Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


A cobra é uma forte candidata apesar de sua antipatia, assim tudo ficou acertado em uma reunião entre a bicharada, esses animais mais sabidos mapearam dividindo a floresta em quatro partes, esses candidatos já poderia começar a campanha, daqui a quatro dia será o pleito, quatro administradores, seram eleitos cada um responsável por uma área administrada a cobra já saiu a campo, pretende ganhar os votos desses bichos que tanto a odeiam, tarefa difícil.
A principal concorrente de dona Jararaca é a senhora Gambá, também concorre com vantagens considera média, tinha lá suas contrariedades, exalava insuportável mau cheiro, muito difícil trazer esses eleitores junto às suas palestras a fim de roubar os votos de dona Cobra.
Na floresta ela até parece odiada, mas não é intenção rebater essas críticas da oposição, só vai confundir mais e mais a intenção dos eleitorados que ainda não escolheram seus representante, Gambá Gaga ou Cici; a jararaca venenosa, terá que fazer amizade com os piores inimigos um trabalho árduo e perseverante, apesar de tantas repulsas a mensagem que quer passar é de companheirismo, diz ela:
- eu quero o bem a todos, não vou ofender ninguém, sou uma bela jovem, não vou sair por aí picando todo mundo, podem se  aproximarem, na minha condição de postulante desse cargo lógico não os levariam a morte, preciso de seus votos, daqui a quatro dias. Assim levava sua fala a todos os ouvidinhos indecisos.
Pretendo representar vocês na grande tribuna, vou trazer benefícios a todos por isso peço o seu voto de confiança.
Bastava a Cici emitir um sibilo todos os bichos ficavam em alerta, assim se percebem que faltava muito discurso para convencer esses eleitores moradores dessa floresta, até pela a intensidade do som já percebiam onde ela se localizava, ficavam com medo de serem atacados, mas Cici queria amizade de todos,  quem ousaria em chegar até o envoltório dessa Jararaca disfarçada de cordeirinho.
Essa bicha rastejante já alguns dias sem se alimentar sentindo muita fome saiu a caça de algumas comidas, por onde ela passava todos os bichos se evadiam de seus territórios correndo à frente. A ratazana que morava entre meio as expostas raízes da figueira não correu,  protegia seus filhotes, seus filhinhos ainda pelados e vermelhos como um petisco feito de carne e sangue.
A cobra malvada nem passou toda, não viu a mamãe rata, não ficou despercebida, mas antes de passar a calda a Jararaca voltou, percebeu algum cheiro de comidinha, era a roedora que alimentava seus filhotes no peito de mamar, não ficou com medo, deixou a cobra se aproximar enquanto que a pequena criatura peçonhenta rastejante soltou o verbo:
- ah, é você que tá aí?
A ratazana se encolheu toda, abraçou seus filhinhos de olhos arregalados, enquanto que a mãe rata tentava acalmar os.
- fiquem calmos, fiquem calmos nada de mal vai acontecer com vocês, eu não vou deixar, daí continuando esse diálogo. Pois bem dona serpente devoradora, sou eu sim, eu e minhas crias, diga agora o que quer de mim.
- nada, só passei para visitar e avisar que estou me candidatando líder dos bichos da floresta, eu não farei mal algum a nenhuns moradores dessas matas até que chegue o dia da votação, mesmo que eu venha a desfalecer de fome, mas pensando bem estou com um apetite medonha, vou resistir, não vou comer os, eu quero ficar de bem com todos da floresta, a minha amizade é mais importante, vocês estão dispensados, podem ficar a vontade, até logo amiga rata.
- até nunca mais, vá matar sua fome pra lá, venenosa de uma figa.

