Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O início de uma formidável epopéia

O INÍCIO DE UMA FORMIDÁVEL EPOPEIA
Miguel Carqueija



George Lucas revolucionou o cinema ao lançar a saga “Star wars” (Guerra nas estrelas) em 1977. O primeiro episódio, “Uma nova esperança” (na verdade lançado e conhecido simplesmente como “Guerra nas estrelas”) foi seguido por “O Império contra-ataca” em 1980 e “O retorno de Jedi” em 1983. Na verdade esta era a trilogia central, pois Lucas planejara nove filmes, e em seguida deveria vir a trilogia inicial — prequelas das produções já realizadas, e contando a origem dos grandiosos acontecimentos que abalaram aquela distante galáxia, há muito, muito tempo atrás...
Mas Lucas preferiu esperar, apesar da sofreguidão dos fãs, que pudesse desenvolver novos e aperfeiçoados efeitos especiais. Primeiro ele reeditou a trilogia já existente, alterando algumas cenas. Finalmente surgiu, em 1999, o verdadeiro episódio 1 — THE PHANTOM MENACE (A ameaça fantasma) — que passo a comentar.
Esta grande produção, que marcou o retorno de Lucas, produtor-executivo de toda a série, à direção, após 22 anos, é realmente emocionante e espetacular, apesar de ter sofrido críticas negativas. No meu entender é realmente um grande filme. Nele encontramos a origem de Anakin Skywalker, que, com aproximadamente oito anos na ocasião (e esplendidamente interpretado pelo menino-ator Jake Lloyd), vive no planeta livre Tatooine, onde não é aceito o dinheiro da República (é estranho que não se fale em câmbio), com sua mãe Shmi (Pemilla August), personagem estoica que está disposta a ceder o seu amado filho para que este salve a Galáxia, tornando-se um guerreiro jedi. Detalhe muito importante, e que passou algo despercebido, foi a afirmação que Shmi faz ao jedi Qui-Gon Jimm (Liam Neeson) de que “não houve pai” no caso de Anakin, ou seja, uma concepção virginal. O paralelo com Jesus Cristo é evidente, apesar de que há duas diferenças também evidentes: uma, é que Anakin não é um messias divino; outra, que ao longo da saga ele se perverterá, escorregando para o “lado negro da Força”, tornando-se o terrível Darth Vader.
Um ponto interessante é que, embora se diga que a trama começa em “The phantom menace”, a verdade é que se dá a entender uma situação já de muito complexa, o que faz supor imensos acontecimentos anteriores. A própria origem dos jedis, por exemplo, perdendo-se na noite dos tempos. A história já começa com dois jedis, Qui-Gon Jimm e Obi-Wan Kenobi (Evan Mc Gregor) metendo-se numa séria encrenca no planeta Naboo, onde a Rainha Amidala enfrenta a opressão da Federação Comercial secretamente ligada ao Lorde Lith Darth Sidrious — os siths são guerreiros opostos aos jedis, e posicionados no “lado negro da Força”.
“The phantom menace” beneficia-se com trucagens digitais extraordinárias, com criaturas de animação contracenando com personagens humanos: Jas Jas Binks, por exemplo, um bicho desengonçado e orelhudo, mais alto que um homem, e que eventualmente faz amizade com os jedis. Ou Watto, espécie de mosca gigante. Isto, é claro, sem falar nas naves e nos cenários. Lucas, com grande paciência, esperou que se desenvolvessem novos recursos na animação computadorizada para filmar esta sequência com possibilidades ainda não existentes ao tempo da trilogia original. A corrida no deserto (melhor momento de Anakin Skywalker como herói) é um festival de truques e além disso, uma citação da célebre corrida de bigas do clássico de Sam Zimbalist, “Ben-Hur”.
Outra grande sequência é a demorada luta travada pelos dois jedis — Obi-Wan e Qui-Gon — contra o guerreiro Sith, que parece um demônio jedi e até chifres tem: Darth Maul (Ruy Park, ótima atuação). De fato, o vilão utiliza uma espada de luz com duas pontas, algo até então não visto na série. A luta é terrível e alternada com os outros três combates que se desenrolam em várias partes, uma autêntica convergência de acontecimentos rumo ao desfecho.
Não é à toa que George Lucas é considerado um gênio do cinema.

Rio de Janeiro, 4 a 11 de março de 2014.

 
Miguel Carqueija
Enviado por Miguel Carqueija em 16/03/2017
Código do texto: T5942848
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Carqueija
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 68 anos
1417 textos (62435 leituras)
38 e-livros (3664 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/04/17 22:16)
Miguel Carqueija