Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Em palpos de aranha — Uma aventura escatológica

 


“Que papel higiênico mais vagabundo!”, pensei com irritação, sentado no vaso sanitário como um Leopold Bloom dos trópicos, pois também eu tentava distrair-me, durante o milenar processo, lendo e comentando em silêncio velhas notícias numa folha de jornal estendida aos meus pés. Não me sentia tão rico no monólogo interior quanto o famoso personagem de James Joyce, mas o lance da corrente de consciência era o mesmo.


O que não corria nada bem era o papel. Puxado pela aba solta do rolo, já nas últimas, de tão fino e áspero ele só faltava desmanchar em minha mão ou rompia invariavelmente antes da linha picotada, não me permitindo dobrá-lo para ganhar mais consistência. Caso de Procon, não tenham dúvida.


Reciclagem das reciclagens, tudo é reciclagem, declamei, imitando o poeta bíblico. Como limpar a bunda com este papel super-reciclado sem emporcalhar os dedos? Se estivesse em casa, não tinha erro: era dali para a ducha — em condições normais, dou minhas cagadas pela manhã e tomo um banho em seguida. Mas nesse dia eu estava num banheiro de boteco do centro da cidade, com gente esperando numa fila única de mijões e cagões, cada qual mais apertado que o outro.


Ouvindo a fila crescer, entrei em desespero. Vamos lá: o pedaço bloomiano de jornal, fora de cogitação — além de velho, pisoteado por gerações de biriteiros, era sujo e mal cheiroso. A torneira da pia não funcionava. Nenhum pano de chão à vista, para o caso de uma saída radical. Lamentei, inclusive, não ter um lenço comigo, nem meus rascunhos de crônicas e poemas nos bolsos da calça de brim.


Súbito, houve um clamor de revolta do lado de fora, e um vozeirão assustador infiltrou-se pelas varetas do batente: “Como é que é, compadre!”. Correu-me um frio pela espinha e respondi com timidez: “Só um instantinho.” O malandro não facilitou as coisas:”Só um instantinho é o caralho! Estou me borrando todo.”


“Vou entrar na porrada”, disse então comigo, trêmulo, suplicando aos bons deuses uma idéia, a mais estapafúrdia  que fosse, naquele cubículo fedorento. Que veio. Veio no momento exato em que o vozeirão, apoiado por todos na fila, anunciou que ia arrombar a porta e arrancar-me do trono na base do cascudo. Apavorado, tirei rapidamente a calça de brim e, num golpe de mestre, não hesitei em sacrificar minha cueca branca, rasgando-a em dois pedaços que fizeram um belo serviço de limpeza escatológica. Dei a descarga, vesti novamente a calça, embrulhei os trapos sujos na folha de jornal, e saí.


Saí debaixo de vaia, é verdade, mas com um sorriso mais sacana que o da Monalisa. Pois era a hora da vingança. Postei-me defronte do boteco, do outro lado da rua. Queria ver os cornos do vozeirão depois de passar pelo mesmo drama que eu. E torcia muito, perdoem-me pela crueldade, para que ele não tivesse o hábito de usar cueca.

 


[23.2.2008]

Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 23/02/2008
Código do texto: T872570

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luiz Guerra, www.galhodearruda.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
166 textos (17861 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/11/19 23:45)
Luiz Guerra