. 7-11, grifo nosso). 272 Gláuks
europeu em busca de fragmentos textuais com os quais,
(in)conscientemente forjam imagens.” (MOLLOY, 2003, p. 19).
Como Molloy, Ramos (2008) entende as imagens de desencanto
do mundo (aludindo-se a Max Weber
5
, que concebe a
racionalidade e a secularização  versus  o desprestígio da
tradição) na melancolia lírica, no contexto de profissionalização,
na crise da modernidade e na divisão do trabalho intelectual.
Assim, o escritor se torna um exilado na  Polis e o guerreiro
solitário no “bisturi do dissecador” (RAMOS, 2008,  p.16)
positivista. Para sobreviver, o escritor tem que se tornar um
“sujeito orgânico” (Idem, p. 20), politizado, capaz de articular
“as tensões entre as exigências da vida pública e as pulsões da
literatura moderna” (Idem, p. 21).
2 Contextualização da vida e obra de Edgar Allan Poe
Edgar Allan Poe foi filho de casal de atores de teatro
6
,
nasceu em 19 de janeiro de 1809, em Boston. Morreu  em
Baltimore, aos sete de outubro de 1849, como poeta, romancista,
crítico literário e editor estado-unidense. Ao morar com a Tia
                                                         
5
 Na famosa conferência “A ciência como vocação”, pronunciada em sete de
novembro de 1917, em Munique, o pensador entendeu que a ciência era um dos
fatores fundamentais do processo de desencantamento do mundo. Weber especifica
essa atitude moderna dizendo: “O destino de nosso tempo, que se caracteriza pela
racionalização, pela intelectualização e, sobretudo, pelo ‘desencantamento do
mundo’, levou os homens a banirem da vida pública os valores supremos e mais
sublimes. [...] A quem não é capaz de suportar virilmente esse destino de nossa
época, só cabe dar o conselho seguinte: volta em silêncio, sem dar a teu gesto
a publicidade habitual dos renegados, com simplicidade e recolhimento, aos braços
abertos e cheios de misericórdia das velhas Igrejas. Elas não tornarão penoso o
retorno. De uma ou de outra maneira, quem retorna será inevitavelmente compelido
a fazer o ‘sacrifício do intelecto’.”
6
 Filho de um casal de atores, da atriz inglesa, Elizabeth Arnold, com David Poe, seu
pai. Órfão aos dois anos e logo depois adotado por John Allan, rico comerciante de
Richmond, Virgínia. Entre 1815 e 1820, recebeu esmerada educação clássica na
Escócia e Inglaterra. (Síntese de Antonio Paiva Rodrigues (2007).  Diálogo Intertextual entre a Pulsão Lírica de Edgar Allan Poe e ...  273
Allan em Baltimore, dedica-se ao jornalismo em Filadélfia e
Nova York. Ele fundou sua tipografia
7
 depois de conflitos com
os editores e seu padrasto. Sua paixão pela literatura o inquietara
a ponto de ter uma dedicação compulsiva
8
 como gênio
instigante. Com sua própria tipografia, Poe foi publicando os
poemas: “The Raven”, “Annabel Lee”, “Leonore”, dentre
outros. Com 36 anos de idade, Poe (2007) escreveu: “Corvo”
9
 e
“Annabel Lee”. Segundo alguns críticos, a versatilidade em Poe
garantiu seu sucesso editorial e a valorização da posteridade.
Elaborou uma poética sui generis quanto ao estilo e à questão da
morte.
10
   
                                                         
7
 Poe mudou-se, em seguida, para Baltimore, para a casa da sua tia viúva, Maria
Clemm, e da sua filha, Virgínia Clemm. Durante essa época, Poe usou a escrita de
ficção como meio de subsistência e, no final de 1835, tornou-se editor do jornal
Sothern Literary Messenger, em Richmond, tendo trabalhado nessa posição até
1837. Nesse intervalo de tempo, Poe acabaria por casar, em segredo, com a sua
prima Virgínia, de treze anos, em 1836. Dados disponíveis em Poe (2010).
8
 Em 1837, Edgar A. Poe mudou-se para Nova Iorque, onde passaria quinze meses
aparentemente improdutivos, antes de se mudar para  Filadélfia, e pouco depois
publicar The Narrative of Arthur Gordon Pym. No verão de 1839, tornou-se editor
assistente da Burton's Gentleman's Magazine, onde publicou um grande número de
artigos, histórias e críticas. Nesse mesmo ano, foi publicada, em dois volumes, a sua
colecção  Tales of the Grotesque and Arabesque (traduzido para o francês por
Baudelaire como  Histoires Extraordinaires e para o português como  Histórias
Extraordinárias, uma das versões traduzidas por Clarice Lispector,  pela Ediouro,
em 2005, que contém 18 contos de Poe.). Apesar do insucesso financeiro, essa obra
é apontada como um marco da literatura norte-americana. (POE, mar./jul. 2010).
