Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Esta crônica não tem nada demais

As portas do trem abriram, as pessoas correram. Tenho certa preguiça e acho um tanto grosseiro tal comportamento, mas até entendo quem o faz. Sentei-me no chão, como de costume, que em volta sempre cabem mais umas seis pessoas mais ou menos assim, uma de frente às outras, intercalando os pés para conseguirem dobrar seus joelhos, e meu joelho dói, tendinite, mas isso parece-me melhor do que  seguir o percurso todo em pé. Lembrando que essa crônica não tem nada demais... Os vendedores ambulantes passam por nós gritando, às vezes chutam nossos pés ou passam as mercadorias em nossos rostos, mas ninguém se importa. Estamos acostumados.
Gosto de escrever e já li de muita coisa, há autores criativos demais, fico então espiando os cantos, ouvindo as borrachas rangendo, observando o quanto nossos corpos balançam e o quão raro é ver alguém  com brilho  nos olhos. Ouço alguns pedaços de diálogos avulsos aqui e  lá, poderiam me inspirar, mas antes que eu me esqueça, essa crônica não tem nada demais.
Vejo todos os dias pela manhã, quando não perco o horário, uma senhora muito revoltada com toda essa miséria, com toda essa corrupção e injustiça que vivemos aqui, ela sempre refere-se aos engravatados como se fossem demônios, diz  ter mais de setenta anos, de fato parece o ter, mas a aposentadoria... Vai toda para ajudar os filhos, aí vem trabalhar, sei lá com o quê, mas segue adentrando o trem sempre às 6h50, sempre falando alto, sempre esparramando reclames e aplicando anedotas, jogando tudo às paredes, coitada! A velha não percebe que somos bonecos, que estamos cansados e a revolta é abafada pela desesperança, as contas são mais importantes, aquele diploma também...
A senhora é irritante! Ninguém dá ouvidos, mas nunca se cansa, parece essa crônica, não tem nada demais.
Carolina Svinna
Enviado por Carolina Svinna em 28/06/2019
Código do texto: T6683908
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Carolina Svinna
Jandira - São Paulo - Brasil, 23 anos
20 textos (222 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/19 01:22)
Carolina Svinna