Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HOJE NÃO VOU ESCREVER

HOJE NÃO VOU ESCREVER

*Rangel Alves da Costa


Resolvi, decidi, já bati o martelo: hoje não vou escrever. Estou sem assunto, sem encorajamento, sem letra que me chegue com prazer e alegria. Então, em instantes assim, melhor nada escrever.
Alguém me dizia que é melhor o silêncio do que o grito na escrita. Mas nem gritar eu poderia. Os motivos são muitos, mas relacionados a fatos que mais espantam que encorajem à escrita.
Eu gostaria muito de escrever sobre uma revoada ao entardecer, sobre um por de sol entre as serras, sobre um vaga-lume querendo ser o rei da noite e do mundo. E só por que vagueia com o seu pequeno lume.
Seria muito poético para o momento. E não sou poeta. Até hoje eu não entendo como Clarice Lispector conseguiu transformar sua voz interior, tão cheia de dolorosas verdades, em escritos tidos como romanceados.
Na verdade, eu gostaria mesmo de agora estar deitado em cima de uma pedra grande, de rosto virado pra cima e com o olhar tomado pela luz do luar. E mais que isso: contando estrela por estrela, imaginando tudo aquilo lá em cima como um lugar bom pra viver.
Não é fácil a busca da aproximação da pessoa consigo mesma, quando tudo parece distante. É como se a pessoa saísse de si mesma e começasse a vagar por aí. Daí a falta de vontade de estar presente no lugar que não saiu.
Talvez a chuva me fizesse bem nesse momento. Sempre gosto quando a noite está molhada, chuviscando, com água escorrendo pelos canteiros. Uma sensação nostálgica e até poética, de sentimentalismo e forçado reencontro, mas um jeito bom de não ir muito distante de onde estou.
Não ouço grilos nem miados de gatos. Ainda bem. Apenas o silêncio em silêncio. Uma valsa vienense me faria bem, mas estou indisposto até para ligar a vitrola. Os personagens nos livros da estante chamam meu nome. Mas hoje não conversarei com nenhum.
Minha intenção era nesta noite caminhar um pouco mais pelo mundo de Jorge Amado. Gosto daquele mundo do cacau, dos coronéis, de baianas com seus tabuleiros, de mocinhas sonhadoras e prostitutas de beira de cais. Tocaias, emboscadas, coronéis tecendo a vida com seus ternos de linho branco, um mundo que gosto de acompanhar.
Deixo para outro dia os coronéis amadianos. Nada parece me despertar no momento. Penso em minha rede que já armada e no meu cansaço adormecido na solidão. Deito sozinho no exercício de uma filosofia existencial: a rede não nega a solidão. A pessoa vira de canto a outro e não encontra ninguém.
Minha memória sequer deseja buscar uma saudade. Mas também não é bom recordar um bem querer tão distante. Minha amada longe está, e dela tão longe estou. Sinto falta de seu abraço, de sua presença, mas a tudo suportando com a certeza de um breve reencontro.
Mas tenho que colocar água no fogo para um cafezinho. Deu vontade e não posso fugir desse ritual amigueiro. O café quentinho é meu amigo, sorvido aos poucos, como se estivesse adiante de um velho pilão espalhando seus grãos morenos.
Sei que minha noite se vai assim. Num ir, quase não ir. E indo porque tem de ir, mas seguindo pelos seus próprios passos, já que eu continuo aqui com pouca vontade de tudo, de escrever e até de me levantar de onde estou.
Dias que são assim, noites que insistem em nos prostrar como num exílio forçado. E nos silenciar como se até a voz interior também estivesse em mudez.


Escritor
blograngel-sertao.blogspot.com
Rangel Alves da Costa
Enviado por Rangel Alves da Costa em 25/09/2019
Código do texto: T6753826
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rangel Alves da Costa
Aracaju - Sergipe - Brasil, 56 anos
10270 textos (306042 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/11/19 19:31)
Rangel Alves da Costa