9
 No início de 1845, foi publicado, no jornal Evening Mirror, o seu popular poema
“The Raven” (em português “O Corvo”). Particularmente, admira-se o estilo
machadiano na tradução portuguesa de “O corvo” (ASSIS, 2010).
10
 As obras mais conhecidas de Edgar A. Poe são góticas, um gênero que ele seguiu
para satisfazer o gosto do público. Seus temas mais recorrentes lidam com questões
da morte, incluindo sinais físicos dela, os efeitos da decomposição, interesses por
tapocrifação, a reanimação dos mortos e o luto. Muitas das suas obras são
geralmente consideradas partes do gênero do romantismo negro, uma reação
literária ao transcendentalismo, do qual Edgar Allan Poe fortemente não gostava.
(POE, jul. 2010).  274 Gláuks
3 Aspectos da vida e obra de Sebastião Bemfica Milagre
A partir de 1940, Sebastião Milagre começa a escrever
seus sonetos: tinha dezessete anos. Com a morte do pai, volta à
cidade natal, interrompendo o segundo grau que iniciara no
Colégio Arnaldo, de Belo Horizonte. Passa no concurso da
Polícia Civil. Trabalhou como escrivão em Divinópolis, MG.
Sua profissão lhe servia como um dos espaços de elaboração e
de inspirações para tematizar o cotidiano e a abjeção da
humanidade; rebelou-se contra a ditadura, tornando-se porta-voz
da juventude local. A visão milagreana do “mundo (i)mundo” se
desvai ao maniqueísmo vital, mas se revela paradoxal ironia. O
corpo se torna o cárcere da alma e o  locus  das pulsões
contraditórias do pecado: as inclinações do desejo  e da
sexualidade. Milagre morre em 22 de fevereiro de 1992, em
Belo Horizonte, Minas Gerais. Outros dados autobiográficos
podem ser encontrados na dissertação de Pereira (2011).
4 Uma proposta de análise intertextual
Edgar Allan Poe publicou “O corvo”, pela primeira vez,
em 29 de Janeiro de 1845, no  New York Evening Mirror. A
versão de 1883, aqui, é a tradução de Machado de Assis. O tema
atende à alegoria do Ultrarromantismo inglês: o corvo é o ícone
de morbidez. O “corvo” repousa sobre o busto de Atena como
ícone da inexorabilidade da morte. O domínio de  Tanatos  e o
seu legado insuportável eterno são elementos constitutivos da
poética. A construção da personagem funciona como arquétipo,
um idílio fúnebre e a universalidade da perda da amada.  A
obsessão de Poe está na construção do verso e sua musicalidade,
cujos recursos da língua inglesa
11
 reproduzem a ambiência lírica
                                                         
11
 Aqui se contempla a tradução de Fernando Pessoa do poema “The Raven” (2010). Diálogo Intertextual entre a Pulsão Lírica de Edgar Allan Poe e ...  275
da melancolia e do luto, impregnada de rimas internas e de
arranjos eufônicos.
 12
 Poe começa a situar a aparição do “corvo”,
em que flui a saudade da amada, cuja memória é a cinza sobre a
brasa: “Era no glacial dezembro; / Cada brasa do lar sobre o
colchão refletia / A sua última agonia.” (apud ASSIS, 1883, p. 1)
O contraste se apresenta à medida que a esperança se esvae
como o ocaso do sol. O eu-lírico mergulha-se no inconsciente
com imagens fúnebres como pesadelo. O poema se anuvia com
o reino de sombra, um  locus onírico. O eu-lírico sussurra o
nome de sua amada: “Só tu, palavra única e dileta.” (apud
ASSIS, Idem, p. 2) Não tem certeza do que encontrará no sonosonho como resposta ao seu lamento: a repetição atroz: “Nunca
mais.” (apud ASSIS, Ibidem), a denegação da vida: “Que dos
seus cantos usuais / na amarga e última cantiga.” (Idem, p. 3).
Esse estribilho faz fluir imagens de seu desejo febril de
reencontrar o impossível: da tumba, emerge a figura da morta e
o poeta chora a perda da amada de sua alma.
