Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pedaços de Carne

Os cachos loiros iam até a cintura,todos no onibus a olhavam.Olhos verdes de menina,corpo alvo de mulher,roupas negras e meia de fios rasgados.Anjo caído,de olhos malvados sob toda a maquiagem borrada de choro.
Ela desceu na última parada e olhou a linda casa colonial.Com uma pequena lago ornamental,pedrinhas brancas ao redor,um balanço velho pendurado em uma árvore.A loira passou a mão pálida pelo rosto tentando não voltar a chorar,caminhou segura até a porta da casa.Bateu por formalidade e depois chutou,três ou quatro vezes,a porta cedeu,o dono da casa apareceu apavorado na sala.
- Quero ver a Anita! - Disse a loira puxando algo do cós da saia negra.
- Ela não quer ver você...- O homem disse barrando a passagem.
A loira então lhe deu seis tiros,recarregou e pisou por cima do corpo ao passar.Uma bela mulher morena apareceu.
- Nadini vá embora por favor...A Anita está muito mal... - Ela pediu.
- Vaca mentirosa... - A loira atirou de novo,dessa vez dois tiros,um na barriga e um na boca.Morte ao novo irmãozinho de Anita.
Nadini subiu as escadas correndo,Anita ainda quis pular a janela mas a loira a puxou pelos cabelos.Anita gritava,se debatia e chorava.
- Era pra ser perfeito Anita...Eu te amava...Eu te daria tudo...Agora vou te dar exatamente o que você merece... - Nadini falava entre soluços enquanto amarrava Anita na cama com seus propios lençois.
- Nadini...Me perdoa...Eu não quero morrer Nadini,eu não quero morrer... - Dizia Anita chorando.
- Tarde demais sua vadia... - Nadini atirou na pélvis de Anita,uma mancha vermelha se espalhou pela calça branca.
Nadini desceu ate a cozinha,pegou o conjunto novo de facas e espetos para churrasco.Subiu sorrindo e ligou o som alto.A música gritava.
"Did you ever hear what I told you?
Did you ever read what I wrote you?
Did you ever listen to what we played?"

Nadini pegou a menor faca,com ela começou a cortar os labios de Anita que gritou e se debateu.Nadini ria,num espasmo convulsionado,não via o sangue,não ouvia a música,so o sofrer de Anita.
- Sofre vagabunda,sofre... - Ela dizia.
O primeiro espeto atravessou a barriga de Anita que gritou ainda mais.O segundo foi enterrado em um dos joelhos.
"Did you ever let in what the world said?
Did we get this far just to feel your hate
Did we play to become only pawns in the game
How blind can you be, don`t you see
You chose the long road but we`ll be waiting..."

Os espetinhos menores e mais brihantes foram enfiados lentamente nos olhos de Anita.Aos poucos,enquanto matava seu amor Nadini também morria,passava as facas e espetos por sua propria carne antes de enfia-los em Anita.
Por fim,Nadini abriu a barriga de Anita que só gemia.Pegou uma tesoura e cortou um por um seus cachos loiros,os enfiou na barriga de Anita,procurou a caxinha de costura e quando a achou fechou seu cabelo nas entranhas de Anita.
- O cabelo que você tanto gostava de cheira...Toma...É seu...
Nadini chorava e sangrava profusamente.Em um ultimo ato de desespero se atirou pela janela.A cerca das rosas,com pequenas lanças afiadas foi ficando cada vez mais proxima até que a loira as sentiu na carne,rasgando-a,dilacerando-a por dentro.
Enquanto agonizava,viu uma bela moça ruiva descer do balanço e caminhar calmamente ate a cerca.A moça se abaixou e colheu uma rosa passando-a no rosto de Nadini.
- Quem é você? - A loira ainda murmurou.
- Eu?Sou o demonio... - Disse a ruiva enquanto sua pele derretia em cima da carne com um forte fedor.Seus olhos totalmente negros ainda zombavam da agonizante quando lhe arrancou a alma,levando-a junto com a de Anita e seus pais...
O rádio gritava...
"Bye bye beautiful!
Bye bye beautiful!"

Tinkerhell
Enviado por Tinkerhell em 03/12/2008
Código do texto: T1315792

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tinkerhell
Maringá - Paraná - Brasil, 29 anos
150 textos (45015 leituras)
1 áudios (295 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 11:29)
Tinkerhell