Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sangue do meu sangue


Ele um destemido policial, acima de qualquer suspeita, que trabalhava na delegacia local, enquanto ela, uma enfermeira feliz e orgulhosa e também mãe jovem Sandro, um garoto de 16 anos, que além de muito estudioso, trabalhava como balconista na padaria do bairro e que ela criou e educou sozinha, pois o pai os abandonara. Eles dificilmente se encontrariam mesmo morando na mesma cidade, se não fossem as peças que a vida costuma pregar.
Naquele dia, Sandro estava radiante e ansioso para chegar a sua casa, pois era véspera do dia das mães e este mês, ele havia juntado todo o seu ordenado e comprado algo especial para presentear a pessoa a quem ele mais amava.
Final de tarde, já estava anoitecendo e também chovia, quando a loja terminou o expediente. Estava sorridente, alegre como sempre. “Lembro-me que ele já estava alcançando a saída, quando virou-se risonho e disse”:
— Boa noite a todos e até segunda. Torçam por mim, tenho um encontro com a mulher que amo!
Todos riram, pois sabiam que se referia a sua mãe, de um jeito seu, cheio de graça e com um carinho especial
O jovem seguiu apressado seu trajeto e caminhando, mesmo porque, morava não tão distante do local onde trabalhava. Além da ansiedade de chegar em casa, a chuva igualmente lhe apressava o passo, uma vez que não queria molhar o presente.
Depois de atravessar três quadras e faltando ainda duas para que chegasse ao conforto do lar, o rapaz ouviu um grito:
— Pare!
Era a voz de um policial, que para desventura de ambos suspeitara do garoto.
Ele parou na mesmo instante e ouviu o comando do homem que completou.
— Vire-se para a parede e ponha as mãos onde eu possa ver!
O garoto virou-se e antes que pudesse erguer as mãos congeladas pelo frio, o presente que carregava escapou-lhe subitamente das mãos. O garoto movido pela ânsia de salvar o presente, ele agachou-se rapidamente, num gesto heróico, apanhando ainda no ar o objeto e evitando que o embrulho encontrasse a calçada molhada.
E naquele segundo fatídico, cuja sorte parecia querer brincar com o garoto, ouve-se um estampido. “Parecia ser um tiro... Com certeza era um tiro”.
Um dos policiais ainda chegou a gritar:
— Não!
Não restava tempo, o seu colega, tinha baleado o garoto que ali agonizava abraçado àquele embrulho.
Apesar de lamentar o ocorrido, eles tinham que se proteger. “Tinha que ser assim, colega protege colega”.
Um dos policiais tirou um revólver da própria cintura e murmurou:
— Está aqui a nossa vela...
Termo que usavam para as provas que eles mesmos criavam nas cenas de crime. Completou ainda:
— Vamos dizer que ele tentou reagir.
— Pois é! Morto não fala. É isso mesmo que vamos dizer.
— Ratificou o outro, sem o menor sentimento de culpa.
Ambos retornaram para a delegacia e agiram como combinado, pois assim os problemas estariam resolvidos, mesmo se os pais do garoto o procurassem.
Horas mais tarde, após ter procurado o seu filho em vários lugares e de ter reconhecido o corpo entre os indigentes IML, a mãe de Sandro vai à delegacia para pedir respostas sobre o assassinato do seu único filho.
O delegado relatou-lhe o ocorrido, de acordo com o termo circunstanciado preenchido pelos policiais, mas já lhe advertiu:
— Trata-se de dois dos meus melhores homens... Vou averiguar, porém recomendo que aceite o fato. A senhora não soube criar.
Ela desolada deixou o local e antes que descesse a escada da porta principal, passou ligeiramente por aquele policial mencionado no inicio. Ele parecia tê-la reconhecido:
— Não pode ser.
Murmurou.
Ela continuava linda, parecia a mesma menina, uma estudante de enfermagem que conhecera a anos atrás.
Foi até ao delegado e indagou sobre quem era aquela senhora e o que queria ali.
E seguro, o delegado respondeu:
— É a mãe do garoto criminoso, que reagiu e vocês atiraram
Ouvindo aquilo o policial ficou apavorado. Abriu a sua gaveta pegou um pacote e desembrulhou, era uma gargantilha em ouro, com uma medalhinha contendo os dizeres “Minha mãe meu verdadeiro pai” e junto a ele um bilhete que num gesto inaudito aquele homem com os olhos marejados e não tão destemido, começou a ler:
— “Mãe, eu sei que não pude crescer ao lado do meu pai, sempre senti falta dele, todavia reconheço o desvelo e o amor que sempre me dedicou e as suas lutas para fazer de mim um homem honesto, humilde e trabalhador. Você conseguiu e eu quero um dia ser para meu filho o pai que você foi pra mim. Eu te amo”.
Terminando a leitura, ele chorou, entregou o embrulho ao delegado e também o bilhete e com o olhar desditoso para o vazio, declarou para o chefe que atônito o escutava.
— Essas eram as armas daquele garoto, que não cometeu crime algum.
Completou ainda.
— Sou eu o criminoso. Ele era o meu filho, sangue do meu sangue! Certamente voltava do trabalho e pra minha dor e castigo, morreu com um tiro deflagrado da minha própria arma.
A vida nos prega peças, ali não foi diferente e certamente aquele seria o dia mais triste da vida destas pessoas.


A Alma de um Poeta(Pinho Sannasc)
Enviado por A Alma de um Poeta(Pinho Sannasc) em 22/08/2010
Reeditado em 23/09/2010
Código do texto: T2452698
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
A Alma de um Poeta(Pinho Sannasc)
Salvador - Bahia - Brasil
249 textos (37631 leituras)
11 áudios (1387 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/09/19 07:38)
A Alma de um Poeta(Pinho Sannasc)