Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Não Era uma vez. Mas já foi.

         Há duas noites que repouso a cabeça no travesseiro e mantenho os olhos abertos até o sol acordar. Não que isto seja proposital, e não que eu tenha a oportunidade de ver a graça do corpo celeste sobre a terra. Sinto cheiro de flores murchas invadindo meu nariz, sinto aqueles malditos insetos enroscando suas patinhas no meu paletó enquanto eu os espanto. Quem sabe se as noites em claro passassem a ser escuras, calmas e pacíficas como outrora foram. Hoje mal posso mover-me, quem dirá permitir que eu permaneça em desespero com esta ínfima quantidade de oxigênio que me cerca. Sinto frio. Mas não existe calor a sete palmos abaixo da terra.
          Dizer que a minha estadia por essas bandas tenha origem naquela que detinha meu coração é uma maneira superficial de contar a minha história. Contos de fadas. Quem dera a vida fosse um. Mas a minha não Era uma vez. Aliás, deixou de ser uma vez faz tempo. A quem ainda estiver por aqui lendo meus devaneios, permaneça mais um pouco. Vou contar-lhe o que aconteceu.
          Retornemos exatos três anos no passado, a partir de hoje.
         
(Continua)
L Andrade
Enviado por L Andrade em 11/08/2015
Reeditado em 21/08/2015
Código do texto: T5342586
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
L Andrade
Curitiba - Paraná - Brasil, 27 anos
13 textos (387 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/01/20 05:28)
L Andrade