Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
FATALISMO

Com a ideia desarrumada, pendulo
Feito um badalo, sino da morte,
Ecoando anúncio​ de minha sorte
Sobre o que foi meu porto-seguro!

No altar dos desgraçados, o bico
Dum abutre perfura a carne,
Entregando meu corpo ao desencarne,
Delegando aos vermes que fabrico!

Pois, é chegada a hora da entrega
A essa multidão sinuosa que trafega
No caminho tenebroso do naturalismo...

... E saio por aí à fora, livre, sem mancha,
Fito de longe o corpo que desmancha
Matutando, de soslaio, no criacionismo...

+

SEMPRE MUITO BEM VINDA, NOBRE POETISA MARDIELLI!!


Amparado por mil ideias santas
Percebo meus passos já cambaleando
Preso por um anzol e uma isca
Fui capturado, e nem percebi.

Agora, no mundo dos desvalidos
Vejo minha carne em putrefação
E como nada se perde, eis um carniceiro
Como um banquete, abocanha a podridão

Meu destino se cumpriu
E eu serei mais um entre tantos no além
Faço parte desse caminho escuro, e escrupuloso
Sina obscura que a todos pertencem

E caminho livre às soltas, sem o cordão umbilical
Sem surto observo que ao pó voltei
E refletindo sobre as sábias leis de Deus
Percebo entre os mistérios, retornei ao seu criacionismo

MARDIELLI, 20/05/2017.
 Nossa poeta! Eu já vim bagunçar! Mais uma obra de peso e medida, aplausos poeta!!

+

FERNANDO.CUNHA LIMA, O FERÍSSIMO!!!

ANTE O CRIACIONISMO DO POEMA

No criacionismo do poema,
Do verso que postula autonomia,
A verve quer lutar por poesia,
Ao escolher a cada tempo um tema.

Toda escrita feita no fonema,
Deixa de lado toda fantasia,
E visa o lado bom da estesia,
Sem os sinais nos quais o verso trema.

"Com a ideia já desarrumada"
Aceito o verme me comer o verso,
E ter a libitina de consorte.

Numa função final, deteriorada,
Snto a mudança do meu universo,
Por outro lado, onde vive a morte.

FERNANDO CUNHA LIMA, 20/05/2017
Ao mestre e mago da poesia fatalista. *Poeta Carioca.
Fernando cunha lima. 20-05-2017.

+

GRANDIOSA POETISA NAJET CURY!!

Ah! Deixa-te levar para longe
desta imagem tão crua que não esconde
A realidade da vida terrena.
Resta-te uma escolha, entretanto,
Deixar teu corpo vil num recanto
Qualquer... não importa. Outras cenas
Serão da luz que te aguarda
Na viagem de tua alma serena!
Basta querer fugir da perversa veleidade
Da vida material que teu pensamento invade!
Segue outro rumo! Depende de ti a sorte
De não ver esta face tão fria da morte
Lúgubre... macabra, mas passageira.
Acende em ti a candeia, emanando tua luz
Vai-te...pelo único caminho que te liberta da cruz!

NAJET CURY, 21/05/2017

+

POETA MESTRE, JACÓ FILHO!!!


CRIATIVIDADE

Garimpas e moldas o ouro do teu tempo,
De seixos das almas traduzidos na beleza,
Que o céu retribuiu, separando da riqueza,
Apenas o sorriso por tanto agradecimento...

Cheguei aprendendo, com tua luz natural,
Rascunhar em versos, os sonhos sublimes...
E beira a perfeição, que o pecado, redime,
Tantas obras criativas, dum gênio imortal...

Assimilas as críticas como água no ninho,
Esperando da mãe um impulso da partida...
Alçando ousados voos com regras vividas,

Levando o andor com extremado carinho...
Ultimando dos céus, pra serem divididas,
As normas literárias, pra arte ser erguida...

JACÓ FILHO, 24/05/2017.
Parabéns! E que Deus as abençoe e a ilumine... Sempre...

+

FERA POETISA AILA BRITO!!!


CRUEL DAMA (Decaheróico)

Cruel dama, vestida como a noite,
De olhar profundo, e lábios glaciais,
Beijou-me, e como em ritos esponsais,
Tomou-me nos seus braços, anjo pernoite.

O silêncio imperava em triste açoite,
Sussurros de cefeiros angelicais,
Desfolhando das rosas sepulcrais,
Pétalas negras, flor da meia-noite.

Jazidas tumulares tenebrosas,
Arrastavam minh'alma entre breus...
Mas d'uma luz, senti olor de rosas,

A me guiar, para os braços de Deus;
Cobri-me de venturas prazerosas,
E pude descansar do triste adeus.

AILA BRITO, 23/05/2017.   
Grande abraço. Feliz e inspirada quarta-feira!
Poeta Carioca
Enviado por Poeta Carioca em 20/05/2017
Reeditado em 24/05/2017
Código do texto: T6003903
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Poeta Carioca
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 37 anos
486 textos (49376 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/07/17 17:35)
Poeta Carioca