Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DIALÉTICAS BARROQUIANAS



SÉCULO XVI - Modificações político-sociais e grande revolução cultural na Europa na segunda metade do século XVI: na pintura, a Renascença. e na religião, a Reforma Protestante /Holanda e cidades do Reno e Báltico/,  novas forças burguesas rompendo com o medievalismo católico.  Na Península Ibérica, não terreno propício pela forte resistência da Contra-Reforma, movimento amparado pela Companhia de Jesus, fundada em 1540, em perseguição a protestantes, abrangendo intelectuais.  Poder absolutista de monarcas não admitindo crítica.  Tribunais de Inquisição já um tanto ‘antigos’:  Espanha 1340, Portugal 1536 - índex, relação de livros proibidos.  Contudo, o homem europeu, espírito aventureiro e desejo de riqueza com duas preocupações distintas:  a conquista material, resultante da política das Grandes Navegações, e a conquista espiritual, resultante da Contra-Reforma.  Duas manifestações literárias no Brasil:  a literatura informativa (riquezas materiais - ouro, prata, ferro, madeira etc.) X  a literatura dos jesuítas (trabalho de catequese).

RENASCIMENTO - domínio da linha reta e pura, clareza e nitidez de contornos X BARROCO - conciliação do ideal medieval, espiritual e supra terreno com os valores da Renascença, ou seja, humanismo, gosto pelas coisas terrenas, satisfações mundanas e carnais...  ---  Tensão e oscilação entre:  clareza-obscuridade, bem-mal, Deus-Diabo, pureza-pecado, candura-sensualidade, sublimidade-miséria, atos de constrição-blasfêmias, alegria-tristeza, Céu-Terra.

SÉCULO XVII  -  Época de dúvida e de conflitos espirituais-filosóficos-morais - constante dualismo humano:  paganismo X  cristianismo-misticismo, espírito X matéria, sobrenatural X terreno. --- Esse dualismo ou dialética é o reflexo da tentativa de conciliação dos postulados místicos e ascéticos da Contra-Reforma e do Concílio de Trento (1545/1563), que codificou a doutrina católica e adotou normas rígidas para clero e fieis, com os postulados sensoriais e terrenos do Renascimento, ou seja, Teocentrismo X Antropocentrismo.  Conciliar o espírito católico medieval teocêntrico + o paganismo clássico antropocêntrico do século XVI, ou seja, síntese dos opostos:  espiritualizar carne-corpo-matéria e materializar o espírito.  ---  Logo, algum pessimismo e fase mais religiosa, o homem voltado para Deus, o que representa retorno ao espírito medieval.  Predominam a imaginação e o subjetivismo.

                                   - - - - -

BARROCO, literatura de contradições-impasses-dilemas:  “dualismo ‘quase’ radical, porém unidade harmoniosa como yin-yang. Todo ser possui em si o germe de seu oposto;  logo, apenas aparente oposição entre CULTISMO  e CONCEPTISMO”.

