Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RAÍ E AS BELEZAS DE SEU CURRALINHO

RAÍ E AS BELEZAS DE SEU CURRALINHO

*Rangel Alves da Costa


Raí de Telma, Raí de Curralinho, ou o Rei Raí do Velho Chico, seja qual for a forma para identificar esse abnegado moço de aguçado senso de preservação histórica e cultural, e que desenvolve um trabalho que precisa ser melhor conhecido e valorizado.
Ora, não é todo dia que encontramos um filho da terra ribeirinha, gestado nas beiradas do São Francisco, que retribui ao seu berço familiar com a luta pela preservação de sua história, da sociedade de antigamente, da fé enraizada e cultuada desde os tempos mais antigos, de seus aspectos culturais e geográficos e, principalmente, de suas belezas naturais.
Raí faz tudo isso com maestria e precisão. Tecendo como uma arqueologia de seu Curralinho, ele vai buscando, escavando, catando pedaços do glorioso passado daquela ribeira de águas passantes. E também registrando pelas lentes tudo aquele remansoso modo de vida, o leito e as curvas do rio, os barcos adormecidos nos beirais molhados, os casarios de tantos fatos e histórias, as montanhas ao redor, o que resta da grandiosa arquitetura local.
Raí não se cansa de ir atrás de antigos retratos e depois repassá-los ao conhecimento de todos pelas redes sociais. E ele tem uma página exclusiva: “Belezas de Curralinho”. Aquelas feições antigas, aqueles rostos esbranquiçados ou amarelados da fotografia, tudo simbolizando a grandeza de outrora daquela bela ribeira. Um Curralinho de calçadas altas e olhos brilhosos e maravilhados pela chegada das grandes embarcações. Um Curralinho de por de sol sem igual entre os montes e da poesia e dos cantos das lavadeiras. Aquele Curralinho de Seu Neguinho, de Chico Bilato, de Dona Perpétua, e de tantos outros de vivências anteriores. Curralinho de Valter, de Ciano, de Seu Aloísio, de João de Virgílio, de Otaviano...
Tudo isso faz parte do resgate de Raí. E Raí faz bem em fazer assim. Motivos há muitos para que guarde em páginas vivas toda a grandeza de seu lugar. Curralinho precisa ser mais conhecido, mais admirado, mais reconhecido na sua importância não só no surgimento do atual município de Poço Redondo como no desbravamento dos sertões sergipanos. Mesmo que hoje esteja apenas como uma página amarelada num álbum da história, Curralinho já esteve assentado em letras douradas, em escritos que diziam de sua riqueza e essencialidade.
Para uma ideia de sua importância - e, como tal, deve ser reconhecido, preservado e valorizado -, Curralinho foi a porta de entrada para todo o Poço Redondo. Num tempo aonde a única forma de se chegar aos hostis sertões era através das águas do Velho Chico, foi em Curralinho que um dia aportou a primeira leva de desbravadores que deram início à povoação. Enquanto porto de chegada e partida de embarcações, as margens curralienses eram responsáveis por todo o abastecimento da região. O açúcar, a farinha, o café, a carne salgada, o tecido, tudo era desembarcado ali. E dali também partindo o carvão, o algodão, a madeira, o couro, o feijão e o milho.
Depois de atravessar o rio, em 1874 o beato e missionário Antônio Conselheiro, acompanhado de mais de uma dezena de fiéis seguidores, deu forma e vida à igrejinha de Nossa Senhora da Conceição, ainda bela e imponente no alto do monte curraliense. Em seguida, transformou em estrada uma vereda fechada em direção aos sertões baianos, desde a beira do rio até a divisa. A atual Estrada Histórica Antônio Curralinho, num percurso de 14 km entre a sede municipal e a beira do rio, e por muito tempo conhecida apenas como Estrada de Curralinho, nasceu daquela saga do beato Conselheiro.
Curralinho nascido de um, dois, três currais, na beira do rio. Os desbravadores chegavam do litoral e outras regiões, trazendo levas de animais na bagagem. Para que não se perdessem sertões adentro, então pequenos currais iam sendo levantados na beira do rio. Daí o nome “curralinho”, ou curralzinho, ou ainda pequeno curral. Quando os animais foram levados para outras localidades, aquelas beiradas de rio ficaram apenas para as embarcações e o seus habitantes. Um povo que ribeirinho que bastava lançar a rede para chegar peixe muito: tubarana, surubim, uma riqueza. Mas que hoje, ante a magreza do rio, apenas lança o olhar de saudade.
Parabéns, Raí. Curralinho, Poço Redondo e os sertões, precisam que o seu trabalho de coleta e preservação frutifique cada vez mais. Que seja como as águas de seu rio: sempre passam, mas sempre chegam, e sem jamais perder a poesia do encantamento.


Escritor
blograngel-sertao.blogspot.com
Rangel Alves da Costa
Enviado por Rangel Alves da Costa em 24/09/2019
Código do texto: T6753065
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rangel Alves da Costa
Aracaju - Sergipe - Brasil, 56 anos
10261 textos (304685 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/11/19 18:50)
Rangel Alves da Costa