Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CADINHO ARDENTE

Fico imensamente feliz quando o poeta-leitor toma posse da ideia em ebulição e a aprisiona no seu poema autóctone, num repente humaníssimo de possessão e domínio. E ali ela fixa residência, sua clausura dadivosa – um pontinho brilhante ao longe, parecendo uma estrelinha tímida alçada dos contos de fadas. Há maior gesto de confraternidade do que o intertexto? Mais que a beleza e a estética que encantam, o verbo comunicou-se num mutismo solitário, porém pleno de solidariedade. Nesta hora, o poeta-autor e o receptor são unos. A unicidade espiritual lacrou a garatuja, propôs a ela o brilho e a amplitude peculiares ao Novo, prenhe de estranhamentos. Só resta ralar os joelhos frente ao Absoluto. Porque agora a palavra reina em uníssono e tomou corpo, formato. Autor e receptor rezam pela mesma cartilha e o universo é ritmo em uníssono. O único reparo é a cavatina – que é arenga sem volta – em vez da clava diuturna que recolhe o sono dos omissos. A partir daí retempera-se o pretenso momento de inquietudes. Resta desvirginada a clausura individual. O agora, frente à estranha medusa, desfia sua enigmática cabeleira. Que venha o inusitado bobo-da-corte, como convém ao humano, sempre incrédulo no face a face das surpresas. A canção rítmica faz o seu delírio. Descobre-se, neste estado de plenitude, que somente Ele (dentro da criatura) sabia das inquietações e angústias. O Absoluto sempre dá um jeito de se comunicar...

– Do livro A VERTENTE INSENSATA, 2017.
http://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/6096492
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 27/08/2017
Reeditado em 27/08/2017
Código do texto: T6096492
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
2878 textos (771324 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/11/17 00:36)
Joaquim Moncks