Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Trono e os Negócios e o Fogo

O momento nos convida a  continuidade a série " Vilões da Bíblia " e a subcategoria " soberanos rebeldes ", nesse momento escrevendo  a  nona coluna sobre  o monarca Salum em ' o trono e o fogo e negócios' .

Temerariamente o soberano dedicou assim um tempo para os desafios concretos da existência como uma partitura musical onde as notas obedecem uma sequência.

Realmente ser um soberano agregava um conjunto de dúvidas existenciais a pessoa que vinha exercer a função em questão, como no caso unir interesses particulares e visões de mundo.

O momento pedia boas caminhadas possíveis para um soberano como Salum agisse de acordo suas necessidades num longo processo de construção e imaginação pessoal.

Naturalmente o soberano Salum tinha uma leitura sombria dos eventos cotidianos inesperados em um construto inacabado de um governo que tinha certo grau de estabilidade.

O espaço desenvolvido por ele ainda estava bem inseguro ou ainda bem delineado com as desventuras  montadas num longo caminho da realidade

Negociar o passado e o futuro convinha ao soberano olhar todas habilidades envolvidas ou ainda anunciadas de acordo com sua vontade com um soberano.

E as explicações oferecidas pelo soberano Salum são de fato inadequadas interpretações  ao contexto que estavam assim inseridas como forma de opinião disfarçadas. E cada movimento condiz com a realidade estilhaçada de que vivia o soberano isolado em trono em que o poder essencialmente real é importante.

Gradualmente a visão de um soberano pode ser  solicitada em qualquer momento, divinamente  não recebeu o poder , e sim tomou o poder com um mísero golpe de Estado.

O movimentado palácio o rei Salum defrontou com os riscos de outra traição , poderia ter um conjunto de pessoas insatisfeitas com seu possível governo.

Cabalmente esse pensamento nasce com os riscos e as sofisticadas evasões de um solícito soberano divisando esse melindres do poder ou os detalhes do poder.

Inicialmente o soberano Salum viu os muitos riscos e os muitos eficientes descaminhos que poderia tomar ou se assustar naquele momento.

O soberano Salum observa também os perigos de um soberano sem controle , como os soberanos anteriores bem expostos em outras colunas.

Sinuosamente o risco nasce com as muitas linhas de pensamento com dúvidas ou ainda uma linha de conhecimento que tinha ainda naquele momento.

O momento exige do rei Salum e  também dimensiona  as realidades conectadas a todos acontecimentos necessários a riquíssimo repertório de experiências acumuladas naturais.

Finalmente o soberano Salum teve que lidar com aquilo que mais temia acontecer com sua vida em especial naquele momento em que atravessava a nação.

O  momento requer seriedade e silêncio é como ver uma obra de Banksy ou Ai Weiwei e observar seu próprio interior, saber que um registro pode ser no mínimo apagado ou esquecido.

Garantir um fato ou detalhe  acerca do nome em questão , é um rico pensamento ou linha de pensamento a respeito da  pobreza existencial de  Salum.

O cidadão Salum ficou sem direção imediata, sem lamentos ou músicas, sem termos específicos, preferiu escolher um novo desafio como sua forma de fé.
JessePensador
Enviado por JessePensador em 06/10/2019
Reeditado em 07/10/2019
Código do texto: T6762572
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JessePensador
Santana de Parnaíba - São Paulo - Brasil, 35 anos
875 textos (8463 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/19 12:08)