Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"Razão e sensibilidade", obra-prima de Jane Austen

“RAZÃO E SENSIBILIDADE”, OBRA-PRIMA DE JANE AUSTEN
Miguel Carqueija


Resenha do romance “Razão e sensibilidade”, de Jane Austen. Editora Nova Cultural, São Paulo-SP, 2002. Título original: “Sense and sensibility”. Tradução: Therezinha Monteiro Deustsch.

A escritora inglesa Jane Austen (1775-1817) em sua curta vida produziu muito, e romances de fôlego como “Persuasão” e “Orgulho e preconceito”. Ambientava suas histórias na aristocracia rural britãnica e seu tema habitual é o casamento, a relação entre homem e mulher, e principalmente pelo ponto de vista feminino. Dona de um estilo nobre e elegante Austen mergulha fundo, e com fina ironia, num mundo de preconceitos e frivolidades, pessoas que não trabalham e vivem de rendas, mesmo assim dissipam seus bens, gente para quem o matrimônio é um negócio e que passa a vida em intrigas, maledicência, festas, caçadas (atividade hoje execrada mas que então era considerada chique), enfim no materialismo e no hedonismo. No meio disso surgem personagens mais nobres, que conseguem enxergar o egoísmo e a frivolidade desse modo de viver. Ainda assim é um mundo que não valoriza o trabalho, executado por criados de ambos os sexos que sempre acompanham essa aristocracia e que em geral sequer são nomeados; aparecem como parte da mobília e não possuem vida particular.
“Razão e sensibilidade” mostra a habilidade que a autora possui em amarrar as muitas pontas da trama, que vem a ser um fascinante estudo da dubiedade humana, da boa-fé feminina e, por que não dizer, da canalhice masculina. Há nessa história mulheres egoístas e más, porém sobressaem os homens que por mau caráter e covardia perante a família, enganam as mulheres.
A heroína do romance é Elinor, a mais velha de três irmãs. Dotada de bom senso, prudência, paciência e amor para com as pessoas da família, a começar pela mãe, ela tem consciência das idiossincrasias, preconceitos e injustiças ao seu redor. Sabe das suas próprias fraquezas, como enamorar-se de um homem que não se havia declarado e que não tinha suficiente liberdade dentro da família (sempre as considerações financeiras). Ela procura proteger a irmã, Marianne, de 17 anos, esta sim problemática, super-apaixonada por certo cavalheiro Willoughby, um sonso que dá esperanças à jovem mas que na verdade não tem nenhuma intenção de se comprometer.
Quanto à irmã mais nova, Margareth, tem 13 anos e pouco aparece.
Há um desfile de personagens interessantes na trama, desde a crédula mãe das três irmãs ao seu meio-irmão dominado pela esposa interesseira e que trabalha para passar para trás a cunhada. Há a extravagante Sra. Jennings, mexeriqueira por natureza mas dotada de senso de justiça. Há o bondoso Coronel Brandon que se enamora por Marianne mas, por ter 35 anos, é considerado velho.
Enfim é um atraente desfile de tipos humanos que retratam bem o lugar e a época.

Rio de Janeiro, 9 a 12 de agosto de 2017.
Miguel Carqueija
Enviado por Miguel Carqueija em 13/08/2017
Reeditado em 13/08/2017
Código do texto: T6082150
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Carqueija
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 69 anos
1714 textos (75525 leituras)
40 e-livros (3911 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/09/17 13:29)
Miguel Carqueija