Eis o poema de Sebastião Milagre que aqui
disponibilizamos para cotejamento com “O corvo”, de Edgar
Allan Poe:
“... É assim que o destino bate à porta.”
(Beethoven)
                                                         
12
 O maior problema encontrado na tradução de O Corvo é preservar os intrincados
mecanismos métricos e fonéticos que conferem ao poema sua tão reconhecida
musicalidade que, combinada com o ar soturno do próprio poema (aspecto inerente
ao próprio zeitgeist [espírito de uma época], em termos literários), fizeram essa obra
famosa mesmo entre os que não conhecem Poe ou a corrente à qual o autor
pertenceu. (POE, jul. 2010).  276 Gláuks
trombodoença assoma
a sombra assombra
                                             fataldia
porque a Lilia foi-se?
                                     ah! foice
era esposa noiva
               morrenova
estou a                  atri
          batido               bulado
                ver                   amo
                    gastado             finado
                              entre tanto
                        amor mor   não     mor
                                                              re
                          li li amor
                          minha na
                          morada
                          quando e quanto
                          te terei hoje-sempre?
                          querida
                          quero   ida    contigo
                                               e ter na
                                                feliz-cidade.
(MILAGRE, 1972, p. 57). Diálogo Intertextual entre a Pulsão Lírica de Edgar Allan Poe e ...  277
Tanto Poe (2005) quanto Milagre (1972) culpam o
sobrenatural pela morte da amada, mas eles são poetas e, como assevera Fernando Pessoa: “o poeta é um fingidor”.  Essa
assertiva está no poema de Pessoa (1972) “Autopsicografia”:
O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.
(PESSOA, 1972, 164).
A atualidade de Poe é recorrente a tal ponto que Ricardo
Piglia (1997)
13
 aproxima a Psicanálise à Tragédia no diálogo
entre os poetas. Para Piglia, Freud buscou a tragédia como
forma, não gênero
14
, que estabelece uma tensão entre o herói e a
palavra dos mortos. A tensão é ambígua entre a palavra dos
deuses e a dos mortais. Tal estruturação parte da palavra: recurso
pessoal que desmistifica o poder e remete ao homem como autor
de seu destino e vida.
15
 Para Poe, segundo Piglia (1997), o
                                                         
13
 Ricardo Piglia proferiu a conferência “O melodrama do inconsciente”, em Buenos
Aires, para a Associação Psicanalítica Argentina, em 07 de julho de 1997. O artigo
foi traduzido por Sérgio Molina e publicado em 21 de junho de 1998 na Internet.
Disponível em: <http://biblioteca.folha.com.br/1/22/1998062101.html>. Acesso em:
17 jul., 20:00.
14
Em literatura, a tragédia como um gênero é uma tensão entre o herói e a palavra dos
deuses, do oráculo, dos mortos, uma palavra vinda do outro lado, dirigida ao sujeito,
que não entende tais mensagens. O herói escuta um discurso enigmático como em
Édipo, Hamlet, Macbeth. Essa discussão começa com Nietzsche e chega a Brecht.
15
 Em “Édipo” há um problema com pais e mães, em “Hamlet” há um problema com a
mãe. Mas em “Hamlet” há também um pai que fala depois de morto. Outra forma de
pensar a psicanálise e a literatura se dá pela obra dePoe, no gênero policial.
Inventado em 1843, invadiu o mundo contemporâneo. Hoje o mundo questiona a lei 278 Gláuks
escritor-detetive é capaz de discutir o mesmo que a sociedade
discute, mas de outra maneira. Essa maneira é a chave especial.
O psicanalista nos convoca como sujeitos trágicos;  diz que há
um lugar em que todos somos sujeitos extraordinários, lutando
contra tensões e dramas profundíssimos, e isso é muito atraente.
Convoca-se o sujeito para um lugar extraordinário, tirando-o do
anonimato e repensando o sentido da experiência cotidiana.
Pode-se estabelecer um nexo entre ambos quanto à escrita como
estado simultâneo de lucidez e loucura, em que eles transferem
seus conflitos e os da modernidade para a poética como a arte
da natação intrapsíquica. A Literatura é o divã desse pesadelo.
“Tomba, tromba...” (MILAGRE, 1972, p. 57) na história
de sua vida, o labirinto da sua melancolia, um luto prolongado
em cada obra, em cada verso, em cada suspiro, em cada grito.
