Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Só (soneto)

Eu tenho pena da solidão
Tão só, tão falta, tão inha
Coitadinha, vive sozinha
Chorando na submissão

E tal como a erva daninha
Arrasta o ventre pelo chão
Em uma triste e nua ilusão
Que revés, alguém advinha

Aí, nesta total frustração
Tem tristura na entrelinha
E um vazio oco no coração

Então, ô aflição, coitadinha
Contigo pranteia a emoção
Soluçando a solidão minha

Dezembro, 2016
Cerrado goiano
LUCIANO SPAGNOL poeta do cerrado
Enviado por LUCIANO SPAGNOL poeta do cerrado em 20/12/2016
Código do texto: T5858701
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
LUCIANO SPAGNOL poeta do cerrado
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
503 textos (2634 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/02/17 06:03)
LUCIANO SPAGNOL  poeta do cerrado