Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cineclube Afro Sembene e Cojira exibem: "Em nome de Cristo" e "Jardim Beleléu", dia 21/12 no Sindicato dos Jornalistas

Em Nome de Cristo (Au Nom du Christ). Diretor: Roger Gnoan M'Bala. Elenco: Pierre Gondo, Naky Sy Savane, Akissi Delta. Gênero: Drama. Duração: 90 minutos. Ano de Lançamento: 1993. País de Origem: Costa do Marfim. Idioma do Áudio: Francês. Legendas: Português. Acervo pessoal.

Sinopse. Gnamien Ato, um criador de porcos que também trabalha ocasionalmente como soldador, é desprezado por todos na vila de Balo Ahuekro, que tem uma população de três mil. Um dia, sozinho na floresta e após uma bebedeira, experimenta "convulsões hipnóticas" e tem a visão de uma criança que, com uma voz celestial, lhe diz qual é a sua missão na vida. Tomando esse sonho como realidade, vai para a praça da aldeia uma manhã para pregar sua nova fé. Ele realiza vários "milagres", ganhando assim a confiança dos moradores. Convictos da vinda de um "messias", os habitantes de Balo Ahuekro aderem todos à nova fé. Magloire 1, o novo nome do criador de porcos e que também afirma ser filho de Cristo, adquire grande fama. De todo o país vêm pessoas para vê-lo: pretensos políticos, comerciantes que querem ganhar mais dinheiro, mulheres estéreis, paralíticos, cegos e pessoas pobres.

Sobre o diretor Roger Gnoan M'Bala. Nasceu em Grand Bassam (Costa do Marfim), em 1941. Ele estudou na Suécia e no Conservatório Libre du Cinéma, em Paris. Em 1970  dirigiu Koundoum, seu primeiro documentário em preto e branco sobre a dança tradicional, e dois anos depois de seu filme Amanie ganhou vários prêmios, incluindo o FIFEF. Desde então, ele produziu e dirigiu filmes, nomeadamente o premiado Ablakon. De 1968 a 1978, trabalhou como diretor assistente e depois diretor da Rádio Televisão da Costa do Marfim, onde assinou vários espetáculos de variedades e esportes. Em 1972, seu curta-metragem "Amanie" recebeu o Tanit de Prata no Festival de Cinema de Cartago. Em 1984, dirigiu seu primeiro longa-metragem "Ablakon". "Em nome de Cristo", 1993, ganhou o Prêmio Especial da Juventude no Festival de Locarno e do Grande Prêmio no FESPACO; Prêmio especial do Júri, Milão 1994; Prêmio Vues d'afrique, Montréal 1994.

Jardim Beleléu. Diretor: Ari Candido Fernandes. Gênero: Ação. Elenco: José Wilker, Flavio Bauraqui, Thalma de Freitas, Laércio de Freitas, Adyel Silva, Misty, Nábia Vilela. Duração: 15 min. Ano: 2009 - Formato: DVD. País: Brasil. Local de Produção: São Paulo, zona leste, Itaquera e Cidade Tiradentes. Cor: Colorido. Acervo pessoal.

Sinopse. Itamar (Flavio Bauraqui), trabalhador da indústria metalúrgica, dá um duro danado todo dia para sustentar a esposa Roseli (Adyel Silva), e suas duas filhas. Um dia, voltando do trabalho após receber seu salário, é assaltado no ônibus por um casal. No dia seguinte, após ser humilhado pelo sogro por pedir-lhe dinheiro emprestado, resolve vender um revólver que conservava para sua proteção. No trajeto, avista Corisco Sputnik (José Wilker), o assaltante, junto com a comparsa (Thalma de Freitas). Furioso, resolve matar o assaltante, segue-o sem ser percebido até sua casa, quando se depara com uma cena que será sua chance de redenção.

Sobre o diretor Ari Candido Fernandes. Nasceu em Londrina, 1951 e cursou cinema na Universidade de Brasília, tendo como professores Vladimir Carvalho, Geraldo dos Santos e Fernando Duarte. Em 1971, ameaçado pelo artigo 477 da Lei de Segurança Nacional, partiu para a Suécia. De Estocolmo foi para Paris, onde à partir de 1975, continuou sua formação em cinema na Nouvelle Sorbonne. Reconhecido ativista da comunidade negra, Ari Cândido coordenou o Projeto Zumbi junto a Secretaria de Estado da Cultura e foi um dos idealizadores do Dogma Feijoada – movimento cinematográfico disposto a questionar os estereótipos e os modelos de representação do negro no cinema e na TV. Seu primeiro curta, Martinho da Vila (Paris/1977), capta a passagem do sambista carioca em Paris. Em 1978, foi para a África documentar o conflito entre eritreus e etíopes. Realiza Por quê Eritréia?, filmado em plena guerrilha, testemunho da luta pela independência do país. Ari Cândido também atuou como fotógrafo para diversas agências de notícias européias. No Brasil realizou mais três filmes: O Rito de Ismael Ivo (2003), retrato biográfico do bailarino negro; O Moleque (2005), ficção baseada num conto do escritor Lima Barreto; e Pacaembu Terras Alagadas (2006), documentário sobre o bairro paulistano. Jardim Beleléu (Prêmio Estímulo de curta metragem da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo), é uma adaptação livre e autorizada, do conto “Não Era Uma Vez“, do escritor Cuti (Luis Silva) – que nunca teve seus escritos adaptados para o cinema. A escolha do conto entre as obras de Cuti foi pela atualidade de seu enredo. O curta foi filmado na Cidade Tiradentes, zona leste paulista, em 2009, com apoio e participação da comunidade local, especialmente da Escola de Samba Príncipe Negro. Titulo do filme e seu personagem central são em homenagem ao músico e compositor Itamar Assumpção. Jardim Beleléu participou da competição do 14º Los Angeles Latino International Film Festival; no 21º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo - Kinoforum; e marcou presença no 5º CineFantasy - Festival Curta Fantástico, evento internacional especialmente criado para o cinema fantástico e seu universo.

