Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quando o tempo chora

Meu tempo é o mandatário dos mundos,
vira do avesso os quereres,
faz transbordar o que estava seco e morto.
Meu tempo requebra no vácuo,
feito besta no cio faz valer sua lei,
faz valer seu cheiro, seu pisar no chão.
Meu tempo é vão enferrujado, câimbra maldita,
suor impregnado da mais soturna razão.
Ele nunca dorme, nunca se enverga, nunca coalha,
está sempre na prontidão dos passos,
nas ciladas dos medos, na fronha encharcada da fé.
Meu tempo goza com falsetes desmiolados, até não poder mais,
faz da minha razão seu escudo, seu expurgo, seu quilombo,
quando chora, chora mesmo, pra valer.
Do meu tempo ainda pouco sei,
ainda pouco percorri, ainda pouco arrematei.
Tenho medo das suas garras, dos seus reboques,
da sua canção, dos seus frangalhos.
Quisera ter fôlego para escalar suas vértebras pontiagudas,
quisera ter voz para acudir seus gemidos sem pai.
Mas não.
Quanto mais tento rasgar suas folhas, mais me respingo de luz.
Quando mais tento alcançar seus sangues, mais me prendo nesta rebarba sem fim.
Então, sem outra desculpa, me ponho a dormir nas ondas pungentes da sua escuridão.
Então, quem sabe, poderei desancorar cada verso manco que teimar emergir, cada adeus barrigudo que arriscar um bote.
O mesmo bote que me levou daqui pra nunca mais.

---------------------------------------------------
visite o meu site www.vidaescrita.com.br
Oscar Silbiger
Enviado por Oscar Silbiger em 19/05/2017
Reeditado em 19/05/2017
Código do texto: T6003580
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Oscar Silbiger
Campinas - São Paulo - Brasil, 59 anos
1075 textos (30434 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 06:28)
Oscar Silbiger