Um lamento como Beethoven: apenas a solidão fica do que não
parte, a outra parte é irrecuperável. Cada nota musical, cada
verso, cada pauta de dor, cada partitura de réquiem é só uma
rememoração do espectro como apelo musical fúnebre, bem do
gosto do poeta mineiro, cujo antecedente nos remete à musica
barroca ou a Mozart, Brahms, Berlioz e Verdi. Na liturgia cristã,
o  réquiem é uma espécie de prece ou missa especialmente
composta para um funeral. Música cantada durante os velórios
ou simplesmente para homenagear os mortos. O retrato é o
espelho do que já não é; não existe mais. Especula o além, só
fica aqui no agora, flui o aquém da vida terrenal.  E “assim o
destino bate à porta...” como intuíra Beethoven (MILAGRE,
1972, p. 57.) O poeta não “tampa” (Idem, p. 57) ou reprime o
seu luto, seu réquiem: solve cada dia sua melancolia... Há uma
fatalidade, tragicidade poeniana (como Poe sofre a  perda de
                                                                                                                           
e a verdade: não se deve subestimar o mal e o crime. Poe inventa um sujeito
extraordinário, o detetive, cujo destino é estabelecer a relação entre a lei e a verdade.
O detetive não pertence ao mundo do crime nem ao mundo da lei; não é um policial.
Em  Dupin, Sherlock Holmes, o detetive vem abrir o lugar da verdade que não
pertence a nenhuma instituição. Diálogo Intertextual entre a Pulsão Lírica de Edgar Allan Poe e ...  279
Virginia tanto quanto o eu-lírico amaldiçoa o mar,  que lhe
roubara  Annabel Lee). Uma noiva morta lhes resta.  Lilia e
Annabel Lee são representações tumulares, sentenças
paradigmáticas fúnebres, projeções líricas elegíacas, ou seja,
tornaram-se túmulos, namoradas da morte, moradas finadas,
amadas finitas, imortalizadas no verso.
O texto de Milagre é cheio de recorrências: metonímias e
metáforas da morte como  foice  (cf. MILAGRE, 1972, p. 57)
=foi-se (o sentido de partida radical no foi-se e no instrumento
agrário da foice como força mortal do anjo coletor de almas). A
metáfora milagreana da trombose que mina a vida com as
marcas da morte – os trombos. Constituem efeitos ou leimotiv de
repetições fonéticas em tromba, tomba, tampa, que repercutem o
signo  trombo: célula que perdera sua capacidade de ser
condutora de vida-sangue. A morte é equiparada em Milagre à
doença, assoma de Thanatos, assombra de espectros, fatalidade,
Finados... Justamente, o poeta enterrara a Lilia no dia de
Finados de 1970.
Assim, Freud visualiza a pulsão de morte em
Interpretação dos sonhos como simbologias que foram já
recalcados pela censura da psique. Seja o mar e a sombra, seja o
sonho, a negação do desejo e da doença; a vida é a  estranha
aventura que se abala. A tragicidade da vida como inexplicação
em si na morte. A tensão vida-morte é a constante das pulsões
intrapsíquicas. Em 1972, em Gritos, obra de ruptura, Milagre
justifica-se, com tom melancólico-rebelante, logo na
apresentação de seu livro:
Gritar que o amor é incompreensível por querer sustentar-se
eterno na fugacidade da vida terrena... [...] Gritar que a vida é
insuportável. [...] não há remédio para o amor cujo desfecho é a
morte. [...] Por que tive o destino de amar profundamente e a
uma só mulher? Melhor é destruir estes versos? Melhor que
ninguém lembre que Lilia e Tião se amaram?... (MILAGRE,
1972, p. 13).  280 Gláuks
O Mal do arquivo (DERRIDA, 2001) perpassa a crise da
modernidade e propõe uma postura crítica à escritura, apontando
várias reflexões interessantes como a compreensão da erotização
do poema como  libido.  A fluidez do texto  como prazer  e
sublimação pode ser vista em Prazer do texto (cf. BARTHES,
1987), apontando o deslocar metafórico da morte como
pathos.
16
 
O conceito de  eterno retorno, de Nietzsche, está na
circularidade do sofrimento, na melancolia e no luto do poeta
como arconte ou homem da memória,que nos elucida Colombo
(1991)
17
 e Le Goff (2003)
18
. Aí está o segredo de Milagre. Para
Adorno, isso é a indissolubilidade do segredo.
