Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Palácio e a Espada

O momento nos convida  a série " Vilões da Bíblia " e dando continuidade a subcategoria " soberanos rebeldes ", nesse momento escrevendo  oitava  coluna sobre o soberano Jeú  em 'o palácio e a espada'.

Portanto a visão do soberano Jeú é estratégica e sólida , em primeira mão é ampliar as alianças e dimensionar os caminhos possíveis  de uma compreensível e fácil leitura e de boa interpretação.

Assim o jovem Jeú redescobre a necessidade de ter um certo grau de estabilidade no poder, e o trono ampliam essas possibilidades de forma bem gradual e sólida.

Legalmente ele usa todos os mecanismos possíveis para dar um novo processo de estabilidade ao governo e ao Estado  em que ele concede seu perfil ao seu modo de governar.

A hora requer do soberano Jeú também enxerga a necessidade de observar a postura de cada cortesão apesar de atender seus interesses e suas demandas particulares.

Cabalmente o soberano Jeú enxerga também  os desconforto de certas classes sociais em não serem atendidas devidamente como um soberano deveria lidar com esses profundo descaso.

Inicialmente esse descaso tende a crescer devidamente , o soberano deve ter um olhar bem cuidadoso para lidar com esses descaso e desatenção aos eventos.

O jovem Jeú também descobre basicamente que o poder em sua essência somente é uma forma de lidar com as demandas ainda escondidas no meio do povo.

E as muitas dúvidas existenciais prevalecentes em sua vida cheia de polifonia musical surgia uma nova mentalidade existente somente entre os membros da Corte.

As verdades que o rei Jeú  encontra tem belos fundamentos em seus muitos textos e escritos bem a comunidade de Laodiceia tem algo a oferecer como relevante.

E para o soberano em apreço tem um musical sentido o seu sombrio existir, e a sua polifonia de vida tem uma longa sequência de notas que sobem e descem dramaticamente obedecendo o seu ritmo da cantiga de findar.

Sinuosamente  lutar com uma espada é reconhecer as desventuras da guerra e suas nuances sofisticadamente, algo que Jeú conhece muito bem com certa sintonia sem uma cacofonia.

Portanto Jeú deve ir preparado para ferir com a pesada os possíveis adversários existentes a sua frente , onde possa assim verificar os riscos da necessidade de ter uma estratégia na manga bem delineada.

Assim também lidar com o cetro , requer um pouco mais de tato e cuidado com os melindres do poder ali escondidos no meio do cetro e suas várias linhas de significância formalizante.

Diante das duas metáforas de poder , Jeú precisa assumir somente uma postura que seja adequada para seu mundo e sua  realidade concreta e conectada.

Agora Jeú aprende que precisa ler os eventos e os fatos reais da vida em polifonia, acrescida de elementos nominais e normais do poder e de sua sublime evolução.

JessePensador
Enviado por JessePensador em 30/07/2019
Reeditado em 30/07/2019
Código do texto: T6708087
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JessePensador
Santana de Parnaíba - São Paulo - Brasil, 35 anos
738 textos (7111 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/10/19 18:32)