Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Estavam voando há cinquenta minutos sem darem uma palavra, até que um deles irrompeu o silêncio.
— Conheço o senhor de algum lugar — disse Carrero.
— Talvez sim! Sou Gilson Chagas.  Fui bancário e levava vida cigana. Precisava mudar de uma agência para outra, com o objetivo de fazer carreira no Banco. Trabalhei em Picos, Fortaleza, Rio de Janeiro, Brasília e em várias cidades de diversos Estados. ‘Naveguei por este Brasil urbano e caboclo, à procura do ‘caminho das índias’ e mesmo aposentado, nunca parei de ticar as partidas dobradas nas curvas do meu caminho. Moro em Brasília. Não sei até quando a Disney Brasileira me suportará.
—Pelo tipo da prosa, o amigo também é escritor! Muitos bancários, quando se aposentam, tomam o caminho das Letras. Vais ao encontro no Salon Du Livre?
— Sim, apresentarei ‘Música para Pensar’   em Paris. “É minha mais recente produção. Produzi também outras obras na juventude que hoje, renego, e seria capaz de escrever nelas: ‘incorrigível. Só o fogo!’ Sou um professor que escreve. Nisto também me assemelho a Afrânio Peixoto. Se bem que Afrânio tinha outros títulos que não alcancei.
— Gostei do título. Pode-se fazer duas leituras: ‘Musica para Pensar’, também no sentido de cuidar das feridas da alma e do coração. A boa música tem a capacidade de auxiliar na cura da ansiedade, angústia, estresse e até   depressão...
— O amigo me parece  maestro não só das letras, também das notas musicais.
— Lido com arranjos. Moram comigo ‘os segredos da ficção’. De onde vem a música, senão do fantástico mundo da imaginação? E a arte de extrair tudo do nada? Às vezes é preciso soltar o cabelo de Gabriela para deixá-la menos  tensa.
— Ler e escrever é a melhor ginástica para a inteligência, disse certa vez meu amigo Odaly Bezerra, acrescentou Gilson Chagas.
— Eu gosto tanto disso aqui!  É como namorar. Tem dia que me sento só pra namorar! Olhar pra livro... Fico namorando livros como se a vida real fosse uma ficção que se transcreve para o papel.
 E Carreiro viu, e sentiu o cheiro de cravo e canela escorrendo na caneta de Jorge. Tão amado Jorge, desprezado e  atirado na masmorra do exílio.
— Li alguma coisa tua em sites literários. Penetraste com Jacó na tenda de Labão. Abençoaste Raquel, sem excomungar Lia.  Camões fez o mesmo com sua lira de 14 cordas: sete anos na casa de Jacó e depois mais sete, e só assim conseguiu Raquel. Lia foi contrapeso dos primeiros sete anos.
Depois de um riso gargalhado, Carreiro continuou:
— Não lhe parece perigoso colocar a própria fotografia na Internet?
— Talvez sim, talvez não! Começamos a morrer a partir dos primeiros segundos de vida.
— É verdade! Muitos já disseram isso com outras palavras.
— Sim, já disseram. Muitos já disseram.
— Os sites literários estão repletos de velhos e novos talentos. Li um artigo de Francisco Miguel sobre Prosopagnosia. Que doença estranha! Não reconhecer o rosto das pessoas?... ‘E aí começava meu martírio’ — diz Miguel.
—É... o Chico é mesmo estranho no ser e no fazer. Foi meu grande incentivador na direção das Letras.
— Foi? Não incentiva mais ou já morreu?
— Cada minuto vivido a mais é um minuto de vida a menos. Ele já tem mais de setenta janeiros nos couros. Rogo a Deus que eu possa também chegar a essa idade e que o Chico ultrapasse, em muitos anos, o marco até agora alcançado.
— Somos pedras que se consomem...  Diz Carrero — Meu livro, isso aqui, isso aqui é meu mundo, meu universo. Isso aqui é minha maravilha!  Eu gosto tanto disso aqui!  É como namorar. Tem dia que me sento só pra namorar! Olhar pra livro...

E trocaram gentilezas oferecendo um ao outro os últimos títulos que publicaram.
***

Adalberto Lima, trecho de Estrada sem fim...
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 11/01/2017
Código do texto: T5879338
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (LIMA, Adalberto. Estrada sem fim (obra em construção)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adalberto Lima
Montes Claros - Minas Gerais - Brasil, 65 anos
2775 textos (351367 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/05/17 08:00)
Adalberto Lima