19
 Em O mundo e
mundo-outro (MILAGRE, 1976), Dr. F. Teixeira justifica:
Tudo anuncia a volta. A presença imorrida. [...] ninguém morre
completamente. Aí começa o sono da realidade entre os sonhos
                                                         
16
O paradoxo dessa poesia elegíaca aparece como estrutura em Prazer do texto, de
Barthes (1987).  Eros  e Thanatos, de viés neossimbolista, tecem o  pharmakon
derridiano no pathos de Milagre, cujo fundo temático, ao mesmo tempo, é místico e
cético, na melancolia do poeta moderno. Milagre se inscreve nas questões de criação
à maneira de Shakespeare, Dante e Poe, em que a  mímesis se articula com
aproximações e distanciações do cânone. O próprio Sebastião Milagre vivencia, na
crise do “desencanto da modernidade”, a tensão entre morte e vida como enfatizara
Weber (apud BOMENY, 1994, p. 190). Helena Bomeny, de sua parte, cita como
tensão na proporcionalidade entre racionalidade e emoção: “entre os valores em
declínio e a realidade recalcitrante; entre a paixão  calente e o senso frio de
proporcionalidade, entre a personalidade eticamente racionalizada e o mundo
etnicamente neutro.” (apud BOMENY, 1994, p. 190).
17
 É interessante a metáfora do labirinto, do bloco mágico e do jardim como risco do
esquecimento ou delete parcial ou total sobre as memórias arquivadas pelos recursos
midiáticos.
18
 Ele especifica os sentidos da memória e sua institucionalização ao longo da história,
graças à valorização dos estudos dos arquivos, a mediação dos homens da memória
como sacerdotes, arcontes, magistrados, historiadores e outros pesquisadores.
19
 O Segredo não será descoberto! A literatura vive de uma indissolubilidade dele,
visão esta que coloca em suspenso a noção de que o  texto é um enigma a ser
revelado ou descoberto. Veja o filme “La Flor de mi secreto”, de Pedro Almadóvar
(1995), que sustenta essa posição adorniana em sua Teoria Estética. A síntese do
filme se encontra em http://www.adorocinema.com/filmes/filme-13051/, acesso em
25 de março 2010. Diálogo Intertextual entre a Pulsão Lírica de Edgar Allan Poe e ...  281
da verdade. Mas, seus sentimentos pertencem ao poeta, que
estourou as paredes do tempo com os gritos do amor e acordou
os homens para segredar-lhes ser a ausência a única convicção
da presença dos que amamos numa estação, bem próxima, de
espera. [Gritos] foi a melhor herança que todos aqui
recolheram, por você, Sebastião, de sua sempre-lembrança,
sempre-presença, sempre-Lilia. (MILAGRE, 1976, p. 8).
Marques (2003, p. 143 e 146) explicita o “Um Duplo
Envolvimento” e “Uma Dupla Operação” no arquivamento de
si: “prática de construção [de imagem íntima de si] e de
resistência” (Idem, p. 147), talvez a possíveis (in)compreensões
sobre sua poética em uma comunidade em transição entre o
tradicional e o moderno. Marques, em “Arquivamento  do
escritor” (2003)
20
, especifica a relação poética com o mercado
e Marques (2007)
21
 especifica os conceitos de  locação em
diferentes aspectos, como:  literário, cultural, político  e  dos
afetos. O poeta não pode se furtar da tensão entre a autonomia
da arte e sua sobrevivência no mundo editorial e
mercadológico. Em Gritos (1972), tem-se uma obra de ruptura,
com uma tônica melancólica decorrente do passamento de sua
esposa  Lilia. Em cada página, o poema assume formas
diferenciadas nas variações semânticas. A trova servirá a outro
propósito: um canto de lamentação e o epitáfio ao espectro da
mulher e seu encontro em clima onírico e utópico. A indagação
do eu-lírico não encontra respostas para a morte da amada. O
                                                         
20
 Para Marques, o Arquivamento do escritor constitui um estudo transdisciplinar, que
envolve os arquivos no Acervo de Escritores Mineiros da UFMG, com os recursos
tecnológicos específicos. O escritor passa a existir no papel quando se inscreve em
registros de toda ordem. Nos prólogos de Milagre, vê-se essa intenção
autobiográfica.
21
 Nesse artigo, Marques afirma: “Acredito que as relações entre poeta e o mercado
podem se dar de forma que não acarretem a mercantilização da inteligência e da
poesia. Trata-se de uma defesa da pureza da poesia que pode parecer, aos olhos de
hoje, um tanto idealista, senão ingênua.” ( p. 8). 282 Gláuks
desespero aumenta com o silêncio de Deus
22
 e não aceita
resignar-se frente ao mistério da finitude. A morte é vista como
trágica. Cabe ao homem fugir no sonho. Para o poeta, a
felicidade dos outros lhe faz sofrer mais com a inexorável
sentença de morte da amada. Resta ao poeta projetar um
encontro além com Lilia, quando sua vida aqui é só
melancolia-solidão,  taedium vitae e desejo de morte. É o
Spleen, de Baudelaire.