                          2ª Parte


A mostrenga seguiu em frente rastejando por cima das folhas secas, o estomago vazio colando as costas, tonta de fome, rejeitou a suculenta roedora e sua cria por pura questão política, caso não suporte vai morrer de fome, pois está quebrando sua cadeia alimentar, enquanto corcoveava seu espinhaço de cobra, parou debaixo da árvore maior da floresta,  o ninhal das pombas asa branca, aguardou alguns minutos para se descansar dessa cansativa caminhada, quando der repente parece que sua marmitona, estava caindo do céu, uma grande pomba, ainda filhote, mas das gordas, a inocente ave veio a aterrissar bem ali pertinho da boca da cobra, desatenta não percebia o perigo que a aguarda, agora acho que não vai suportar a tentação dessa vez, olhou aos redores, vê se alguém presenciaria essa captura contraditória a sua campanha de boa moça merecedora desse cargo tão importante nessa natureza viva, mas entre a folhagem havia uma observadora, que disputaria esse mesmo petisco, uma águia imperial, também queria para si o grande filhote de pomba, já estava na mira primeiro que a cobra, a pequena ave de poucas penas seria a bola da vez disputada, mas quando a águia voava em direção da comida pomba, a cobra foi mais ágil e em uma bocada só  restou do pobre filhote a ponta da asa pra fora da boca, enquanto que a cobra comeu, a águia perdeu o bote.
- sinto muito... Falsa amiga águia, dessa vez você perdeu, eu ganhei para o bem das minhas tripinhas recequidas... Mas pra te falar a verdade, esse lanche não me satisfez, falta muito espaço na minha barriguinha que não foi preenchida, meus ácidos gástricos logo dissolverá toda essa pomba que acabo de engolir e a minha fome voltará com mais força, estou até pensando em voltar à ninhada da Ratazana e liquidar com toda aquela euforia naquela ninhada de camundongos, se me abusar muito  comerei todos, sempre os roedores foram os meus alimentos preferidos, tenho que cumprir o designo da natureza de cobra, não tem como fugir dessa minha necessidade alimentar, mas decisão foi tomada, entre o ir e não ir, optou por não ir, agora tão empenhada a essa candidatura preferiu passar fome que devorar a ninhada de gabirus selvagens, se dependerem da Cici; a ratazana vai criar seu pimpolhos até o entardecer de suas vidas de ratos, essa é a verdade. A cobra pegou para si aquela filosofia que para se ganhar um pleito terá que unir até aos  mortais inimigos, mas porem que não esteja armado nem de peixeira e nem esteja possuido de nenhuma doença da raiva canina ... Bem... Quer dizer... até as eleições caso venha saudar-se vitoriosa, depois só promessa de campanha, fica só no bla-bla-bla.

                        PARTE FINAL



A cobra e a gambá Gaga proferiam uma palestra, reunia um grupinho de eleitores que ainda não decidiram seus votos, a cobra disse tudo de seus projetos de campanha, tentava conquistar votos a toda prova, logo terminou sua fala, aí foi a vez da fedoreta ganbá Gaga. A cobra se recordou que bem próximo dali existia uma colonia de sapos e perereca muito suculentas, sendo que ela estava morrendo de gana, louca por um bifinho de rãns não conseguiu se segurar,  saiu de fininho, enquanto o breve debate ainda continuava, a bicha pesonhenta ignorou todos, não deu atenção no que a gambá dizia a respeito de seu futuro governo caso saudasse vencedora desse pleito,  deixou seus amigos conversando sozinho e se dirigiu rastejando em direção do pântano, muito que à surdina foi ver se conseguia capturar algumas pererecas, mas as escondidas longe dos olhos dos fiscais eleitorais.
A campanha da Cici ia de ventos em popa, o partido político dos répteis e peçonhentos conseguiram muitas adesões, entre a velha gaga fêmea Gambás e Cici; a cobra venenosa toda prosa em todas as pesquisas de opinião apontava como vencedora a jovem rastejante das espécies jararaca, essa vitória já estava consolidada a cobra será eleita com certeza.
Nesse grande dia enquanto que todos se preparavam para a votação organizando para essa escolha, a cobra procurou um lugar para se recolher e descansar dessa campanha cansativa, uma moita de bambu que existia por ali a beira do córrego, ela quase não suportava mais a fome que assolava essa criatura rastejante, o pouco que ela conseguiu comer não foi o suficiente para  saciar se, acomodou  se entre as folhas verdes dessa planta e tentava bater uma cochilada, mas não conseguiu aí veio a pensar:
- ah... Já é certo que sairei vitoriosa, agora acho que já posso comer algum ser vivente dessa floresta, sairei um pouco do comodismo, um  acho que surpreenderei aquela coruja que mora ali... Vou lá, ninguém vai ver mesmo, devo tomar cuidado, existe muitos da oposição querendo me destruir, só olhar pra lá em todos arredores e aplicar o bote bem na porta da coruja, vou ficar por aqui às espreita.
A coruja estava escalada para trabalhar nesse dia tão movimentado, seria a juíza maior, a presidente geral de toda essa eleição, autoridade maior nesse colégio eleitoral, mal sabia disso a inocente cobrinha.
A corujinha ciente de sua responsabilidade, largou suas festinhas noturnas, vai cortar a madrugada em duas parte, já divertiu muito, agora dormir, amanhã é dia de trabalho duro. Chegou  nas primeiras horas do dia para dormir, precisava levantar bem  de manhã e mais descansada.
É hora de se arruma para seu compromisso, pegou a bolsa, abriu escarafunchou toda procurando seus óculos parece que a coruja vai se atrasar com a perca dessas lentes... Oh não, veja onde ela largou, na pia do banheiro, pronto!.. Tudo resolvido, agora conferiu os trajes se é realmente  é mesmo de juíza, agora tudo ok. ao dever que me chama.