                                  - - - - -

ESTILOS E TENDÊNCIAS DO BARROCO:  1.CULTISMO, CULTURANISMO ou GONGORISMO (visível influência do espanhol GÔNGORA - 1561/1627)_- Predomínio na poesia.  Culto maior da forma que do conteúdo, linguagem rebuscada-culta-extravagante, pormenores em   jogo de palavras.  O cultista escreve para os olhos:  gozo dos sentidos, poesia e prazer lúdico.  ---  2.CONCEPTISMO - Predomínio na prosa.  Raciocínio lógico, filosófico, racionalista, dissertativo, dialético, retórica aprimorada,  jogo de idéias e de conceitos.  Um dos principais cultores do Conceptismo foi o espanhol QUEVEDO, daí o termo QUEVEDISMO.  O conceptista escreve para o cérebro:  conhecer a essência das coisas e conceituá-las, doutrina mística discursiva para convencer e ensinar.  ---  Outras nomenclaturas:  SEISCENTISMO, anos 1600 (sob domínio espanhol de 1580 a 1640) - culto da forma em Portugal  (até 1756, com a fundação da Arcádia Lusitana, em pleno governo do Marquês de Pombal, aberto aos novos ares da ideologia burguesa iluminista que caracterizará a segunda metade do século XVIII)  /  MARINISMO - influência exercida por MARINI (1569/1625) na Itália  /  EUFUÍSMO -derivado do título do romance “Euphues, or the anatomy of wit’, 1578, autor JOHN LYLY (1554/1606, na Inglaterra  /   PRECIOSISMO - culto à forma extremamente rebuscada na corte de LUÍS XIV, o Rei-Sol, na França   ---  obra “As preciosas ridículas”, de Molière  (1622/1673)  - no Hotel de Rabouillet, Paris, construído em 1588, se reuniam os intelectuais as época  /  SILESIANISMO ou SALESIANISMO - caracterizados os escritores da região da Silésia,  na Alemanha  ---  poeta alemão ANGELUS SALESIUS.

                                   - - - - -

Características da arte barroca em geral - literatura, música, pintura, escultura e arquitetura:  desequilíbrio, exotismo, instável como o homem que a produziu, alucinações, excesso de desespero, ânsia de captar todas as emoções da vida efêmera.  ---  Na literatura, predominam estilisticamente os seguintes recursos:  uso constante de antíteses-paradoxos-oxímoros  /refletindo o dualismo, as contradições do homem, o racional e o irracional, apreensão da realidade pelos sentidos/;  metáforas  /como brilho e riqueza das palavras e o luxo das artes plásticas/;  hipérboles  /grandiosidade, pompa, intensidade da vida humana/;  supervalorização das  sinestesias ou sensações, principalmente a visual;  sinestesias;  prosopopeias  /personificações de coisas/;  anáforas-epístrofes-paronomásias;  gradação sinonímica, em abundância, frases interrogativas e prefixos negativos  /reflexos de incerteza e dúvida/;  trocadilhos vocabulares;  perífrases;  ordem inversa.  (CAMÕES, um angustiado pré-barroco.........)  ---  Nas artes plásticas:  substituição do espaço pelo movimento e linhas criadoras;  assimetria e perspectiva;  fusão de claro/escuro, luz/trevas;  exagero nos detalhes e nas minúcias, altos-relevos;  cenas de batalhas sangrentas de fuzilamentos; formas femininas sensuais;   anjos roliços.

                                     - - - - -

O primeiro poeta brasileiro publicado:  em 1705, MANUEL  BOTELHO DE OLIVEIRA, livro com o doce nome de “Música do Parnaso”.  ---  Do cultismo, imagens sensoriais, poema “Cravo na boca de Anarda”   -  “Décima  ---  Quando a púrpura formosa / desse cravo, Anarda bela,  / em teu céu se jacta estrela, / senão luzente, olorosa: / equivoca-se lustrosa, / (por não receber o  agravo) / de ser nessa boca escravo) / pois é, quando o cravo a toca, / o cravo, cravo da boca, / a boca, boca de cravo.”  ---  Verdadeiro pintor verbal, rica sensibilidade!  Complexo processo metafórico, soma de:  “púrpura”,  cor (visual) do cravo, no “céu” - rosto dela + (como) “ estrela... luminosa,  “luzente (luminosa), olorosa” (aromática).  Logo, um ‘quase’ equivoco  entre a flor e os lábios da mulher:  a flor toca-lhe a boca e se confunde... - “cravo da boca” = “boca de cravo”.  Cravo (dicionário do “tio” Aurélio) - flor, uma especiaria e um instrumento musical - texto em sugestões visuais-gustativas-sonoras (não táteis, pela moral ainda pudica da época).  ---  No Classicismo, visão lógica, impessoal e equilibrada do ser humano, a mulher-amada, perfeita, distante, não perecível  X  agora, no Barroco cultista, complexidade e ilogicidade da vida humana,  a mulher-desejada, solicitada para o prazer amoroso, perecível, somente perfeita e bela durante a breve mocidade - não mais a eterna estátua grega e sim como a rosa bela e perfeita apenas por um dia;  daí, duas posições antagônicas:  ou gozar os prazeres ou voltar-se para Deus como o único refúgio ou segurança.  ---  Símbolos que traduzem a efemeridade, instabilidade das coisas e fugacidade do tempo:  fumaça, vento, neve, chama, água, espuma, fogo - concepção barroca de mundo, visto como metamorfose contínua.