23
 Mas, procura-se articular a figura de
Lilia à “Annabel Lee”, de Poe (2007), ambas jovens e falecidas
prematuramente. A tragicidade grega se reitera, mas deixa
marca de tradição não somente no cânone. Eufonicamente, há
ecos da “Anabell Lee”, de Poe, na escrita milagreana... São
ecos de vozes femininas em ambas as obras. O tema da perda
da amada é mais frequente do que se pensa na literatura
mineira, um dos motivos é a melancolia como desencanto da
modernidade como afirma Reinaldo Marques (2002), no artigo
“Minas Melancólica: Poesia, nação, modernidade”.
5 Conclusão
Que diferenças e convergências há entre Poe e Milagre,
sendo dois autores de épocas diferentes? A aproximação
temática
24
 comum entre eles não descura da diferença de estilos
                                                         
22
 Parece com o silêncio do pai em “A terceira margem do rio”, conto de Guimarães
Rosa.
23
 Na verdade, existe em Milagre uma justaposição de textos e imagens que reiteram a
perda da mulher amada; nesse sentido, evocam-se as figuras de mulheres nos textos
de Poe e Milagre.
24
 Diante da finitude do homem, o Simbolismo apela para uma transcendentalidade
cujo status trouxe não menos o espaço simbólico de  fugas e excessos. Contudo,
significou o simbolismo em outras versões no modernismo, uma indagação sobre os
mistérios que a  ratio não ousava decifrar contundentemente. Daí uma demanda
paradoxal em Poe e em Milagre, ao mesmo tempo, fisgar-lhe a criatividade gótica e
os recursos da poética no ultrarromantismo anglo-americano. Em ambos, o gênio Diálogo Intertextual entre a Pulsão Lírica de Edgar Allan Poe e ...  283
e de contextos sociais. O tema da morte e da morte da mulher
amada é uma das convergências. A diferença reside no estilo e
no deslocamento desse tema em épocas diferentes. O  que se
destaca é a ousadia lírica de ambos, visto que se apresentam,
paradoxalmente, o ceticismo ao lado de reflexões religiosas.
Ambos fizeram sonetos de cunho tradicional na perspectiva
canônica. Na obra Gritos (1972), Milagre também começa com
um soneto a Lilia, sua primeira esposa, que serve de mote ou
leitmotiv para uma desconstrução, como desdobramentos
ousados à maneira modernista e vanguardista. Ambos  se
revelam melancólicos e incisivos contra a ortodoxia. T. S. Eliot
(1989), em “Talento individual e tradição”, preconizou a
maneira pela qual o poeta elabora uma diferente interpretação da
tradição. É essa a perspectiva de diálogo entre psique e cultura,
ou seja, entre pulsão e lírica, focando Eros e Tanatos nos temas
inovadores em Poe e Milagre. O fluir da libido no verso exige
meticulosidade do poeta, articulando elementos de uma pulsão
lírica para deixar falar o desejo, negado pela censura e pela
Ratio. Ele, mimeticamente, elabora seus conteúdos
inconscientes. A escritura é híbrida, um conjunto de pulsões:
uma representação materializada na linguagem, certo recorte do
“real”, da libido no  locus verba do texto e do contexto como
materialização do desejo, seja calcado nos princípios de morte
ou de vida. Poe e Milagre questionam ou descondicionam visões
estereotipadas de homem e de mundo. O poema é o lugar da
sublimação e da melancolia que perpassa o processo de criação
densa. Ambos se constituíram  divisor de águas em suas
sociedades. O  Eros exige a libidização das relações como
realização e autorrealização do ego que se abre ao Id freudiano.
O  Superego se interpõe como censura e ruptura do desejo e
causa o recalque. A vida humana se torna o espaço de frustração
                                                                                                                           
irrequieto e rebelante só foi reconhecido tardiamente, uma vez que seu modo
próprio de escritura representou ruptura e ameaça ao status quo.  284 Gláuks
amorosa e conflito existencial, diluindo as razões da submissão
do homem ao destino e ao trauma da morte. Assim como
apontara Ramos (2008): “[...] nenhum texto pode ser lido como
documento passivo, como um testemunho transparente da crise.
