Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Um Conto de Amor
(1º Parte)

1433749.jpg
Brasão dos Morais
Imagem tirada do site
Freguesia dos Morais


Era uma vez...
     Em Portugal na Cidade de Traz Os Montes vivia uma família de fidalgos .
O nome do Fidalgo chefe da Família era D. Manuel Estevão de Morais
     O Solar dos Morais surgia lindo, imponente, com suas paredes pintadas de cor Terra roxa e bege e seus portais nas cores azul claro e Branca.
     Os Morais eram pessoas abastadas e influentes na Cidade. Tinham seu solar nas Montanhas, linda casa onde abrigava a família, e os escravos que eram muitos.
     O Verão tendo já passado, ainda conservava o Mormaço no ar e, essa atmosfera cálida, trás de volta Pássaros os mais variados que, aos bandos coloriam os Céus de Portugal e, anunciava a chegada da Primavera.
     O dia amanhece com o gorjeio dos pássaros principalmente dos pardais, os Pintassilgos,
os abelharucos, os melros , as cegonhas, os pimpões, os pombos e o pato branco.
     Á tardinha, chegam as andorinhas, aquelas dos beirais, as andorinhas das chaminés, das rochas...
     Tudo isso povoava os Céus da cidade de Traz Os Montes, Portugal, situada na Região do Minho.
     Terra de montes como o seu nome já diz, e com a Primavera chegando, os campos se enchem de flores, medram nas encostas da Montanha, colorindo o verde primaveril com suas lindas cores, tais como o Malmequer minúsculo, branco, com um olho amarelo que as crianças da região fazem colares para pendurar no pescoço e ficarem mais bonitas. Ali, as flores dos campos balouçam-se aos ventos; tais como as papoulas, com seu vermelho sangue que traz vida ás paragens, o alecrim com suas flores azuis roxeadas exalando o seu cheiro peculiar, o rosmaninho confundido com a alfazema perfumando as manhãs da mais linda estação do ano e, os jarros de candura sem par (copos de Leite) de um brilho intenso iluminados pelos raios do sol.
O ar frio das montanhas soprava e o Sol já aparecia subindo entre os montes. Parecia uma bola de fogo que emergia das águas do mar e seus raios brilhavam sobre o verde desde as encostas até o cimo.
Os montes se abraçavam saudando o dia. Rebanhos de cabras e ovelhas pasciam nos vales como uma torrente de águas entre os montes. Seus pastores as cercavam de todos os lados para que nenhuma delas se afastasse do rebanho.
     O Sr. Manuel, recebe pela manhã um comunicado vindo diretamente do rei, para deixar suas terras, seus bens e partir com toda a sua família em navios comandados por um famoso e rico comerciante de pau Brasil, sob a acusação de que os Morais descendiam de judeus e portanto o rei , não queria nenhum remanescente de Israel em Terras Lusitanas.
Para onde iriam? Ninguém sabia, porém o comandante daquela expedição, “vamos chama-lo de Alfredo”, era remanescente israelita e o Rei sabia e confiou-lhe essa missão. O comandante fretou varias caravelas e o custo todo ficou por conta da
     Coroa Portuguesa. Alfredo Juntou o mais que pode de remanescentes israelitas e navegou singrando o Atlântico se afastando cada vez mais da Costa Europeia ganhando o Mar aberto rumo ao Sul.
De repente, avistam Terra! Eram Terras perto do Brasil, que na época era habitado pelos índios que viviam em Etnias.
(continua)


?id=1427186&maxw=120&maxh=120
Ahavah
Enviado por Ahavah em 25/07/2020
Reeditado em 31/07/2020
Código do texto: T7016544
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre a autora
Ahavah
Uberlândia - Minas Gerais - Brasil
547 textos (47142 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/09/20 16:04)
Ahavah