Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
O goleiro Ivã


A seleção brasileira de futsal (futebol de salão, nos meus tempos de pereba) está de parabéns. Papou a medalha de ouro nos Jogos da Lusofonia, realizados em Macau (sudeste da China) com cinco países de língua oficial portuguesa, depois de empatar em 1 a 1, hoje à tarde, contra a forte seleção lusitana.

Apesar do empate, levou o grande prêmio devido ao saldo de gols conquistado nas quatro partidas anteriores. Por sinal, saldo nada desprezível, pois só na seleção do Timor-Leste metemos 76 gols contra nenhum. Sim, está certo o que leram: 76 a 0, e com o juiz e seus auxiliares de pinima com a gente.

Nosso técnico, campeão da cortesia, disse depois do massacre que “golear é respeitar o adversário”. Tudo bem, tudo bem. Mas que adversário? Já fizeram as contas? Não assisti ao suposto jogo (teria morrido de tédio e de vergonha transferencial, sem escapatória), mas praticamente dá quase um gol a cada trinta segundos. Vocês que viram: tinha goleiro o Timor-Leste? Se considerarmos que depois do primeiro gol, em cada tempo de vinte minutos, a nova saída é necessariamente do vitimado, eles sempre saíam perdendo a bola e não marcavam nem corriam atrás de ninguém. A rigor, não estavam em campo. Vida que segue, como diria o saudoso João Saldanha.

Eis aí um recorde de gols sofridos capaz de matar de inveja o nosso amigo Ivã, do Ipiranga Futebol Clube, de Marechal Hermes, o goleiro mais vazado do subúrbio carioca nos anos setenta. Podia agora estar no Livro dos Recordes, não fosse a proeza do arqueiro maubere ou timorense, à escolha.

De fato, nós do Ipiranga perdíamos de muito, sempre. Uma humilhação a cada manhã de sábado, até a humilhação final, no começo dos anos oitenta, quando o nosso adversário declarou que só voltava para o segundo tempo se misturássemos os jogadores de ambos os times e fizéssemos daquela patuscada (palavra de avó materna) uma peladinha sem maiores conseqüências. Pelo que pude entender, ouvindo aqui e ali nos grupinhos que se formavam, não tinha a menor graça fazer gol no Ivã.

Conto assim, meio por alto, mas no dia houve uma discussão tremenda para ver quem é que não ficava com o goleiro do Ipiranga. Pensou-se até em votação fraudulenta para tirá-lo de campo, mas o cara era o dono da bola e das camisas. Mais do que isso, era quem pegava na Aeronáutica a autorização para que pudéssemos jogar no melhor campo do bairro.

Ficou.

Nem com os times misturados e uma defesa mais forte à sua frente, esse pacato companheiro de pelada deixou de engolir os mais divertidos frangos da paróquia. Ao apito final, placar polpudo contra a sua própria meta, Ivã parecia um farrapo embaixo do travessão, descrente de tudo.

Falei antes de inveja. Mas ele podia é ter ido à forra assistindo à calamidade timorense. No caso dele, lembro-me muito bem de quinze, dezoito, vinte gols sofridos por partida. Setenta e seis, nunca.


[14.10.2006]
Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 07/03/2007
Código do texto: T404607

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luiz Guerra, www.galhodearruda.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
166 textos (17889 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/19 03:32)
Luiz Guerra