Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O amor é maré e se eu arredar o pé talvez não mereça nenhum cafuné

Se eu pudesse no tempo voltar mudaria a minha forma de pensar, o meu jeito de falar, a minha forma de demonstrar, o meu jeito de a vida enxergar. Se no tempo eu pudesse voltar passaria as pessoas com mais gentileza tratar, a alegria com mais sorrisos demonstrar, a vida de outra maneira interpretar, os problemas de outro jeito solucionar, a espalhar mais positividade ao falar. Se eu pudesse voltar no tempo de cara teria me assumido, teria me permitido ser o que sempre senti vontade de ser. Hoje sou assim, o que gostaria de ter sido antigamente. Ah se no tempo eu pudesse voltar! Mas como nem sempre querer é poder, o que posso fazer é permitir que o meu desejo comece a valer. Num curto período de tempo consegui me modificar e ser o que gostaria de ser, já que nesta vida devemos ser melhores não só para nós mesmos, mas para com os outros também, esse é o jeito que eu quero que me vejam, esse é o jeito que eu quero me ver.
Posso garantir que fiz boa parte do que queria fazer, que hoje sou quem gostaria de ser, sem temer o que o futuro pode me trazer.
Hoje sou a responsável por fazer a diferença na minha vida, por se orgulhar por minhas conquistas, por sem brigas muita coisa ser capaz de mudar. Eu já me fechei para o mundo e aprendi que com isso eu nada tenho a ganhar, já demonstrei demais e com isso aprendi que nem todos estão dispostos aos meus sentimentos mais profundos enxergar, já falei sem pensar e já pensei demais ficando assim com medo de falar, já fiz demais sem nada esperar, já descobri o verdadeiro sentido de entrega, já briguei por não aceitarem o meu amor e já o fiz também por quererem prendê-lo, já me enganei com a sinceridade das pessoas, já me afoguei em coisas bobas.
Por amor eu bato o pé, por amor eu me mantenho de pé, no amor eu tenho fé. O amor é maré e se eu arredar o pé talvez não mereça nenhum cafuné, pois merecedor dele é aquele de boa-fé e que dele faz o que melhor quiser.
Nós temos que lutar pelas coisas que fazem nosso coração se acelerar, pelas emoções que nos fazem perder o ar, pelo amor que nos faz arrepiar, por aqueles que fazem a nossa felicidade durar, por aqueles que nos amam não necessariamente com intensidade, mas aqueles que amam de verdade, sem maldade, pelos sonhos nos quais nunca deixamos de pensar, por aqueles com quem nunca deixamos de nos preocupar, por aqueles que nunca deixamos de amar, pela igualdade; pois toda felicidade depende do direito de poder ser, sem ter medo do que os outros irão dizer, toda felicidade depende do jeito que você sente vontade de ser e não do jeito que impõem que você deve ser.
Entre tantas coisas que eu poderei nesta vida deixar, o arrependimento não será uma delas, pois faço o que quero e não espero pelo que os outros terão para me dizer, porque me arrisco e não me desanimo se nada de bom com isso eu vier a ter, porque não fico com o que sinto sem demonstrar a alguém, porque num mundo de pessoas vazias eu transbordo e prefiro ser do mundo e quem sabe um dia ser de alguém.
Neste mundo quero deixar a certeza de que fiz o que achei que deveria ter feito, que posso ter falhado, mas que não me arrependo pelo simples fato de ter tentado, por corações ter tocado e por ter demonstrado a intensidade do meu ser sem temer, quero deixar as reflexões que rabisquei na tentativa de aliviar os pensamentos que vez ou outra tendem a me atormentar.
Quero deixar a impressão e a certeza de que fiz tudo o que podia ser feito, fiz o que julguei que era certo, amei as pessoas que no meu íntimo senti que mereciam ser amadas sem esperar nada, pois são as pessoas que mais pensam que não merecem nada que merecem todo o meu amor, que eu me questionei, que a minha própria vida mudei, que não pensei na comodidade que seria ficar do jeito que estava sem nada tentar modificar.
Pamela Lima
Enviado por Pamela Lima em 17/07/2017
Código do texto: T6056864
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Pamela Lima
Itupeva - São Paulo - Brasil, 21 anos
126 textos (888 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/07/17 13:46)
Pamela Lima