Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONFISSÃO DE INOCÊNCIA

A Poética mitiga a nossa fome de beleza, de amor ao homem e crença na humanidade; de recriação do que está comumente mal posto ou carece de algo aos nossos olhos. Rendemo-nos à vontade do Absoluto, ao inconsútil e nem sempre compreensível respirar do Mistério... O poeta é apenas o arauto de Seus desígnios, através do universal e coerente exercício da comunicação interpessoal. Nesta hora de nascimentos, o espiritual está absolutamente livre do conceito de “pecado” e o poema é a mais absurda confissão de inocência. É sempre conveniente que seja uma linguagem universal ou próxima do entendível por todos os que pretendem se lambuzar do Novo que a proposta contém. A Poética é a aposta de esperança no after day que se liberta ao receptor através da singela visão de ler e sentir o visto. No entanto, esse tem de ser um olhar casto, atento para a virgindade que se perde no ato de fruir o gozo superveniente. Que se pode repetir ou não. Enfim, com todos os ânimos que sobrevêm após a fruição. O poema lido é sempre uma conjunção única e individuada.

– Do livro OFICINA DO VERSO: O Exercício do Sentir Poético, vol. 02; 2015/17.
http://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/6056967
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 17/07/2017
Reeditado em 17/07/2017
Código do texto: T6056967
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2799 textos (760917 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/17 12:22)
Joaquim Moncks