Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Recortes sobre a não-leitura e as más leituras

Boécio, estadista e poeta romano, que não conhecia os livros de auto-ajuda, consolava-se com a filosofia.
Augusto Dito

Wittgenstein em 90 minutos na mochila. E o Tractatus? Pergunte ao pó.
Lú DiCantares



É fato, cada vez se lê menos..., pensa Lafcadio, o Bazárov francês de André Gide, num velho trem sob as últimas luzes do século XIX. Não se lê mais, ele diria, se contemporâneo nosso fosse. Conclusão um tanto quanto injusta, é verdade, um tanto quanto sofismática, enquanto menos que meia verdade, porquanto exigente.

W. Somerset Maugham já notara com amargura o papel do livro como mero entretenimento, aquilo que se busca quando se tem tempo, ou nada melhor para se fazer; foram mais ou menos estas suas palavras no seu O Fio da Navalha. George Orwell, um tanto moralista, que se gastava mais com cigarros e bebidas na Inglaterra que com a leitura.

Saiamos do século XX, e retornemos um pouco, para o tocador de flauta Arthur Schopenhauer. Para ele, mais importante que ler, era saber o que ler, mais do que isso, ler com parcimônia. Que a leitura é necessária à manutenção do pensamento, mas não deve tornar-se substituta para o mesmo; pois quando se lê, dizia ele, se pensa com a cabeça do outro. Há de se ter cuidado com semelhantes possessões.

Daí chega-se a outro ponto: quando se lê sem o devido respeito, que é outra forma de ler coisa nenhuma. Se se lê, lê-se com pressa, sem saborear as palavras, sem apreender os sentidos, as sutilezas e os nuances dos tempos, as expressões carregadas de afetos pessoais determinadas por um tempo outro estranho ao nosso; salta-se por sobre as estruturas gramaticais; e é por isso o declamar belo, a escrita se torna música, e a música não se ignora.

O senhor Algor de José Saramago nos revela um segredo, Há quem leve a vida inteira a ler sem nunca ter conseguido ir mais além da leitura, diz o sábio personagem, ficam pegados à página, não percebem que as palavras são apenas pedras postas a atravessar a corrente de um rio, se estão ali é para que possamos chegar à outra margem.

Jorge Luis Borges fala num poema de um homem preso em uma torre, numa biblioteca, a salvo da barbárie do mundo, e que no entanto era cego. E se a torre fosse de marfim, a biblioteca o vasto mundo virtual, a barbárie do seu mundo a nossa barbárie...

A má leitura nos é mais prejudicial do que a não-leitura, pode-se ser virtuoso sem nunca se ter lido uma única palavra, mas é deveras difícil o ser quando há leitura, e não há reflexão, quando há compreensão, e não há critica, quando há diferenças de tempo, e não há cuidado, quando há o sentido do outro e o meu sentido, e não há interpretação e ainda mais cuidado.

As palavras têm de ser saboreadas, lidas em voz alta, se possível, com calma, não é uma competição para ver quem come mais, senão, com o tempo, a má digestão literária nos tornará a todos papagaios prolixos.

Sem mencionar, e já mencionando, o detalhe insignificante de levantar os olhos de onde quer que estejam pousados e contemplar o mundo com admiração e a ciência de que somente este justifica o ato de perder-se naquele.
Candela
Enviado por Candela em 21/08/2019
Código do texto: T6725975
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Candela
Gravataí - Rio Grande do Sul - Brasil, 26 anos
33 textos (257 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/19 00:35)
Candela