[...] A literatura moderna se constitui e prolifera, de modo
paradoxal, anunciando sua morte e denunciando a crise da
modernidade.” (p. 15) Para esse autor, que conceitua o poético,
“o olhar – e a autoridade - da poesia começa onde termina o
mundo representável pela disciplina. Daí, a literatura ser uma
fronteira da fronteira, uma reflexão sobre os limites da lei.”
(RAMOS, 2008, p. 38)
25
 Nessa acepção moderna ou de
modernidade, é que se devem inserir as preocupações com a
necessidade de contextualizar a análise que realizamos aqui em
um viés social e político das obras de Poe e Sebastião Milagre
na poética. Ou melhor, promover indagações sobre o
enfrentamento do sofrimento e do esvaziamento do sentido
existencial; uma leitura intertextual que parte da  Psicanálise e
avança em outros saberes, como a Antropologia, a Sociologia e
a Filosofia, em especial na poética moderna em suas
implicações na contemporaneidade. Essa abordagem aparece em
algumas obras como as de Freud (1899 e 1919), de Bruno
Bettelheim (1982), L. C. Lima (1983), T. S. Eliot (1989), Colombo
(1991), Bomeny (1994), Derrida (2001) e Le Goff (2003). É claro que é
uma abordagem ampla colocada apenas como insinuação de
futura leitura. À luz da escritura de Edgar A. Poe, não se pode
deixar de dizer que Sebastião Bemfica Milagre constitui o poeta
em processo de conquista das letras, às margens, uma vez que se
inspira naquele seu fazer poético ousado.
                                                         
25
 As narrativas podem (re)velar sua própria leitura política. É necessário historicizar a
obra de Sebastião Bemfica Milagre como contestação à ditadura militar no Brasil.  Diálogo Intertextual entre a Pulsão Lírica de Edgar Allan Poe e ...  285
Referências
ASSIS, Machado de. Tradução de “O corvo”, de Edgar Allan Poe. (1883).
Disponível  em:
<http://pt.wikisource.org/wiki/O_Corvo_(tradu%C3%A7%C3%A3o_de_Ma
chado_de_Assis)>. Acesso em: 25 mar. 2010, 21:00.
Barthes, R. Prazer do texto. Tradução J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva,
1987.
BETTELHEIM, Bruno. Freud e a alma humana. São Paulo: Cultrix, 1982.
BOMENY, Helena.  Guardiães da razão: modernistas mineiros. Rio de
Janeiro: Editora UFRJ / Tempo Brasileiro, 1994.
COLOMBO, Fausto.  Arquivos imperfeitos: memória social e cultura
eletrônica. São Paulo: Perspectiva, 1991.
DERRIDA, J. Mal do Arquivo. Trad. Claudia Rego. Rio de Janeiro: Relume
Dumará, 2001.
ELIOT, T.S. Tradição e talento individual. In:  Ensaios. Tradução Ivan
Junqueira. São Paulo: Art Editora, 1989, p. 37-47.
FREUD, Sigmund. A interpretação dos sonhos. v. XVII. [1899]. Tradução
Walderedo Ismael de Oliveira. Rio de Janeiro: Imago, 1969.
FREUD, Sigmund. O “Estranho” (1919). In: ESB das obras completas de
Freud. Rio de Janeiro: Imago, vol. XVII,  1969.
LE GOFF, J.  História e memória. Tradução Bernardo Leitão et al. 5. ed.
Campinas: Unicamp, 2003.
LIMA, Luiz C.  Teoria da literatura em suas fontes. Rio de Janeiro:
Francisco Alves, 1983.
MANN, Thomas. A morte em Veneza. São Paulo: Ed. Flama, 1944.
MARQUES, Reinaldo. Minas melancólica: poesia, nação, modernidade. In:
Revista do Centro de Estudos Portugueses, v. 22, n. 31, Belo Horizonte:
FALE/UFMG, p. 13-25, jul./dez. 2002. Disponível em:
<https://www.ufmg.br/aem/inicial/publicacoes/artigos/marques_minas.htm>.
______. Arquivamento do escritor. In: SOUZA, Eneida Maria de;
MIRANDA, Wander Mello. (Orgs.). Arquivos literários. São Paulo: Ateliê
Editorial, 2003.  286 Gláuks
______. Poesia e mercado: o que dizem as cartas. Suplemento Literário. In:
Suplemento: acervo dos escritores mineiros. Belo Horizonte: Secretaria de
Cultura de Minas Gerais, jun. 2007, edição especial.
