Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CABEÇAS EGOCÊNTRICAS

– Aos editores. Estes os maiores interessados em que o autor não revise o seu texto, porque levará mais tempo para publicar o livro, e, portanto, demorará em levar o (seu) santo dinheirinho aos cofres deles.

É uma lástima que os autorais não encarem bem a "transpiração" feita por terceiro sobre a sua criação. Observa no que dá tu não acreditares nem praticares a oficinação em cima dos teus próprios textos? Percebes o que acontece quando aconselhas o outro a ficar somente no primeiro momento de ‘inspiração’, ou seja, não revisar o poema depois do momento inicial da espontaneidade intuitiva, porque ele já nasceu pronto e acabado? Fortaleces o ego autoral conduzindo-o à não aceitação da posição de que o poema nunca está pronto, por ser matéria viva – que é como eu entendo. E aí aumenta o número dos protetores da preguiça intelectual, fortalecendo-os contra qualquer mudança no texto, mesmo que, no caso de terceiro, o analista crítico seja apenas fonte de sugestões de forma ou formato. Levanto esta questão por respeito à posição antagônica (no criar), prestigiando, enfim, apoiando o ego do autor que não aceita alterações no texto nascido num repente, vale dizer, apenas baseado no sopro da intuição. É muito prazeroso o milagre da criação literária nascida num átimo, sem trabalho, sem a transpiração sobre o “instante de fúria do criar”. Representa a aceitação do que temos como verdade estética – a nossa concepção da Verdade alimenta o Ego. Constata-se o seguinte: quanto mais primário o espiritual do autor, mais necessário se faz que ocorram loas e aplausos a ele. Importa num reforço à certeza autoral de que é, no mínimo, um abençoado pela genialidade. Bem, segundo os especialistas da alma humana, escrever é sempre uma terapia. É forte traço na sociedade atual o indivíduo com o ego inflado, egoístico e incapaz de atos singelos de Confraternidade. Que precário exemplar de poema (mesmo que nele se constate a presença da Poesia) poderá sair dessas cabeças egocêntricas? Porque mesmo que a literatura não se destine e a interferir diretamente no mundo dos fatos – a realidade – o primarismo individual e coletivo leva sempre a embolar as coisas, pois para este grupo o poema é um objeto, nasce numa relação objetal, um produto, algo coisificado. É o "presente" que recebem da vida pelo talento pessoal, sem esforço, somente a genialidade aflorada: uma recompensa, um mimo que os retroalimenta. Tal um poço de petróleo que dará muitos lucros... Como se fosse fácil fazer e vender livros. É traço forte da sociedade contemporânea: sem rosto, volúvel, oportunista e venal, isto é, com preço previsível no mercado. Somos o resultado do que acreditamos e praticamos. É sempre  útil lembrar de que o poema esteticamente bom é o fruto bendito e babado do conviver, fruto que já foi lambido por muitas línguas...

– Do livro OFICINA DO VERSO, vol. 02; 2015/17.
http://www.recantodasletras.com.br/ensaios/5971102
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 14/04/2017
Reeditado em 17/05/2017
Código do texto: T5971102
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2778 textos (755456 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 18:22)
Joaquim Moncks