Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Saga do Chico - A Fila Continua Andando

     Lá naquele imenso castelo, que fica num lugar onde o tempo não passa, as coisas continuavam acontecendo como de costume. Era lá que estava como sempre muito atarefado com o seu serviço, pois era ele o responsável por conferir aquela enorme quantidade de senhas que vinham sendo chamadas, um serviço que aumentava principalmente no período de carnaval no Rio de Janeiro, quando as pessoas perdem totalmente a noção do perigo e se entregam às bebedeiras e pegam seus carros para dirigirem alcoolizadas, o que sempre acaba em acidente com morte. É quando ele aperta com mais frequencia aquele botão vermelho e o número de mais uma senha aparece naquele enorme visor de chamada para os devidos acertos. Ele então verifica no curriculum vitae daquela pessoa, se a quantidade de pontos positivos alcançados por ela durante a sua vida terrena foi suficiente para ela ir para o andar de cima, ou se é direcionada para as profundezas.
     Ele até cantarolava, feliz pela grande quantidade de pessoas que conseguiam alcançar a Glória Eterna. Foi quando um de seus fiéis colaboradores, o Rafael, chegou ao pé do seu ouvido e, com um sorriso maroto nos lábios, lhe confidenciou:
      - Chefe; adivinha quem está lá no ‘rabo’ da fila, todo agitado, criando a maior confusão, doidinho prá te ver?
     - Ah! Por este seu sorrisinho sarcástico até já faço idéia de quem seja... Respondeu Pedrão.   E continuou:
     - Você não vai me dizer que é aquele chato de novo; o Chico, filho da Esmeralda do Terço... Um cri-cri que não se cansa de me encher o saco querendo furar a fila:...
     E Rafael caindo na risada confirmou:
     - Ele mesmo chefe! Meus observadores ‘bateram prá mim’ que ele aprontou mais uma lá embaixo... E isto quando ainda estava se recuperando dos efeitos daquela última tentativa que ele fez, lembra?
      -Claro que me lembro; ele já veio bater aqui umas quatro vezes... Da ultima vez quase que perdi a paciência, e acabei botando ele prá correr daqui...
     -Pois é chefe, disse Rafael. E desta vez ele acabou deixando a coitada da sua esposa quase doida de tanta preocupação com a sua saúde; ela até ficou furiosa com ele!
     E os dois riram a valer!...
     - Mas o que foi que ele aprontou dessa vez Rafael? Perguntou Pedrão.
     Rafael, ainda rindo muito, contou tim-tim por tim-tim,  começando pelo ‘ensaio’ que ele havia aprontado lá no quintal da sua casa, quando quebrou o tornozelo em dois lugares, e não satisfeito ainda arranjou uma infecção generalizada, e tudo isso quando ainda estava se recuperando daquele ‘passa-fora’ que havia tomado recentemente, na última vez que tentou furar a fila.
     - Sujeitinho insistente esse Chico, hem? Será que ele não toma jeito? Ele que não se atreva a aparecer aqui na minha frente novamente sem ser chamado, que eu boto ele prá correr de novo, e dessa vez sou capaz de dar-lhe um chute no traseiro.  Será que ele ainda não entendeu que eu só vou chamar ele quando chegar o número da sua senha? Disse Pedrão.
     Rafael comentou:
     - Sabe chefe, às vezes eu até penso que ele gosta de fazer essas gracinhas só prá gente não esquecer que ele é “peixinho” do Mestre, que até deu a ele aquela senha especial... Será que ele está se prevalecendo dessa prerrogativa só prá ficar ‘zoando’ a gente, chefe? Pedrão coçou o queixo; franziu a testa pensando um pouco, e disse:
     - Não; não vejo maldade nele, Rafael. Penso que ele é um cara muito legal, caso contrário, jamais o Mestre iria dar a ele uma daquelas suas senhas especiais.
      E Rafael completou:
     É, realmente também não creio que ele esteja se prevalecendo disso.  Acho que é só sacanagem mesmo!
     E os dois caíram na risada, continuando o seu trabalho, enquanto aquela interminável fila seguia o seu ritmo normal, conduzindo aquela multidão -cada um com sua senha na mão- rumo ao seu destino final...
ERCalabar
Enviado por ERCalabar em 02/04/2019
Código do texto: T6613662
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
ERCalabar
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
365 textos (7995 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/19 10:29)