Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
A tecelã
Publicado por: Waldryano
Data: 29/07/2019
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Um conto original ®waldryano

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto


A Tecelã



Ela segue mais uma noite sem se alimentar. Pacientemente estira-se pela relva, subindo pelo tronco onde começará a tecer. Precisa iniciar a fazer o casulo para postar neste local os ovos, da sua ninhada. Mas a fome é grande.

— Nesta noite terá sorte e conseguirá ficar intacta a noite inteira no tronco de árvore?

— Nenhum morcego, ou outro importuno, destruirá o seu trabalho meticuloso?

Ainda é tarde. O anoitecer com suas mariposas, grilos e moscas é a esperança do alimento farto. E começa a tecelagem. Fio a fio sai fino e espesso do corpo da árdua trabalhadora. A forma esférica é perfeitamente traçada, antes do anoitecer. Com o tempo toma forma. O desenho bem trançado, de uma armadilha perspicaz.

Agora só resta esperar.

Esperar.

No meu radar posso pressentir qualquer movimento. Enquanto isto vou criando o meu casulo. Minha ninhada precisará nascer. E esta perto o momento da desova. Sinto um balançar no fio fino da minha seda bem trançada.

— Tão cedo?

Com que sorte vou passar esta noite? Por certo alimentada.

— Um gafanhoto? Alimento apetitoso. Preciso deixa-lo se retorcer melhor, o próprio desespero desta vítima será a sua desgraça!

Pronto! Entro em ação enrolando-o com as minhas meticulosas patas em um casulo sufocante, para enfim sugar o seu néctar, a seiva do meu alimento. Uma, duas, três... Muitas voltas, e finalmente ficará bem compactado.

Agora só resta morrer aos poucos. Enquanto isto, terei o alimento que preciso para eclodir no meu casulo os ovos da minha postagem.

Alguns dias se passaram, a mãe aranha com toda a paciência do mundo espera nascer as pequenas aranhas. Que precisam de alimento para sobreviver num ambiente tão hostil.

Demora um pouco mas nascem. Uma a uma, e se achegam a mamãe altruísta. A mordem. Sugando o néctar que será sua seiva nutritiva para poder sobreviver.

O sacrifício é válido.

Uma morrerá para que várias sobrevivam. Depois de crescidas elas vão para o seu caminho incerto da mata. Tecer suas armadilhas, amadurecer, procriar, eclodir e num final o último ato, o do sacrifício, em prol da própria existência da sua prole.

Recadinho do Autor:
Este conto faz parte da minha coletânea de contos infantis que se encontra todos aqui no recanto das letras. Leia procurando no meu perfil.
Passa lá e leia, deixa um recadinho, que ficarei feliz!
visite meu site também: waldryano.com

Conto, personagem Cachorro - O que foi que eu fiz
Conto, personagem Gato - A morte mora ao lado
Conto, personagem Corvo - O feitiço
Conto, personagem Pato - O Nascimento
Conto, personagem Cavalo - Ajudar
Conto, personagem Aranha - A tecelã
Conto, personagem Rato - Abdução
Conto, personagem Pombo - Meu protetor
Conto, personagem Papagaio - Papagaio de pirata


 
Waldryano
Enviado por Waldryano em 12/06/2019
Reeditado em 22/07/2019
Código do texto: T6671275
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Waldryano
Telêmaco Borba - Paraná - Brasil
302 textos (14076 leituras)
29 áudios (975 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/11/19 15:19)
Waldryano
Rádio Poética