Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                        MEU PAI, BRITTO
Nair Lúcia de Britto
 

Meu pai nasceu no Rio Grande do Norte, no município de Ceará-Mirim. Um município localizado a 28 km da cidade de Natal. Segundo pesquisa, foi criado em 1767, sendo que seus primeiros habitantes foram os índios potiguaras. O contato deles com o mundo ocidental foi através do comércio de pau-brasil com os franceses e holandeses. Na opinião do escritor José de Alencar o nome Ceará teve origem na expressão tupi “Cêará” que significava “canta o papagaio”.

Com a colonização do Brasil, o município foi ocupado por portugueses. A terra era boa para cultivo e ali surgiram as primeiras lavouras e pequenas criações de gado.

Não conheci meus avós paternos, mas pelo nome deles (Manoel Francisco do Nascimento Britto e   Tereza Angélica Britto) acredito termos descendência portuguesa. Soube por minha mãe que meus avós  eram to ricos, mas meu pai nunca mencionava sobre esse fato, não se gabava e nem tampouco tirou nenhum proveito dessa riqueza, porque deixou tudo o que lhe pertenceria à irmã caçula, a fim de protegê-la.

A irmã do meu pai chamava-se Anunciada de Britto Pinheiro; e era uma pessoa maravilhosa.  Ele tinha apenas quatro anos de idade e essa minha tia, dois; quando ficaram órfãos, e a guarda das crianças passou para as mãos de um tutor, que já tinha vários filhos. Entre seus irmãos de criação, creio que meu pai se afeiçou mais à Lígia e ao Ernesto Maranhão.

Mas o afeto mais profundo e especial era pela “irmã de sangue”, como ele dizia. Separou-se dela quando, aos doze anos de idade, saiu de casa e foi para São Paulo, para estudar e trabalhar. Só voltou a vê-la 42 anos depois.
Nesse meio tempo trocavam cartas com frequência. Ela morava num sítio, em Recife e, junto com as cartas mandava-nos pelo correio cajus e doces feito com as frutas do sítio, que ela adorava.


“Só falta meu legítimo irmão vir aqui saborear essas mangas deliciosas...” Mas meu pai nunca pôde ir até lá.
Ela casou-se, mas logo ficou viúva com um filho: meu primo Jorge. Meu pai casou-se com minha mãe, Nair, e teve uma filha, que sou eu.  

O reencontro dos dois irmãos foi na nossa casa, em São Vicente. Foi um momento muito emocionante e inesquecível na minha memória. Uma das maiores alegrias do meu pai.

Meu pai, um homem simples que lutou pela vida sozinho e tão criança. Trabalhou duramente em vários municípios de São Paulo, sempre com honestidade. Era um poeta, um orador, um amante da Literatura e também gostava de escrever.

Dele eu só recebi bons exemplos. Por isso quando alguém me apresentava, dizendo: “Essa é a filha do Britto...” eu me sentia, me sinto e sempre me sentirei muito orgulhosa. Porque:
Britto, para mim, é sinônimo de dignidade!   
   
                            
Ao Senhor, meu Pai,
da filha que jamais o esquecerá
.

                            
Nair Lúcia de Britto
Enviado por Nair Lúcia de Britto em 08/08/2020
Reeditado em 08/08/2020
Código do texto: T7030193
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Nair Lúcia de Britto
São Vicente - São Paulo - Brasil
628 textos (71042 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/20 03:30)
Nair Lúcia de Britto