Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FOI MUITO DIFÍCIL SOBREVIVER

Num dia triste, enegrecido pela fumaça, num movimento estonteante. Um grito soava aos meus ouvidos... Corram todos! Eis que um grande pássaro de aço surge além do horizonte, vomitando homens em seus paraquedas. Eis que uma grande chuva de fogo vem cobrindo todo azul do céu.  Azul? E quem consegue ver o azul num dia tão esquisito desse, e coberto de fumaça?  Ah! Mas que indelicadeza... Gente correndo sem roupa, despindo-se e morrendo nua... Crianças que choram pela perda de seus pais, mulheres chorando com os seus rostos em terra, chorando pelas suas viuvezes, tão pobres mulheres...  Estive por três dias deitado numa vala juntamente com quatro corpos que haviam morrido naquela emboscada. As minhas narinas não mais suportavam. Mas eu não... Eu tinha que suportar aquele cheiro terrível, sem contar com a fome que dilacerava meu ventre ressecado pela sede que me atormentava.  Eu olhava grandes abutres que repousavam sobre os cadáveres, cujo aroma se fazia peçonha em meu nariz. Ah! Foram dias terríveis. Como eu sofri!  E, quando as minhas esperanças já estavam aos poucos se acabando, surgiu no céu uma grande luz no meio da madrugada. Era um grande pássaro de aço voador.  Uma equipe de resgate acabara de chegar juntando corpos e os jogando amontoados para uma grande carnificina humana.   Eu não tinha forças para me levantar... A fome, a sede e a dor me atormentavam completamente e eu resistindo a tudo aquilo calado.   Foi quando, de repente, eu ouvi um grande grito. Venham, corram até aqui. Há um homem vivo junto a quatro corpos em decomposição. Pegaram-me e me colocaram numa maca; levaram-me até o grande pássaro de aço gigante.   E depois de quarenta dias eu fui levado para minha casa onde eu esperava me encontrar com a minha esposa e meu filhinho de apenas seis meses... Mas eu nem imaginava que eles haviam sido mortos. Uma grande bomba havia sido jogada sobre meu telhado naquele dia, destruindo o resto de minha vida, o que sobrara daquele ataque tão violento.   Hoje eu vivo numa cadeira de rodas, pois eu havia sido atingido por um grosso calibre. Tenho tanta coisa para contar daqueles dias tão tristes e infernais onde muitos amigos serviram de alimento para os abutres e o campo de trigo foi totalmente evaporado numa fumaça que cobriu todo o céu durante muitos dias.
 
     
(Edson dos Santos)
Enviado por (Edson dos Santos) em 25/02/2008
Reeditado em 01/04/2013
Código do texto: T875399
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
(Edson dos Santos)
São Paulo - São Paulo - Brasil, 62 anos
755 textos (27059 leituras)
44 áudios (2369 audições)
3 e-livros (234 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/02/21 01:24)
(Edson dos Santos)