Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

amizade...irmão...amor.cap 1

Este lugar é sagrado,onde o mistério acontece,um grande cemitério do outro lado da cidade Paraíso,Cidade de ficção onde acontece a trama.Envolvendo,amizade,carinho e amor.

Fábio chora,por minutos a morte do ente querido.Cabeça baixa,olhar fixo naquele chão,misturado terra e verde da grama deslocada daquele pequeno quadrado,suspirando em sentimento de dor e solidão.
Ergue o olhar,vira para o lado direito,nota que não está sozinho,apesar do padre sair sem ele perceber,junto com demais pessoas que ali faziam homenagem também.Do lado haviam três jovens,um rapaz e duas moças,abraçados em corrente familiar,também choravam,por outra morte.
Ao ao olhar,Fábio viu aquela corrente aberta pra ele,logo entendeu,junte-se a nós.Sem entender nada,caminhou aos estranhos,sentiu protegido em meio ao caloroso abraço.
O rapaz se apresenta:sou Mauro Castilho,minhas irmãs,Vitória Castilho,Cassandra Nunes.Ele diz:prazer sou Fábio Arantes,quem morreu pessoal.
Nosso pai,responde Vitória em soluços ainda.
Sinto muito,fala Fábio,entendo,meu pai também me deixou.Estou só sem saber o que fazer.Mauro convida ele para ir a uma padaria,pois estavam famintos,entre velório e enterro.
Fábio aceita,vocês estão de carro,perguntando em seguida,enquanto caminham cemitério a fora.
Estamos a pé,íamos tomar o ônibus,respondeu Fábio.
Então vamos no meu carro,sem dizer nada todos entram no veículo e partem rumo ao centro da cidade.
Ao chegar o garçom,vem em direção aos jovens,indagando,o de sempre senhor,ele diz sim com a cabeça.
Eu convido é por minha conta,podem pedir amigos.
Fábio era uma simpatia,ar de bondade com sorriso disfarçado,devido aos acontecimentos.
Enquanto tomavam o primeiro café depois de tempo,sem pensar em comer,conversavam,se conheciam.O rapaz era mais falante,as moças limitavam a responder os dois.
Olha gente,estou triste,sem saber o que fazer,daqui pra frente.
Nós também,temos pouco tempo pra deixar o apartamento.Nosso pai vendeu tudo o que tinha para custear a sua saúde,e da nossa mão que faleceu a três meses atrás.
Sinto muito pessoal,mas vocês vão sair dessa,aposto que sim,respondeu Mauro.
Fábio pede licença,diz ir toalete.Dá alguns telefonemas,volta sorrindo.
Diz:pessoal,o que acham de passar uns dias comigo,pense que será umas férias,e com calma pensariam em uma solução para os problemas.
Mauro pergunta para as irmão,o que acham meninas,mano estamos juntos,e você sendo o mais velhos,confiamos onde for iremos.
Mas Fábio,será que vamos incomodar você,e seus irmãos,mãe.
Não incomodo nenhum,minha mãe já morreu também,sou filho único,em casa tenho secretários e secretárias,que me ajudam em tudo,são meu braço direito.
Aceito,mas com uma condição,de poder te ajudar na sua casa em qualquer coisa,as meninas também.elas concordam com o irmão.
Passaram o apartamento deles,para pegar roupas,e demais coisas para férias.O apartamento continha:três quartos,sala e cozinha,um banheiro e pequena lavanderia,no térreo do prédio.Mauro pega as malas,Fábio ajuda o amigo a colocar no carro.Cassandra fica para trás,pra fechar a porta.Seguem rumo a casa de Fábio.


bondosa
Enviado por bondosa em 30/04/2017
Reeditado em 11/05/2017
Código do texto: T5985743
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
bondosa
Wenceslau Braz - Paraná - Brasil, 55 anos
793 textos (30857 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/07/17 03:55)
bondosa