Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O DEFINITIVO NÃO EXISTE, EM POÉTICA.

Em arte poética, importante é a diversificação de conceitos e opiniões sobre o infinito universo de criação – riquíssimo em contradições, como é o viver – no qual o poema surge espontaneamente não se sabe de onde, através do processo intuitivo. Está em causa a transfiguração da matéria da vida através do mistério dos signos e do potencial de sugestão que eles contêm. O que o poeta-autor logra obter é somente o aqui e agora: a instantaneidade. Porém, não é derradeira este conceptual de palavreado, formatos e conteúdos. O futuro advindo é antevisão estética formatada na ânsia da veracidade, a verdade traduzida ao teor de seu criador, curiosamente urdida na tessitura do sonho, da farsa e da fantasia, eis que o universo poético não pertence ao plano da realidade fática. Há sempre o desejo autoral – este completamente veraz – de que a temática venha a ser aceita com simpatia pelo receptor e chame a atenção por estar verbalmente bem configurada. É neste viés que as figuras de linguagem, especialmente as metáforas (o seu inesgotável potencial de sugestionalidade imagética) cumprem o seu papel de encantamento ou alumbramento, como queria o poeta pernambucano Manuel Bandeira. Bem, a matéria verbal tida como lapidar – efetivamente definitiva – somente será fixada depois da morte do autor do poema, visto que este, em vida, pode modificar a peça escritural a qualquer momento, ou seja, a cada edição da peça poética. Uma linguagem codificada em que o Mistério é a pedra-de-toque, e é este o universo da inteira voz que pode mudar o homem, e tendo esta como arauto e confraternidade, efetuar mudanças através de ações no plano da realidade. Por certo, a Poesia é vetor mudancista. Em Poética, no rigor técnico, filosófico e estético, o “definitivo” inexiste. Afinal, O POEMA É O PENSAMENTO EM MOVIMENTO, concebido pela intuição, através de signos e formatos estéticos. O polimento se dá pelo trabalho: o manancial humano que o dignifica. Como quem faz o mate-chimarrão, convida, e o oferece ao vivente habituado ao "amargo doce que eu sorvo...".

– Do livro OFICINA DO VERSO, vol. 02; 2015/16.
http://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/5825842
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 16/11/2016
Reeditado em 17/11/2016
Código do texto: T5825842
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2626 textos (719178 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/03/17 15:16)
Joaquim Moncks