Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Buchenwald : o túmulo. 3

                         Como até me fartar e bebemos todo o leite que nos deram . Ficamos
     mudas até que a porta se abriu rapidamente e um capitão Americano apareceu
     com um capitão Inglês com uma escolta por trás .
     - Seriam estas que teriam agido em Londres ? - perguntou o Americano .
     - Estou reconhecendo três ! - disse ele apontando para Marija, Erna e Gerda Mende
     e depois me olha e se aproxima rindo - esta aqui também esteve em Londres e, -
     Olha para Gerda Maria - Aquela ali é filha de um coronel !
     - Ótimo ! - desse o Americano rindo - podemos ganhar dinheiro com isso ?
     - Claro ! - disse o Inglês se aproximando de Gerda Maria - sei onde está preso e
     como negociar !
     - Eu posso pagar por minha liberdade ! - gritou Nina Hübner de olhos arregalados.
     - Pode mesmo ? - perguntou o Americano olhando-a - É bem caro , mulher !
     - Tenho 100 000 dólares em banco Suíço ! Quantas vão comigo ?
     - Você e essa que está a seu lado chorando ! - disse ele olhando para Maria Klara .
     - Queria levar todas ! - disse Nina Hübner protestando - Não temos tanto valor
     assim !  E...
     O capitão Americano saca da pistola e atira na cabeça de Ina Grabner . E ela tom
     ba sem vida e nós gritamos .
     - Calem a boca ou mato todas ! - se aproxima de Maria Klara - só vai levar essa !-
     Olha para a guarnição - só essas três serão levadas !
     E saem agarrando Gerda Maria, Nina Hübner e Maria Klara . Esta grita :
     - Quero me despedir delas !
     E o Inglês dispara na cabeça de Maria Klara sem nenhuma piedade . Só maldade.
     - Para te deixar mais animada ...- disse o Americano puxando Nina Hübner pelos
     cabelos. Ela chora - pode levar mais duas ! Não ! - Gritou ele - Eu escolho pra você.
     E ele puxa Lili e Lale para junto de Gerda Maria -  vai levar essas duas e sem choro
     ou mato as outras ! - E as empurram para fora . E quatro soldados retiram os cor
     pos de Ina e Maria Klara e depois fecham as portas com muita força .
     - Minha grande mãe ....-  disse Gerda Mende chorando - o quê sera de nós ?
     - Nada diferente do destino das que se foram abruptamente ! - falo muito séria .
     - Talvez seria melhor se tivessem nos matado agora ! - disse Erna triste .
     - Vão querer algo em troca ! - desse Marija quase chorando .
     - Seu tio pode nos ajudar ! - disse Gerda Mende me olhando.
     - Se nos resgatar, pode ser testemunho contra ele ! - disse Erna exibindo a tatua
     tem no seio direto - essa é a fama dele .
     - Significa que estamos mortas ! - falo abaixando minha cabeça - mortas-vivas !
    - A não ser que façamos negócio com eles ! - disse Marija  olhando para a porta.
     - Que negócio ? - pergunta Erna curiosa .
     - Sexo ! - disse Marija olhando para Erna - podemos ser objetos sexuais deles !
     - Isso eles terão e estão tendo a hora que quiserem e querem ! - falo olhando-a  -
     São estupradores ! Imperialistas ! A história jamais contará sobre os estupros que
     cometeram depois da guerra. Os vencedores escrevem a história !
     Então nos calamos e nos sentamos no chão. Olho para as manchas de sangue .
     Marija começa a chorar e Gerda afaga a cabeça dela . Pouco depois vejo lágrimas
     nos olhos de Erna que logo enxuga para parecer durona. E o dia vai passando com
     barulhos de gritos, palavrōes e tiros. Sabemos do que se trata. Trazem nosso almo
     ço e comemos . Uma sopa de legumes com muito macarrão. Menos mal .
                    E a porta se abre e entra o capitão Inglês. Olho para seu nome de guerra :
     Travis . Está bem escoltado e parece rir .
      - Levem as quatro cadelas ! Terão muito trabalho hoje à tarde !
      E somos levadas dali para o alojamento dos oficiais onde, somos encarregadas
      da limpeza. Depois nos levam para o banheiro e o limpamos . E, ao anoitecer, re
      cebemos comida melhorada com muito suco . Depois nos levam para um banhei
     ro coletivo onde há outras mulheres que nos olham de rabo de olho . Tomamos
     banho e nos aliviam os pois, não nos deixaram fazer nossas necessidades fisio
     lógicas . E depois nos colocam em nosso reservado que não tem mais manchas
     de sangue. Me encosto na parede e fico olhando minhas unhas compridas e sem
     nenhum trato. Olho para Erna e ela dorme feito criança. Marija e Gerda estão qua
     se dormindo. E , em pouco tempo as duas também dormem . E eu fico ali acordada
     e me levanto e vou até um buraco onde posso ver a noite escura .
José Maria de Almeida
Enviado por José Maria de Almeida em 26/02/2017
Código do texto: T5924231
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de José Maria de Almeida e o site http://www.recantodasletras.com.br/autores/jmdealmeida"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Maria de Almeida
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 54 anos
652 textos (11583 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/07/17 15:31)
José Maria de Almeida