Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POR QUE VOCÊ NÃO SAI DA JANELA?

      Fico impressionada quando passo, diariamente, no final da tarde, pela rua Bento Gonçalves, em Passo Fundo, e o vejo debruçado na janela. Resta-me o murmúrio do silêncio encorpado de mistério. Como Maria Helena Latini retrata, Olho a janela: / a vida pulsa / na plácida paisagem”.
Ouço história que dizem do seu passado. Em minha visão, você ousa alcançar a paisagem onde pode encontrar o lugar da verdade sem se importar em retornar, como consolo no mastigar a essência do tempo.
Sinto a sua sombra como a necessidade de ali estar, faça sol ou chova. Tento tematizar sua essência através do seu triste olhar. Seria inverter o sentido da vida como parte do seu próprio ser em sua verdade, ou determinar o tempo diluído em dias pela permanência na janela? Qual será a sua verdadeira história? Enquanto na janela, debruçado no parapeito, cria asas? Será que me vê? Latini expressa, “... Minha janela é mais/ um buraco / geométrico /nessa cidade...// Vezes penso: / Não quero mais o vício da paixão”.
Na medida em que apenas o vejo na janela, especulo os motivos da sua diária contemplação: ser confinado em pensamentos e na essência de sua vida amarrada.  Para Murilo Mendes, “O homem foi criado para se conhecer circunscrito / seus ângulos / e arestas o definem”.
O fato é que a sua existência me impõe o acontecer, impregna-me da configuração do destino e determina o sentido da sua essência em minha verdade: por que você não sai da janela? Nas palavras de Leonard Cohen, “Quando olho os prédios de madrugada / juro que vejo um rosto em cada janela / que me olha de volta...”.
Tânia Du Bois
Enviado por Tânia Du Bois em 13/04/2020
Código do texto: T6915306
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre a autora
Tânia Du Bois
Balneário Camboriú - Santa Catarina - Brasil, 63 anos
415 textos (50070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/08/20 18:27)
Tânia Du Bois