Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Análise sobre o filme Na Natureza Selvagem

As semelhanças entre o filósofo cínico Diógenes e Christopher McCandless.

Nas ruas de Atenas viveu um filósofo admirado e odiado. Sua habitação: um tonel ou barril. Ali mesmo fazia suas necessidades fisiológicas, masturbava-se, fazia sexo. Os atenienses jocosamente o apelidaram de cão. Um cão que vivia ao modo natural. Diógenes de Sinope adotou para si essa alcunha dos atenienses como princípio da sua filosofia.
 
Certa vez, segundo reza a lenda, Alexandre, o Grande, ofereceu-lhe presentes, e então, respondeu o filósofo: quero apenas que saia da frente do meu sol. Um filósofo que não se deixava levar pelo nosso sistema de necessidades. Diógenes recusava as superestruturas da vida. E sobre as superestruturas, o filósofo Peter Sloterdijk ensina: A superestrutura, nesse sentido, seria as seduções de conforto que a civilização desenvolve para pôr os homens a serviço dos seus fins: ideais, ideais de dever, promessa de redenção, esperanças de imortalidade, objetivos de ambição, posições de força, carreiras, artes, riqueza."
 
O filme "Na Natureza Selvagem".
 
O filme biográfico Na natureza selvagem, é uma adaptação do livro Into the Wild de Jon Krakauer, com direção de Sean Pean, estrelado por Emile Hirsch, conta a história de vida do jovem Christopher McCandless.
 
A história começa com um jovem formando em direito e em crise com a sua faculdade, profissão e família resolve partir em direção a uma aventura contra todos os valores da sua própria família e sociedade. As referências bibliográficas do jovem Christopher são Tostoi e Thoreau.
 
Na sua jornada ele se aventura por diversos lugares, conhece pessoas legais, na qual cria intensos vínculos de amizade. Em uma dessas viagens, decide ir para o Alaska e, a partir daí, prepara-se para concretizar seu desejo. Chegando lá, mata pura e selvagem. Sem a preparação adequada para sobreviver numa região tão hostil, passa a lidar com o ambiente a sua volta, com a solidão, com pensamentos e sentimentos. Seu principal ensinamento: a felicidade só é verdadeira quando compartilhada. Pense nisso!
 
 Referências Bibliográficas
 SLOTERDIJK, Peter. Crítica da Razão Cínica. São Paulo: Estação Liberdade, 2012.
cmocelin
Enviado por cmocelin em 16/10/2019
Código do texto: T6771354
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Carlos Mocelin). Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
cmocelin
Colombo - Paraná - Brasil, 38 anos
7 textos (197 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/19 10:34)
cmocelin