- é só sair lá fora e alçar voo até o palácio dos direitos dos animais em todos os âmbitos. A cobrinha Cici não sabia da confusão que estava se metendo, a  coruja era uma das maiores autoridades na floresta, agora o centro das atenções nessa eleição.
Já estava preparada para dar o bote e devorar a senhora coruja assim que ela botasse seus dois pezinhos fora de sua gruta no morro de terra vermelha, indo ao trabalho nessa função tão importante desse dia.

No momento fatal a jararaca saltou como um raio pra cima da pobre corujinha, um grande barulho de luta corporal, uma imensidão de penas voavam para todos os lado enquanto a pobre bichinha lutava para continuar vivendo, em seguida um grito alto e agonizante, a jararaca cravou as presas letal precisamente no coração da senhora coruja, muitos bichos presenciaram esse embate traiçoeiros da jararaca candidata a representar as espécies neste quadrante dessa floresta, as araras tagarelas, os macacos pregos, gaviões; tatus, teus e urubus, se precisar de testemunhas não vai faltar.
Quando chega a dezesseis horas da tarde, todos começavam a comentar, diziam que a juiz eleitoral foi sequestrada, mas na verdade essa ave da lei  já estava fermentando na barriga da cobrinha peçonhenta, logo mais tarde; às dezoito horas após a contagem dos votos, deu no que deu, já era esperado esse resultado, a cobra jararaca foi eleita, pela apuração, Cici já estava eleita com uma longa vantagem a frente da Gambá que não conseguiu conquistar os trinta por cento dos votos necessário para ultrapassar, pena terá que tentar novamente no próximo ano.
Enquanto todos festejavam a grande vitória, a vencedora estava em certo lugar escondida, pois sabia que alguns bichos perceberam esse ato criminoso ela devorando a corujinha autoridade.
Nessa mesma tarde de grandes festejo as araras Canindé voaram em direção do palácio do governo da floresta, iam denunciar a atitude da cobra, relatou tudo o ocorrido e disse ao delegado que a cobra devorou a corujinha juíza. O delegado seguiu as trilhas e constatou o cenário desse embate, as marcas ficaram na terra fofa nos arredores da casa da juíza, logo mais a diante, acharam a bolsa da senhora coruja quando estava pronta para sair, só não conseguiram encontrar o celular da já consumida falecida ave, todos documentos, só não encontraram o telefone móvel da já consumida e falecida corujita, os policiais tentaram ligar para o número da juiza para localizar o celular, veja que aconteceu, o celular tocou dentro da barriga da cobra que foi logo levantando e resmungando:
- maldito celular que engoli dessa coruja indigesta, como posso descançar se ele não para de tocar, se eu soubesse que faria mal eu nem teria comido essa porcaria de carne de segunda.

conferiria que realmente essa vítima era a mesma que estavam procurando, não tinha como negar, o celular da vítima estava dentro da barriga da assassina, pois seguiram as pegadas no solo  foram bater direto na moita de bambu, os policiais descobriram a cobra dormindo enquanto essa comida fazia o efeito, o telefone na barriga da cobra ainda tocava e ainda veio a confirmar, tudo certo, agora levaram a cobra jararaca presa e mais que depressa anularam as eleições e logo seria convocado uma nova campanha com outros candidatos.

a/h/p - 16/10/2019.
 
 
 
 
 
 
   
 
 
 
Antonio Portilho
Enviado por Antonio Portilho em 16/10/2019
Reeditado em 18/10/2019
Código do texto: T6771374
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Portilho
Andradina - São Paulo - Brasil
477 textos (17747 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/11/19 11:01)
Antonio Portilho