Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O RINGUE DA PSIQUÊ

“Os punhos da madrugada esfregam suas sombras na cara da insônia. O medo têm mãos azuis e frias. Elas tateiam, trêmulas, à procura da primeira fresta do amanhecer.”.
– Postado pela autora no Facebook, em 07/09/2017.

(a propósito dos “punhos da madrugada” de Marcia Friggi, escriba e confreira na Academia Internacional de Artes, Letras e Ciências ‘A Palavra do Século 21’ – ALPAS 21, sediada em Cruz Alta/RS, corajosa professora do ensino médio em Indaial/SC, Agosto, 2017)

A insônia é sempre uma parceira prenhe de reflexões sobre alguns senões de percurso: antíteses, desejos insatisfeitos, quiprocós, tal como apareciam no jovem Werther, de Goethe, vindo a lume em 1774, que foram altissonantes a ponto de passados tantos anos, restarem vivos e atuais no espírito humano. Muitos de nós sabemos (ou intuímos) que a criação artístico-literária significa dar vida à farsa, à fantasia e aos sonhos de ser, graças à inventiva peculiar de cada verve autoral estética. O mais curioso é que, mesmo neste reino de personagens tornadas vivas pelos fetiches do fazer literário, o enredo tem que ter certa credulidade capaz de tornar veraz a história e adquirir crédito junto ao receptor. Se tal não ocorre, nada feito, pois o espiritual não consegue dar vida ao que é permanentemente fictício. Enfim, a partir desse cadinho emocional, fazer crível e ameno este emaranhado, que na origem psíquica é truculento, agressivo, cáustico. Transmutavam-se, ao seu tempo de viver, os sofrimentos do jovem Wolfgang Goethe em ebulição, naqueles idos do séc. XVIII? A insônia, como fenômeno vivencial acompanha o ser intrínseco que nos habita. Povoa o nosso inconsciente e modela pés-de-pluma para o memorial do after day. Por vezes, até o travesseiro cochicha suas inquietações e os resquícios turvos sugerem metáforas de imagem sobre o ocorrido (neste momento há véus sobre o fato genuíno), palavra e asas para o depois, que pode vir a se constituir em séculos de encantamento, geração a geração. Estes "punhos da madrugada" derreiam tudo que encontram pela frente: nós mesmos, os incômodos e habituais alter egos e, por vezes, vindo a atingir o plexo solar ou o queixal do antagonista no mundo dos fatos, que de somenos, vai a nocaute. Espantada, a dama insone permanece de olhos abertos à inaudita noite de cochilos ao espelho. E o personagem começa a escrever suas travestidas memórias do viver – nuanças personalíssimas do circunstancial acumulado...

– Do livro A VERTENTE INSENSATA, 2017.
http://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/6107170
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 07/09/2017
Reeditado em 07/09/2017
Código do texto: T6107170
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
2878 textos (771324 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/11/17 00:36)
Joaquim Moncks