Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Defunto de aniversário

[Este conto é dedicado a aniversariante Celly,minha grande amiga e prezada maninha de coração]

- Venham por aqui... - Disse o legista sem demonstrar qualquer emoção ao conduzir o casal pelos corredores brancos.Por fim entraram numa sala de ladrilhos brancos com várias mesas de metal,todas vazias com exceção de uma que estava coberta por um lençol.O legista se aproximou e retirou o lençol dizendo. - É ela?
A moça loira ficou pálida,lágrimas brotaram de seus grandes olhos castanhos e ela escondeu o rosto no ombro do rapaz que a acompanhava.Ele a abraçou mas sua expressão continuava fria enquanto dizia ao legista.
- Sim,é ela...Celly,minha irmã...Onde a acharam?
- Na represa,não muito longe do parque,ainda não descartamos a hipotese de assassinato... - O legista e o rapaz pareciam competir para ver quem era o mais imparcial. - Terá que prestar depoimento senhor...Como disse que era seu nome mesmo?
- Eu não disse...Obrigado por tudo legista... - O rapaz deu um sorriso sarcastico antes de retirar levando junto a moça loira.
O legista saiu apagando a luz e xingando o visitante.
Sobre a mesa Celly permanecia imóvel,seus lábios estavam roxos,a pele estava tão alva quanto os ladrilhos polidos ao seu redor,os olhos fechados tinham uma expressão serena,com um toque de...Maldade...
                                        ***
- Nossa,ela é linda...E gostosa...Queria saber qual a cor dos olhos dela... - Dizia o asistente do legista admirando Celly.
- São azuis e francamente Thiago você precisa de uma namorada... - Disse a enfermeira preparando a serra de ossos.
- Deixe ele Suzana,podemos providenciar uma lua de mel para os dois depois que a abrirmos... - Brincou o legista.
Thiago se afastou do corpo resmungando.Se aproximou de onde estavam as roupas e os pertences de Celly.Pegou um guarda-chuva de metal,examinando disse.
- Que diabos é isso?É macabro...Como será que funciona? - Ele manuseou o aparelho tentando abri-lo.
- Larga isso Thiago,pode se machucar... - Mal Suzana tinha terminado a frase o guarda chuva abriu decepando três dos dedos de Thiago,ele gritou e xingou enquanto o sangue esguichava.Suzana e o legista correram para ajudá-lo.
- Moleque desgraçado,esse troço podia ter aberto no seu pescoço! - Disse o legista tentando estancar o sangue.
No meio da confusão ninguém notou que as narinas da "morta" se dilatavam como se farejasse.Os dedos se moveram lentamente e a lingua se projetou passando pelos lábios umedecendo-os.
O legista tinha finalmente conseguido estancar o sangue,Thiago estava branco feito cera,Suzana estava coberta de sangue,de súbito Thiago começou a tremer,a respirar fundo,Suzana e o legista ainda tentavam saber o por quê quando a voz de Celly ecoou pela sala.
- Ora,ora...Nem me esperaram para começar a festa...Que coisa feia...- Celly tinha nas mãos a serra de osso que ela fazia girar com um toque de botão.Avançou para eles,o legista se jogou na frente de Suzana então foi o primeiro a receber golpes de serra.
Mais uma vez o sangue voou enquanto Celly avançava e recuava com a serra.Suzana tentou intervir mas Celly a chutou para longe,a enfermeira bateu com a cabeça nos ladrilhos,um filete de sangue manchou o branco.
Celly sentia os ossos das costelas do legista se partirem em contato com a serra,via a expressão de dor e medo nos olhos dele,ouvia os quase uivos que ele dava.Mas logo os olhos se tornaram baços e sem expressão,os uivos pararam e Celly se desinteressou.Pegou seu guarda-chuva no chão e com habilidade tremenda o abriu manipulando-o para todos os lados.Enfiou a ponta na garganta da enfermeira  e a ergueu,Suzana sentiu a dor invadi-la por completo,o gosto de sangue se espalhou por sua boca e seus gritos saiam apenas como barulhos abafados.De seus olhos escorreram lágrimas quentes,sádica Celly fez beicinho dizendo.
- A por favor não chore...Vai acabar assim que a lâmina rasgar toda sua garganta...
O peso de Suzana forçava a carne contra a lâmina que subia rasgando,dilacerando,aumentando as dores.Não durou muito até que se rompeu e o sangue se espalhou pelo corpo de Suzana.Celly virou-se então para Thiago mas ele ja tinha chego na porta e se arrastado pelo corredor.Celly parou,se vestiu,fechou o guarda-chuva,colocou debaixo do braço e saiu cantarolando."Parabéns para mim,parabéns para mim,muitas mortes macabras,muitos anos de vida..."No caminho da saída acabou encontrando Thiago e o prendendo a porta com uma pinça de orgãos,ele sangraria até morrer...
Caminhou pelas ruas vazias e enluaradas,tomou caminhos que conhecia bem...Afinal,todos os caminhos dão...Na mansão I.S.

[FELIZ ANIVERSÁRIO CELLYYYY TE ADORO!!!!]
Tinkerhell
Enviado por Tinkerhell em 08/07/2008
Código do texto: T1071344

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Tinkerhell
Maringá - Paraná - Brasil, 29 anos
150 textos (45029 leituras)
1 áudios (295 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/19 07:05)
Tinkerhell