MILAGRE, Sebastião Bemfica. Gritos. Divinópolis: ADL (Academia Div.
de Letras), 1972.
______. O mundo e mundo-outro. Divinópolis: Sidil, 1976.
MOLLOY, Sylvia.  À vista, a escrita autobiográfica na América
Hispânica. Chapecó: Argos. 2003.
PEREIRA, José João Bosco.  Sebastião Bemfica Milagre: um lírico da
modernidade em Divinópolis, MG. 2011. Dissertação (Mestrado em Letras).
São João Del-Rei: PROMEL/UFSJ, 2011. Disponível em:
<HTTP://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/mestletras/A_DISSER>
ou  <http://www.ufsj.edu.br/portal2-
repositorio/File/mestletras/A_DISSERTACAO_de_JOSE_JOAO_BOSCO_P
EREIRA.pdf>. Acesso em: jan. 2011.
PESSOA, Fernando. Obra poética. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1972.
______. Tradução do poema “The Raven”, of Edgar Poe: First Published in
1845. Disponível em:
<http://virtualbooks.terra.com.br/artigos/o_corvo/The_Raven_de_Poe.htm>.
Acesso em: 25 mar. 2010, 22:00.
POE, Edgar Allan. Antologia de contos. Tradução Brenno Silveira. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 1959.
______.  Dictionnaire Encyclopédique Pour Tous. Paris: Petit Larousse,
1966.
______. Poesia e prosa: obras escolhidas. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1990.
______. Poemas e ensaios. Trad. Oscar Mendes e Milton Amado. São Paulo:
Globo, 1999.
______.  História extraordinárias. Tradução Clarice Lispector. Rio de
Janeiro: Ediouro, 2005.
______. Artigo sobre sua vida e obra. Disponível em:
<http://pt.wikipedia.org/wiki/Edgar_Allan_Poe>. Acesso em: 25 mar. 2010.
______. Biografia. Disponível em:
<http://edgarallanpoe2k.blogspot.com.br/2009/07/edgar-allan-poebiografia_17.html>. Acesso em: 13 jul. 2010, 8:50. Diálogo Intertextual entre a Pulsão Lírica de Edgar Allan Poe e ...  287
RAMOS, Julio.  Desencontros da modernidade na America Latina:
literatura e política no século XIX. Belo Horizonte: UFMG, 2008.
RODRIGUES, Antonio Paiva. Edgar Allan Poe. 2007. Disponível em:
<http://www.supertextos.com/texto/Edgard_Allan_Poe/4344>. Acesso em:
25 mar. 2010, 20:00.
WEBER, Max. Vida e obra. Disponível em:
<http://pt.wikipedia.org/wiki/Max_Weber#A_ci.C3.AAncia_como_voca.C3.
A7.C3.A3o>. Acesso em: 25 mar. 2010, 23:00.
______.  A ciência como vocação. Disponível em:
<http://otambosi.blogspot.com.br/2006/06/weber-e-o-desencantamento-domundo.html>. Acesso em: 25mar. 2012, 22:00.
ABSTRACT: This paper proposes an intertextual reading of “The
Raven” and “Annabel Lee”, by Edgar A. Poe (1845 and 1849), and
Gritos, Sebastião Bemfica Milagre’s poetry book (1972). The analysis is
centered on the Freudian concept of drive, such as the death instinct and
the libido. The poets are distant in time and space, for Poe’s literary work
marked the end of the nineteenth century, and Milagre’s the end of the
twentieth. This problematization appears as a rupture (life/death) from the
theme of the beloved one. In the context of modern poetry, both authors
rely on poetic experiences and experiments in the language. This format
does not exhaust the possibility of temporal and spatial frameworks.
Thus, the drive is designed in the universal and local literature, spanning
the modes of imagination. Eros and Thanatos establish the approximation
and distance points between the modes of representation of death. By
distinguishing these points, literature is conceived by different cultures.
KEYWORDS: The poetic of the modernity. Lyricism. Tradition  and
drive.
Data de recebimento: 15/10/2010
Data de aprovação: 15/07/2011
http://www.revistacamoniana.ufv.br/arearestrita/arquivos_internos/artigos/9Artigo_15__Jose_Joao_Bosco_e_Maria_Angela__diagramado.pdf
J B Pereira e José João B. Pereira e Maria Ângela de A. Resende
Enviado por J B Pereira em 22/11/2012
Código do texto: T3999930
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2550 textos (1500292 leituras)
30 e-livros (332 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/20 13:36)
J B Pereira