O Cineclube Afro Sembene
A proposta é realizar sessões em dose dupla, ou seja: um filme do continente africano e um filme de um(a) diretor(a) afro-brasileiro(s), como acontece em shows internacionais que são abertos por bandas ou artistas nacionais como forma de intercâmbio e difusão cultural. Tem também um apelo retrô, em referência e homenagem aos cinemas populares, os quais até meados da década de 1990 exibiam dois filmes como meio de atrair, formar e manter seu público. “Como os cinemas estavam perdendo expectadores, logo surgiu a idéia de oferecer aos cinéfilos a sessão dupla, onde poderiam assistir dois filmes pagando por apenas um bilhete. E muito filme considerado B, não só ganhou repercussão como também se tornaram cults”, explica Oubí Inaê Kibuko, um dos coordenadores e curadores do Cineclube Afro Sembene.
As sessões acontecem no 3º sábado do mês, pontualmente às 19 horas, sendo a exibição do filme seguida de debate com membros da equipe realizadora ou com a participação de um comentarista convidado, acompanhado por um chá de confraternização e outras práticas da cultura africana.

Sobre o projeto Cineclube Afro Sembene
O Cineclube Afro Sembene é uma iniciativa do Fórum África, entidade sem fins lucrativos, de caráter social, cultural e recreativo, que reúne africanos, brasileiros e todas as pessoas interessadas em difundir informações que melhorem o conhecimento sobre a África no Brasil. O nome Sembene é uma homenagem ao escritor, produtor e diretor senegalês Ousmane Sembène (1923 — 2007), freqüentemente chamado de "O Pai do Cinema Africano". Sua jornada teve inicio em 2008, no Centro Cineclubista de São Paulo, do qual é associado. Ciente das barreiras da língua e de seu caráter pedagógico, a programação do Cineclube Afro Sembene prioriza filmes legendados em português. Coordenação: Vanderli Salatiel, Saddo Ag Almouloud e Oubí Inaê Kibuko.

Parceria Cineclube Afro Sembene e Cojira
Em 2012 o Cineclube Afro Sembene firmou parceria com a Cojira-SP (Comissão de Jornalistas Pela Igualdade Racial no Estado de São Paulo), que manifestou disposição solidária com esta proposta e se propôs a contribuir na difusão do cinema africano ao público interessado todo terceiro sábado mensal.  “A Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira) é um órgão consultivo, com participação aberta a todos os interessados. O objetivo é auxiliar o Sindicato na atuação mais efetiva com relação à questão racial. Participamos ações tanto no âmbito específico do jornalismo, quanto em questões de caráter mais geral.” A oficialização desta parceria se deu em 16/11/2013, com o retorno do Cineclube Afro Sembene, desta feita no Sindicato dos Jornalistas, após um longo e forçado jejum por falta de espaço apropriado.

Serviço
Cineclube Afro Sembene: Em Nome de Cristo (Au Nom du Christ) de Roger Gnoan M'Bala (Costa do Marfim) e Jardim Beleléu, de Ary Candido Fernandes (Brasil);
Data: 21 de dezembro de 2013 – sábado;
Horário: pontualmente às 19 horas - Entrada franca;
Local: Sindicato dos Jornalistas no Estado de São Paulo;
Endereço: Rua Rego Freitas nº 530 - Sobreloja, Vila Buarque, São Paulo/SP, próximo a Igreja da Consolação e metrô República.

Informações:
Blog: http://cineclubeafrosembene.blogspot.com.br
Email: cineafrosembene@gmail.com
Blog: http://cojira.wordpress.com/
E-mail: cojirasp@gmail.com
Realização: Fórum África
Parceria: Cojira-SP e Sindicato dos Jornalistas
Apoio: Casa das Áfricas e Cabeças Falantes

Fonte: Cineclube Afro Sembene - http://cineclubeafrosembene.blogspot.com.br  
OUBÍ INAÊ KIBUKO
Enviado por OUBÍ INAÊ KIBUKO em 18/12/2013
Código do texto: T4616468
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (© Oubí Inaê Kibuko). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
OUBÍ INAÊ KIBUKO
São Paulo - São Paulo - Brasil, 63 anos
101 textos (86583 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/09/19 17:55)
OUBÍ INAÊ KIBUKO