Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ainda não acabei

existe um certo maquinismo
na vivência humana
pessoas são engrenagens,
parafusos, porcas e
todo o resto que não me cabe conhecer.

estes garantem
o bom
funcionamento
disso que não ouso
compreender

sentado com as pernas penduradas na sacada
do último andar de um prédio qualquer
(mais um na cidade)
eu pude ver

por todas as ruas
carros
pessoas
correndo...
como se o dia fosse acabar
em dez minutos;
como se
a vida
fosse.

quando deslocado
dessa máquina
tudo que há nela parece premeditado:
as paixões
a família
a amizade
o mendigo no chão deitado

(existem setores defeituosos:
os agentes correm para
reinserir
a porca no seu devido lugar)

e as pessoas costumam dizer
"isso é viver"
ter um emprego,
conquistar diplomas,
crer em Deus,
constituir família...
viver, portanto,
parece se sujeitar
a sustentar uma estrutura
a qual não se
escolhe
fazer parte.

talvez, aqui sentado na sacada
eu esteja esperando uma brisa
FORTE
que me derrube de volta
ao meu lugar nessa máquina,
pois sinto que me perdi.


OBS: O título se refere à constante construção, a infinitude das coisas, não quer dizer que o poema está incompleto.
OBS1: O poema aparece também no livro "Enlevo" do autor Adalberto Moretti Brito, que aqui escreve como Carlos Cortêz.
Carlos Cortêz
Enviado por Carlos Cortêz em 17/07/2017
Código do texto: T6056885
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Cortêz
Mococa - São Paulo - Brasil, 20 anos
16 textos (291 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/11/17 11:44)
Carlos Cortêz