Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Emprego do Infinitivo Flexionado

                             Emprego distintivo

De acordo com Cunha & Cintra (2000:482), o emprego das formas flexionada e não flexionada do infinitivo é uma das questões mais controvertidas da sintaxe portuguesa.
Por conta dessa controvérsia, é mais acertado falar não de regras, mas de tendências que se observam no emprego de uma e de outra forma do infinitivo.

                        Emprego da forma flexionada

O infinitivo assume a forma flexionada:
a) Quando tem sujeito claramente expresso:
Mas o curioso é tu não perceberes que não houve nunca «ilusão» alguma.
Vila Nova lembrou que o melhor era irem todos logo falar ao Bom Jesus.

b) Quando se refere a um agente não expresso, que se quer dar a conhecer pela desinência verbal:
- Acho melhor não fazeres questão.
Bom seria andarmos nus como as feras.

c) Quando, na 3a pessoa do plural, indica a determinação do sujeito:
Ouvi dizerem que Maria Jeroma, de todas a mais impressionante, pelo ar desafrontado e pela pintura na cara, ganhara o serão.
O culpado de tudo é aquele tal Doutor Reinaldo. Por que não deixou levarem a sujeita para o recife?

d) Quando se quer dar à frase maior ênfase ou harmonia:
Tomar um tema e trabalhá-lo em variações ou, como na forma sonata, tomar dois temas e opô-los, fazê-los lutarem, embolarem, ferirem-se e estraçalharem-se e dar a vitória a um ou, ao contrário, apaziguá-los num entendimento de todo repouso… creio que não pode haver maior delícia em matéria de arte.
Aqueles homens gotejantes de suor, bêbedos de calor, desvairados de insolação, a quebrarem, / a espicaçarem, / a torturarem a pedra, / pareciam um punhado de demónios revoltados na sua impotência contra o impassível gigante.

Conclusão: A escolha da forma infinitiva é condicionada somente pelo intuito ou necessidade de evidenciar o agente da acção. É um emprego selectivo, mais estilístico que gramatical.
_________________________

BIBLIOGRAFIA:

CUNHA, Celso & CINTRA, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Lisboa, Edições João Sá da Costa, 16a edição, 2000. (PP. 482 - 487)    
Valério Maúnde
Enviado por Valério Maúnde em 06/02/2017
Reeditado em 07/02/2017
Código do texto: T5903996
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Valério Maúnde
Maputo - Cidade de Maputo - Moçambique, 26 anos
29 textos (680 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/17 23:03)
Valério Maúnde