                                       - - - - -

BARROCO NO BRASIL - Século XVII e primeira metade do século XVIII:  consolidação de uma aristocracia colonial;  cada vez mais comerciantes estrangeiros;  transformações sociais-econômicas-culturais provocadas pelas invasões holandesas e francesas;  apogeu e declínio da cana-de-açúcar no Nordeste;  ação dos bandeirantes e descoberta do ouro, principalmente em Minas Gerais.  ---  Grande expressão do barroco no Brasil - GREGÓRIO DE MATOS GUERRA, baiano, nascido em 1633, primeiro poeta efetivamente brasileiro, isto é, com sentimento nativista,  mas ainda sem isolar a Colônia da Metrópole.  Do poderoso crítico social, poemas que refletem a sociedade brasileira da época;  obra lírica (amorosa e sacra), religiosidade e sátira mordaz - a caracterização dos tipos sociais de seu tempo lhe granjeou enorme fama, perseguições e temporário exílio.  ---  Talento da persuasão foi o padre ANTÕNIO VIEIRA, mais famoso orador sacro do Brasil-Colônia, conceptista e não gongórico, uso de silogismos ou pergunta-resposta (ele mesmo, no alto do púlpito), circunstâncias de causa e efeito, desenvolvendo a idéia no sentido da persuasão retórica, raciocínio final complexo.  Importantes documentos históricos, cerca de 500 cartas, em linguagem mais simples, sobre o relacionamento entre  Portugal e Holanda, a Inquisição, os cristãos-novos e a situação da Colônia.  Dezesseis volumes de quase 200 sermões publicados entre 1679 e 1748 e três obras de profecias - atritos com o Santo Ofício (1649), prisão temporária, talvez por acreditar na possível volta de Dom Sebastião, desaparecido em Alcácer-Quibir, tal fato profetizado (?) na Bíblia.  “Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal” - pregado em 1640 na Igreja de N. S. da Ajuda, quando os holandeses cercavam a cidade de Salvador.  ---  Silogismo - Argumento formado a partir de duas proposições, as premissas, para obter uma terceira, a conclusão. Exemplo:  Todos os homens são mortais; Pedro é  homem;  logo, é mortal.

                                        - - - - -

A crítica impressionista do século XIX  observou  como um dos principais aspectos da estética barroca o sentido religioso, místico, exuberante e de caráter ascensional, a presença de Deus se agigantando  em detrimento do próprio homem, isto em todas as artes, refletindo o espírito e a cultura da época.  ---  Em esculturas, não vemos cenas macabras e horripilantes e os trabalhos de maior relevo são os do ALEIJADINHO, principalmente em Congonhas do Campo - Minas Gerais:  imponentes estátuas de doze profetas.

 

 

LEIAM meus trabalhos “Andorinha”, “Os sinos do Brasil Colonial” e “Dona Gregória é de morte...”

FONTES:

Pot-pourri de recortes de livros didáticos, sem identificação possível.

                                       F  I  M

 
Rubemar Alves
Enviado por Rubemar Alves em 08/07/2017
Código do texto: T6048728
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rubemar Alves
Salto - São Paulo - Brasil, 50 anos
448 textos (12078 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/17 12:23)
Rubemar Alves