Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONTINUAM OS AGOUROS


Este ano velho e suas desgraças a pisotear ao povo,
Que bebem do ano novo como se fosse uma cachaça,
Mal sabem que nada muda e continuam os agouros,
Com a brutalidade humana patrocinando desaforos.

Donzelas inveteradas pensam num primeiro namoro,
Velho que não dar mais no couro deseja mulher cabaço,
Este ano velho e suas desgraças a pisotear ao povo,
Que bebem do ano novo como se fosse uma cachaça.

Os que vivem de trapaças nos provocam desconsolos,
Se nesta vida tudo passa o bandido hoje é calouro,
A corrupção é a vidraça que invoca ao Juiz Moro,
Os presos da lava jato detinham grande tesouros,
Este ano velho e suas desgraças a pisotear ao povo.

LUSO POEMAS 29/12/16
Miguel Jacó
Enviado por Miguel Jacó em 29/12/2016
Código do texto: T5866665
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Jacó
Taubaté - São Paulo - Brasil, 60 anos
2691 textos (159869 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/04/17 20:48)
Miguel Jacó