Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LUCIANA e QUANDO O POETA FOI EMBORA

Lá, bem distante,
Uma tarde que vai embora
Com os poucos sonhos restantes
Inundando um peito que ainda chora
Ainda ama, paixão marcante
Na noite que não veio, mas implora
A saudade, a todo instante.

Geme a letra do poeta infante,
Orgulhoso pai, como dono da aurora.
Mergulha no tempo, passaporte constante,
Em busca da vida que tanto adora
Sorrindo sempre, que o prazer é bastante.

Depois da saudade, quando foi embora,
A vida, então, não mais é como antes.

Saudade! Saudade! O que fazer agora?
Indaga o poeta em uma rima infante,
Levando a saudade pelo mundo afora,
Vê-se alegre, todo triunfante,
Ao saber que este amor infinito em seu peito pra sempre mora.
Jonas De Antino
Enviado por Jonas De Antino em 12/08/2014
Código do texto: T4919248
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jonas De Antino
Cajati - São Paulo - Brasil, 53 anos
667 textos (10015 leituras)
5 e-livros (99 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/09/19 18:46)
Jonas De Antino